A novela: Fork do Ethereum, capítulo…qual mesmo?

Os desenvolvedores do Ethereum forneceram ao mundo um pouco mais de informações sobre o próximo fork, o Metropolis. Conforme observado, este hard fork deve entrar em vigor no final de setembro deste ano e apresentará muitas mudanças no ecossistema. Como se verifica, haverá dois forks separados que compõem as mudanças propostas pelo Metropolis. Os dois forks serão conhecidos como Byzantium e Constantinopla, respectivamente. Ambos os hard forks irão gradualmente introduzir grandes mudanças no ecossistema Ethereum.

Publicado em 23 de novembro de 2016 por

O mais recente hard fork do Ethereum, foi oficialmente ativado no bloco 2.675.000 hoje, dias depois dos primeiros testes feitos na rede Ethereum. Entre outras mudanças, o fork dará aos desenvolvedores a capacidade de excluir contas inativas, deixadas pelo invasor desconhecido que inundou a rede, causando problemas de desempenho.

Um hard fork não é o prato preferido dos desenvolvedores, porem entre os desenvolvedores do Ethereum havia um consenso de que somente um hard fork poderia solucionar de uma vez por todas os problemas técnicos dos quais a rede vinha sendo vitima. Esse é o terceiro hard fork do Ethereum nos últimos quatro meses.

Publicidade

Publicidade

O segundo hard fork do Ethereum se provou um desastre total, culminando com a rede sendo bifurcada e com isso criando uma segunda blockchain incompatível, gerando assim uma nova moeda, o Ethereum clássico. Os dois forks mais recentes visavam por fim aos ataques de spams que vinham tornando a rede lenta, retardando as transações e contratos inteligentes.

O hard fork de hoje aperfeiçoa os preços de opcodes que o atacante vinha usando e abusando para baratear a rede com transações, contratos e contas, que todos os nós da rede precisavam executar.

‘Limpando’ a cadeia de blocos

Embora a atualização não remova diretamente as contas vazias criadas pelo invasor, ela cria uma maneira de “limpar” a blockchain.

Publicidade

Publicidade

“Com este procedimento, contas “vazias” são removidas sempre que “atingidas” por outra transação,” explica o anúncio do fork.

Embora este hard fork torne as coisas mais complicadas para os hackers, ainda não está claro se existirão ataques futuros aos clientes do Ethereum.

“Agora vamos esperar para ver se o atacante tem mais alguns truques escondidos na manga”. Esta passagem foi repassada à partir de um post de mídia social, resumindo o sentimento da comunidade do ETH em geral.

Surpreendentemente, a ultima semana tem visto um declínio notável nos ataques, interrompendo temporariamente os problemas que os usuários vêm tendo desde o mês de setembro.

Efeitos retardados

Até agora, parece que o impacto é mínimo.

A Shapeshift e a Kraken interromperam temporariamente o comércio de ethereum à medida que o hard fork chegava ao fim, mas vale a pena mencionar que o ethereum também pode ter tido um fork involuntário na semana passada.

Isso ocorreu quando um cliente Ethereum, Parity, lançou uma versão que bifurcava em um número de bloco que foi previamente decidido, mas alterado. Assim, os nós que não atualizam a partir dessa versão de fork temporário estão rodando uma versão alternativa da rede ethereum, já que nem todos tinham atualizado a partir dessa versão.

O desenvolvimento mostra como um hard fork é complicado de fazer, e que, em certo sentido, eles ainda continuam em fase experimental.

Então, vamos tentar resumir a farofa que está a rede Ethereum no momento: primeiramente houve o fork que deu origem ao Ethereum Classic, na sequência foi uma falação danada pra ver quem morria (mas ninguém morreu); após isso tivemos mais um fork para dar jeito nos ataques e na cobrança dupla que ocorria quando ETH antigo era enviado pela blockchain do fork; o terceiro foi para corrigir os problemas do segundo; e, finalmente, chegamos ao quarto fork da rede, que pode ter ou não sido um fork duplo devido à versões desatualizadas do client de mineração.

A única coisa que vêm à mente quando penso na bagunça feita pela Fundação ETH à sua moeda, que era tão promissora, é a seguinte:

voltaquedeumerda

Sem mais para o momento, vamos ver se esse é o último fork, ao menos, pelos próximos seis meses. E se ele não criou outra moeda no processo também!

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Leave a Comment