Como as blockchains podem ajudar o transporte marítimo

Evento que ocorrerá dia 24 de novembro em Hong Kong, avaliará a viabilidade do uso de blockchains no setor de transporte marítimo,

Publicado em 11 de novembro de 2016 por

Um  estudo de evento vai ocorrer esse mês em Hong Kong, onde será avaliada a viabilidade do uso de blockchains no setor de transporte marítimo, em escala global. O “Chain of Shipping”, ocorrerá dia 24 de novembro no Hong Kong Maritime Industry Week.

Aprisionada em papel

Publicidade

Publicidade

A indústria naval ainda depende muito da documentação em papel. Como resultado, ela sofre de questões de controle de qualidade, fraude de documentos e disputas onerosas. Mesmo que vários segmentos da indústria se tornem digitalizados e acessíveis on-line, ela ainda enfrentará a nova ameaça de cyber-ataques.

Há muita coisa em jogo: mesmo na última década, o frete marítimo constituía dois terços de todo o comércio mundial. Além disso, empregou 13,5 milhões de pessoas e movimentou US $ 4 trilhões em bens apenas em 2007.

A startup Chain of Things, da Hong Kong-blockchain e Internet de Coisas (IoT), estará hospedando o evento de novembro. Além disso, tem endosso de aceleradores de tecnologia do governo como o Hong Kong Cyberport e a Corporação de Parques de Ciência e Tecnologia de Hong Kong.

Publicidade

Publicidade

O diretor da Chain of Things, Hans Lombardo, disse que a execução da indústria de transporte marítimo em contratos baseados em blockchains poderia economizar enormes quantias de dinheiro.

“Documentos de expedição fraudulentos causam perdas à indústria naval. É difícil saber números exatos sobre a fraude porque eles são muito difundidos. Um dos problemas é que 80% por cento da documentação de embarque como “conhecimento de embarque” ainda está em papel”.

Casos de fraude tipicamente envolvem roubo de carga e rotulagem incorreta de conteúdos com o propósito de enganar compradores ou contrabando de mercadorias ilegais.

Contratos inteligentes e IoT

A Chain of Things quer combater essas transgressões combinando contratos inteligentes e dispositivos sensores de IoT. A empresa discutirá seu plano de estudo de caso em uma sessão do evento de transporte marítimo de Hong Kong.

Ele vai analisar formas de instalar dispositivos de sensor em contêineres ou navios, que “coletarão dados sobre as condições de remessas e compartilharão esses dados em tempo real com as partes relevantes e informarão o contrato inteligente, chamado de ‘conhecimento inteligente’”.

Essas duas tecnologias trabalhando em conjunto detectariam problemas com a carga desde o início de uma expedição. Além disso, os contratos poderiam mesmo se auto executar para reembolsar uma parte danificada sem a necessidade de litígio ou qualquer intervenção humana.

A Chain of Things diz que está ciente de que nem todos os problemas serão resolvidos, por isso pretende discutir caso a caso o quão útil suas soluções poderiam ser. A conversa que começa pode também trazer outras maneiras de tornar o transporte mais eficiente e transparente.

Escolhendo uma plataforma

A partir daí, a empresa começará a trabalhar em seus próximos passos, incluindo a escolha da plataforma blockchain que melhor atende suas necessidades.  

“Atualmente estamos usando um nó Ethereum privado no Azure da Microsoft para testes”, acrescentou Lombardo. “O estudo de caso está examinando se este será adequado como sistema de bloqueio privado ou público.”

A Chain of Things espera atrair tanto tecnólogos quanto os participantes da indústria de logística para seu evento de um dia. Lá, os palestrantes da sessão explicarão as questões e a terminologia relevantes de cada um.

Outros parceiros do evento Chain of Things também incluem: Associação Internacional de Transporte e Comércio das Mulheres (WISTA), Jovens Profissionais da Rede de Navegação (YPSN), Jen Advisors, Bolero, PwC e Infiniti Lab.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Leave a Comment