Bancos integram projeto DLT com tecnologia do Ripple

Um consórcio de 47 bancos completou um piloto de tecnologia de contabilidade distribuída (DLT), da Ripple que agora está programado para entrar em produção em 2017.

Publicado em 2 de março de 2017 por

Um consórcio de 47 bancos completou um piloto de tecnologia de contabilidade distribuída (DLT), da Ripple que agora está programado para entrar em produção em 2017.

As firmas elogiaram o teste como um exemplo de como a tecnologia da Ripple poderia ser alavancada pelos clientes, mesmo quando não implantada nas premissas de cada empresa individualmente, segundo a SBI Ripple Asia, o braço de investimentos da Ripple com a SBI Holdings, sediada em Tóquio.

Publicidade

Publicidade

Nos últmos tempos, o Daiwa Next Bank, Banco Mizuho, Nomura Trust, Sumitomo Mitsui Trust e ORIX Bank foram alguns dos bancos adicionados à rede.

Em entrevista, Patrick Griffin, vice-presidente executivo de desenvolvimento de negócios da Ripple, enquadrou isso como um forte contraste com as políticas padrão em vigor em bancos na Europa e na América do Norte.

Griffin disse:

“A RC Cloud é um produto que coloca nossa solução corporativa na nuvem, permitindo que os bancos da região usem APIs para se conectarem ao software e acessar a solução sem uma instalação”.

Visões do futuro

Griffin explicou que o piloto mostra como os bancos poderiam usar o produto Ripple’s Connect e seu protocolo Interledger para enviar transações entre si, bem como qualquer outro banco executando o software, tanto no mercado interno quanto internacional.

Como resultado do teste bem-sucedido, Griffin disse que alguns bancos envolvidos agora estão comprometidos em mudar para a implantação de produção do RC Cloud em 2017.

“Vários bancos estão planejando entrar em produção em breve”, acrescentou Emi Yoshikawa, diretor de investimentos da Ripple. “Eles agora vão começar a discutir as regras e padrões entre os bancos.”

Em particular, enquanto a Ripple enfatizou a eficácia de sua solução de pagamento no contexto internacional, Yoshikawa, cujo trabalho é a ligação com os parceiros da Ripple no mercado japonês, citou as dificuldades com as transações domésticas como um fator motivador entre os participantes.

“Os pagamentos domésticos são realmente muito caros, mais ou menos 5x a 10x mais caros que nos EUA”, disse ela, citando problemas com o sistema doméstico japonês ZenGin Net, e o uso pesado de dinheiro pelos consumidores japoneses.

Yoshikawa sugeriu que apenas 19% das transações domésticas são sem caixa, um número em linha com a pesquisa da Associação de Crédito ao Consumidor do Japão, embora a pesquisa da MasterCard tenha colocado esse número em torno de 62%.

De acordo com dados da SBI, a os bancos possuem 60% das ações da SBI Asia e a Ripple possui 40%. Porem, a SBI possui 11,2% das ações da Ripple.

O SBI informou que economiza 12,6 bps em remessas internacionais ao usar a tecnologia da Ripple e seu XRP de ativos nativos, obtendo uma redução de custo de 60%.

Conexão dos blocos

Griffin passou a destacar como a Ripple acredita que o projeto se encaixa em seu progresso mais amplo como uma empresa, e seu trabalho com a sua rede mais ampla de parceiros bancários.

Desde o seu lançamento em 2012, a Ripple enfrenta a concorrência de uma crescente diversidade de consórcios, incluindo o projeto Hyperledger da Linux Foundation e o consórcio bancário R3CEV.

No entanto, Griffin afirma que a abordagem da Ripple, enfatizando a “produção” e um foco em casos de uso específicos, está fortalecendo seu valor.

Em última análise, ele argumenta que o produto RC Cloud, se implantado regionalmente, poderia se conectar ao trabalho em andamento em seu Global Payments Steering Group (GPSG), que Griffin enquadrou como um concorrente direto para a rede Swift.

Perguntado sobre os planos da Swift para modernizar seu sistema, Griffin ofereceu uma tomada crítica.

“O Ripple é uma atualização significativa. A Swift não representa uma inovação na estrutura de pagamento”, disse ele, acrescentando: “Nós lançamos o produto e Swift não.”

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Leave a Comment