abecásia bitcoin mineração

O governo, em grandes partes não reconhecido, da República da Abecásia recentemente emitiu uma proibição imediata da mineração de criptomoedas, alertando que aqueles que desobedecerem, serão caçados.

Fruto da guerra civil de 1992 que ocorreu na Geórgia e, hoje em dia com uma população de 240 mil pessoas, a Abecásia foi reconhecida como um Estado Independente pela Rússia e outras nações. Entretanto, para as Nações Unidas a mesma ainda é considerada uma parte da Geórgia.

Vale ressaltar que como é o lar de alguns dos maiores centros estatais de mineração e opera em conjunção com companhias como a Bitfury, a Geórgia tem sido apontada como um dos países mais amigáveis à mineração da Eurásia. Assim como seus vizinhos, neste contexto, os moradores da Abecásia estão muito interessados em criptomoedas, e contam com muitos mineradores que aproveitam os baixos custos de energia das repúblicas.

Falta de energia na Abecásia

Note que, ainda que os fornecedores de energia da Abecásia tenham afirmado no início deste mês que “as linhas de transmissão e as subestações estão carregadas”, as operações de mineração de criptomoedas na região continuam aumentando.

Com as temperaturas caindo devido ao inverno, temores de apagões em todo o país começaram a surgir por todo o território, e do governo foi cobrada alguma ação. Neste âmbito, relata-se que foi aprovada uma nova lei de mineração com efeito imediato, que permite que o fornecedor estatal de energia, os serviços de segurança e o Ministério do Interior procurem e desliguem suas operações imediatamente, levando os indivíduos e empresas à justiça.

O governo declarou que tais medidas são “temporárias” e podem ser revogadas assim que os provedores concederem seu consentimento. Empresas de energia também foram proibidas de permitir que empreendimentos de mineração de criptomoedas comprem eletricidade gerada nas usinas hidrelétricas.

Por fim, a república declarou que continuará a avançar com a legislação relacionada a criptomoedas e mineração, reconhecendo a urgente necessidade de fornecer uma estrutura legal e adequada à regulamentação.