Bancor – protocolo inteligente para a liquidez de tokens

O projeto Bancor introduziu uma carteira móvel que permite a conversão descentralizada de várias criptomoedas.

Publicado em 1 de agosto de 2018 por

Bancor

O mercado está carregado de tokens e a cada dia surgem novos. No entanto, apesar de alguns serem muito comercializados, outros acabam por não ter uma alta demanda, o que inviabiliza a liquidez desses tokens. É esse o problema que a Bancor tenta resolver.

O Banco, protocolo blockchain, permite que usuários troquem seus tokens por outros sem necessidade recorrer ao mercado de criptomoedas. Assim, o Banco pretende trazer liquidez à tokens com baixa demanda.

Smart Tokens

O protocolo do Bancor utiliza contratos inteligentes para desenvolver smart tokens que podem ser usados como dispositivo opcional para negociações. Os smart tokens acionam conversões de token internamente mantendo reservas (assim como o banco central mantém reservas de outras moedas) de outros tokens ERC20 dentro do seu contrato inteligente. A partir daí eles podem converter entre as reservas conforme solicitação do usuário.

O protocolo Bancor tem suporte para todos os tokens de padrão ERC20. Todo Smart Token gerado é compatível com o padrão ERC20. Assim, qualquer Smart Token pode ser instantaneamente convertido em um dos tokens mantidos em sua reserva. Mas também podem ser convertidos em tokens ligados aos tokens de sua reserva, que por sua vez também podem estar ligados a outros token e assim por diante. Dessa forma o protocolo cria uma rede ampla que torna possível a rápida conversão de todos os tokens vinculados na rede.

Liquidez Bancor

Para trazer liquidez aos tokens, o protocolo Bancor retira a necessidade de compradores e vendedores para intermediar a troca. Dentro do protocolo é possível converter um token a qualquer momento por meio de contratos inteligentes.

O Bancor garante essa liquidez através da programação do CRR (relação de reserva constante) que impede que os smart tokens esgotem suas reservas.

À medida que os tokens passam por diversos contratos inteligentes, o valor para conversão é calculado por fórmulas e algoritmos. Esse modelo de cálculo é projetado, sobretudo, para garantir taxas de conversão, evitando o esgotamento das reservas.

Facilidade de acesso

Para converter um token, o protocolo oferece ferramentas muitos acessíveis e de fácil manuseio. O usuário pode converter seus tokens pelo aplicativo do Bancor na Web. Para isso basta selecionar dois tokens. (Por exemplo o token X e Y. O token X é o token do usuário, e o token Y é o token no qual ele quer converter o token X.). Selecionado os tokens, o usuário clica em converter. A partir daí, o Token X será convertido em um Smart Token, que tem o token X como reserva. Esse Smart Token é então liquidado para outro Smart Token que tem o token Y como serva. Assim, que a cadeia de conversão estiver completa o usuário recebe seus tokens Y.

Token BNT

Como parte de seu projeto, o Bancor criou o seu próprio Token (BNT). O BNT é o primeiro Smart Token da rede Bancor e é mantido como reserva para todos os outros tokens. Assim, a conectividade criada a partir do BNT permite que o número de conversões necessárias até chegar ao token final seja consideravelmente reduzida.

Como um Smart Token, o BNT pode ser gerado ou liquidado a qualquer momento. Dessa maneira, o fornecimento de BNT varia de acordo com as conversões que ocorrem na rede.

Atualmente, de um fornecimento total de 75.658.480 BNT, estão em circulação 50.225.979.

Mercado

Os tokens BNT vêm sendo negociados no mercado desde de junho do ano passado. Desde então, os preços oscilaram bastante, mas não tiveram o melhor desempenho possível no mercado. Segundo o CoinGeck, o token atingiu seu máximo valor, em janeiro deste ano, quando chegou a ser vendido por US$ 10,72. De lá para cá, o valor caiu cerca 72%, atingindo o preço de US$ 2,95 no dia 1 de julho de 2018.

Assim como a maioria das criptomoedas, o BNT atingiu seu máximo desempenho no início desse ano, e desde então não voltou a patamares tão elevados. Essa baixa na performance pode ser explicada, sobretudo, pela queda no desempenho do Bitcoin que pode usado como parâmetro para medir esse mercado.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment