Um grupo anônimo que se autodenomina "Big Bitcoin Collider" (LBC) alega que pode decifrar as chaves das carteiras de Bitcoin usando o chamado ataque de força bruta.

Um grupo anônimo que se autodenomina “Big Bitcoin Collider” (LBC) alega que pode decifrar as chaves das carteiras de Bitcoin usando o chamado ataque de força bruta. Para realizar esta tarefa, é necessária uma imensa quantidade de poder computacional que será enviada para as carteiras individuais a fim de selecionar as chaves privadas.

Representantes do grupo dizem que o projeto está em andamento há cerca de um ano, e seu principal princípio é usar uma rede distribuída de computadores (como na própria rede do Bitcoin).

Tradicionalmente, a probabilidade de revelar uma chave pesquisando todas as chaves possíveis é considerada muito baixa. E embora, teoricamente, tal possibilidade seja permitida, para atingir esse objetivo, é necessário um enorme poder de computação, o que põe em questão a viabilidade econômica da investida.

Provavelmente, seja por causa da escala do problema que o projeto é chamado de “Big Bitcoin Collider” – em analogia ao grande colisor hadrônico, o maior acelerador de partículas carregadas do mundo.

No entanto, em vez de descobrir novas áreas em física, o objetivo do LBC é fazer colisões criptográficas e, mais especificamente, a prova de que uma sequência supostamente única e aleatória de dígitos pode ser duplicada.

De forma natural, surge a questão da fonte de energia computacional necessária para esse fim, mas a LBC resolve isso fazendo uso de uma rede distribuída de um grande número de usuários. Àqueles que desejam fazer parte do “Big Bitcoin Collider” é oferecida a opção de baixar um cliente especial, depois disso, você se põe a participar do processo de encontrar coalisões e receber uma parte do que for conseguido pelo grupo.

O líder do grupo LBC, que usa o pseudônimo “Rico”, diz que durante todo o período de seu trabalho o projeto gerou mais de 3000 trilhões de chaves privadas e verificou-as nos endereços de Bitcoins existentes.

Cerca de 30 dessas chaves foram abordadas com sucesso, mas apenas três carteiras continham Bitcoins. No total, na lista de “troféus” no site LBC afirma-se que cerca de uma dúzia de carteiras foram hackeadas com sucesso.

Quanto à legalidade da participação no projeto, a LBC recomenda aos usuários confessarem o chamado princípio do “laissez-faire”, ou seja, o princípio da não interferência. Permitir que as coisas sigam seu curso, seja lá onde forem parar.

“Dependendo da sua jurisdição, isso pode ser considerado um roubo e, como tal, é ilegal. No entanto, existem muitas jurisdições onde você pode legalmente reivindicar 5-10% do montante total dos fundos encontrados. Portanto, cabe a você se você decidir se quer ficar com 100% e se tornar um criminoso ou ficar com 10% e continuar sendo um cidadão cumpridor da lei”, diz o site da LBC.

Ao mesmo tempo, uma reserva é feita lá de que o roubo de até mesmo o menor montante da carteira de uma organização sem fins lucrativos “transforma você em um canalha incondicional”. Hackear todas as outras carteiras ao mesmo tempo é considerado aceitável.

No entanto, o LBC não esta limitado a hackear as carteiras de Bitcoin.  A segunda meta da LBC é uma verdadeira coalisão criptográfica, que compromete os algoritmos existentes dos hashs do Bitcoin.

“Encontrar uma colisão de P2PKH [um dos métodos criptográficos para criar bitcoins] provavelmente significará o fim de P2PKH, mas não o fim de Bitcoin, o Bitcoin terá que usar novos tipos de endereços. Estou absolutamente certo de que não é por conta disso que o Bitcoin morrerá”, explica Rico.

De acordo com a publicação, os esforços da LBC podem ser comparados com a recente quebra do algoritmo criptográfico SHA-1, após o que se tornou essencialmente inútil em uso.

Enquanto isso, a discussão já sugeriu que o verdadeiro objetivo do projeto pode não ser a quebra de algumas carteiras aleatórias, mas a caça direcionada para os Bitcoins “perdidos” gerados nos estágios iniciais da existência da Primeira criptográfica.

“São cerca de 10% de todos os Bitcoins foram criados antes de 2012 e nunca foram negociados. Se alguém conseguisse a chave para os Bitcoins perdidos no início, a recompensa será enorme, talvez mais de um bilhão de dólares. Há especulações de que estes Bitcoins pertencem a Satoshi Nakamoto , quem quer que ele seja – ele pode ter morrido, ou mesmo perdido suas chaves, ou alguém perdeu chaves privadas de todos os primeiros Bitcoins. A medida que os anos passam, a segunda suposição parece ser a mais provável “, diz um dos comentários.

Seja como for, para os usuários comuns, o risco de ser uma vítima do “Big Bitcoin Collider” ainda parece muito improvável até à data. Mas, ao mesmo tempo, não se pode descartar que os esforços do grupo também podem levar a algo mais.