Bancos búlgaros começaram um congelamento em massa de contas de empresas que trabalham com moedas criptográficas.

Bancos búlgaros começaram um congelamento em massa de contas de empresas que trabalham com moedas criptográficas. Informações sobre isso apareceram no fórum “Bitcoin-Bulgária”.

“Durante a noite, todos os bancos da Bulgária bloquearam as contas de empresas cujas atividades estão relacionadas à compra e venda de Bitcoins. Também proibiram transferências para intercâmbios internacionais. Dentro de alguns dias, será realizada uma reunião do Conselho da Associação Búlgara de Bitcoin, onde apresentaremos recomendações e um plano para novas ações para a comunidade “, escreveu o administrador do fórum Bitcoin-Bulgaria.

O representante de uma das empresas que enfrentaram os problemas bancários juntou-se à discussão. No entanto, o usuário observou que, no seu caso, acabou por ser a decisão do diretor da organização financeira.

“O BSC [United Bulgarian Bank] informou há alguns dias que está fechando as contas de nossa corretora de criptomoedas. Depois de conversar com um dos líderes do banco, percebi que esta é uma decisão de seu proprietário, e não a demanda de um órgão regulador. Falamos com Societe Generale e Piraeus – ambos bancos que não têm problemas com empresas que trabalham com moedas criptográficas”, acrescentou o diretor-gerente da empresa de telecomunicações Neterra, Neven Dilkov.

Anteriormente, corretoras locais de ativos criptográficos também relataram problemas com os bancos. Por exemplo, o site Crypto.bg no momento não funciona – a página principal exibe apenas um “talão” com a mensagem:

Bulgária: bancos fecham contas de empresas de Bitcoin. BTCSoul.com

“Por conta da imperfeição do sistema bancário tradicional, o First Investment Bank interrompeu as relações com o sistema cambial búlgaro. O problema não está no PIB, mas no sistema bancário como um todo, e sua solução é bastante compreensível. Para realizar nossas atividades, precisamos de uma conexão bancária com intercâmbios internacionais. Por isso, paramos nossos negócios até encontrar uma solução.”