Considerando casos de bloqueios de sites, os tribunais russos devem necessariamente envolver os proprietários desses recursos. Isto foi afirmado no acórdão do Supremo Tribunal da Federação Russa.

Os bancos russos começaram a emitir empréstimos tendo como garantia ativos como fazendas de mineração. De acordo com a Câmara Federal dos Notários (FNP), esse ano, o número de pedidos com promessa de fazendas de mineração cresceu de 100 para 108%, escreve o Izvestia.

De acordo com a publicação, desde 2014 a Câmara Notarial mantém um registro de bens mobiliários, que foi criado para ativos colaterais em empréstimos automotivos.

“Após o surgimento das moedas criptográficas no mercado, os bancos se prontificaram a fazer empréstimos a empreendedores envolvidos em atividades relacionadas à mineração dessas moedas, tais como vendedores e proprietários de equipamentos de mineração”, disse a advogada do grupo Yakovlev and Partners, Svetlana Gromadskaya.

“No entanto, esta garantia é arriscada devido à incerteza do curso das criptomoedas, das dificuldades futuras e do tempo gasto na mineração”, acrescenta a especialista.

Entre outros ativos não tradicionais tomados pelos bancos para garantia, também estão trenós, caldeiras, veados e animais domésticos.

A publicação observa que a diversificação da carteira de ativos colaterais corresponde à uma prática mundial.

No entanto, o Banco da Rússia ainda desconfia desses novos tipos de ativos, uma vez que, na opinião da instituição, pode haver dificuldades referentes à avaliação desses ativos.