Binance anuncia parceria com a rede móvel descentralizada Qlink

A corretora Binance anunciou, nesta segunda-feira, 2 de abril, uma parceria com a primeira rede móvel descentralizada, Qlink. Como parte da cooperação, o par de negociação BX QLC/BNB foi adicionado à Binance, sendo que os tokens internos da corretora, BNB, serão integrados ao aplicativo descentralizado Qlink.

Publicado em 2 de Abril de 2018 por

A corretora Binance anunciou, nesta segunda-feira, 2 de abril, uma parceria com a primeira rede móvel descentralizada, Qlink. Como parte da cooperação, o par de negociação BX QLC/BNB foi adicionado à Binance, sendo que os tokens internos da corretora, BNB, serão integrados ao aplicativo descentralizado Qlink.

Como relatado no website da plataforma de negociação, o token BNB também será utilizado como método de pagamento no Qlink dApp. Enquanto isso, o Qlink blog observa que a listagem do QLC na corretora foi adicionada em 26 de março.

A descrição do projeto diz que o primeiro Qlink dApp para compartilhamento de redes móveis – que incluiu funcionalidade WiFi e uma carteira – foi estreiado no Github em janeiro de 2018. Desde então, o aplicativo passou por 11 atualizações e em abril será disponibilizado na Google Play.

“A Qlink se esforça pra criar um protocolo descentralizado melhor para redes móveis. Ele é criado em cima da Blockchain pública e será finalizado até o final de 2018”, resume o blog da Qlink.

Nota-se também que as equipes da Binance e da Qlink estarão envolvidas no estudo de outros cenários reais de aplicação de tecnologia. Assim, além de oferecer suporte ao token BNB para o serviço de recarga de contas móveis no Qlink dApp, desenvolvedores também estão discutindo o possível desenvolvimento de uma solução cruzada para várias plataformas entre a Binance Chain e a QLC Chain.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment