O Australian Tax Service (ATO) iniciou um debate público com o objetivo de "entender os aspectos práticos associados às obrigações tributárias em relação às moedas criptográficas".

A divisão para Blockchain da empresa australiana IoT Group, em parceria com o Royalti Blockchain Group, um revendedor local do equipamento de mineração da marca Bitfury, planeja abrir sua própria empresa para mineração de criptomoedas. Isso foi relatado pela CCN.

De acordo com os termos do acordo, na área de 2 hectares no Hunter Valley será criado um “Complexo de aplicação de Blockchain”, que usará energia da central elétrica a carvão Redbank, que permaece parada desde 2014. Por sua vez, o Royalti instalará equipamentos da Bitfury dentro das instalações do Grupo IoT.

O acordo com o Royalti supostamente custou ao Grupo IoT mais de 190 milhões de dólares australianos (US$142 milhões). No entanto, a mensagem não cita números específicos.

Além disso, o Royalti receberá 20 megawatts de eletricidade por pelo menos cinco anos a um preço de 11 centavos de dólar por kWh, enquanto a tarifa padrão é de 30 a 45 centavos de dólar.

Entretanto, antes que o projeto seja implementado, a Hunter Energy deve comprar e comissionar a usina Redbank. Em caso de sucesso isso, o Grupo IoT poderá receber eletricidade a preços preferenciais.

“Os investidores precisam levar em conta que a implementação do acordo só será possível se certas condições forem cumpridas, incluindo a compra da usina Redbank pela Hunter Energy. Caso contrário, a transação não será realizada”, afirmou o anúncio da Bolsa de Valores da Austrália.

Espera-se que as condições necessárias sejam atendidas antes do dia 1º de outubro.