As criptomoedas são realmente um “papel de bala”?

Publicado em 16 de setembro de 2017 por

Representantes proeminentes da economia dominante e funcionários do mais alto nível muitas vezes respondem desdenhosamente às criptomoedas, subestimando claramente o potencial delas.

Com que palavras esses “especialistas reconhecidos” não chamavam o Bitcoin! É impossível contar a quantidade de vezes em que algum proeminente jornal, revista ou qualquer outro meio de comunicação se referiu de forma pejorativa ao Bitcoin e às criptomoedas, na maior parte deles vez ou outra falando sobre a “bolha criptográfica” e o inevitável colapso do Bitcoin.

Publicidade

Publicidade

Devo dizer que, neste caso, não sei de qual país vem os piores comentários. Há alguns dias relatamos que o presidente da PJSC “Rostelecom” Mikhail Oseevsky comparou as criptomoedas com “papel de balas” de doces, cujo valor é puramente subjetivo (um dos comentários mais estranhos sobre criptomoedas que já vi). Em outras palavras, o chefe da Rostelecom, avaliando ativos criptográficos, considerou-os como algo tipo “brinquedo”, desprovido de valor intrínseco, independentemente de suas próprias palavras, “a tecnologia promissora de blockchain”.

Vale ressaltar que a declaração deste oficial de alto escalão é apenas um caso especial de idealizar a tecnologia subjacente às criptomoedas ao mesmo tempo em que negligencia as próprias moedas digitais.

Não parece sem sentido chamar ativos cuja capitalização excede o valor de mercado das maiores empresas do mundo e até mesmo o PIB de alguns países de “envoltórios de doces”? É justo avaliar as criptomoedas sem ter em conta as perspectivas de sua tecnologia subjacente?

Publicidade

Publicidade

No âmbito deste artigo, será feita uma tentativa de dissipar o mito dos “invólucros de doces”, cujo valor, na opinião de alguns, é “estritamente subjetivo”.

Bitcoin e blockchain

O Bitcoin, que apareceu na virada de 2008-2009, é a primeira moeda digital e é baseado na tecnologia de blockchain, sua tecnologia adjacente que se tornou amplamente conhecida. Esta última está sendo explorada pelas maiores empresas do mundo e, na opinião de muitos pesquisadores, mudará a aparência das mais diversas indústrias (não apenas financeiras) e transformará radicalmente muitos dos modelos de negócios existentes.

Uma grande quantidade de criptografias, cuja capitalização cumulativa ultrapassou recentemente a marca de US$ 150 bilhões, baseia-se na própria tecnologia de blockchain, que está tão na moda agora. Em cada uma das moedas digitais, existe uma certa solução tecnológica e, claro, uma ideia, cuja a personificação o time do projeto está trabalhando.

Claro, entre toda essa abundância, há muitas moedas de pouco valor, que, obviamente, não podem mudar o mercado financeiro ou qualquer outra coisa. No entanto, a concorrência é a alma do mercado, o que significa que, no processo de seleção natural, os melhores recursos de criptografia sobreviverão, o que, possivelmente, pode mudar muitos aspectos da existência humana.

Dinheiro privado

O economista austríaco Friedrich von Hayek, premiado com o Nobel, em seu trabalho “Dinheiro privado” (1976) propôs desnacionalizar o dinheiro, porque, na opinião dele, o monopólio sobre as emissões dele pelos Estados é prejudicial para a sociedade. Em seu famoso trabalho, Hayek propõe eliminar o monopólio do banco central, criando um ambiente de dinheiro, onde as moedas mais estáveis ​​que melhor servem as funções de dinheiro expulsarão as moedas que competem pior com os deveres que lhes são atribuídos ao longo de concorrência.

Em outras palavras, na opinião do famoso economista, uma vez que o dinheiro é uma mercadoria e o monopólio absoluto é prejudicial à sociedade, então, para alcançar o crescimento econômico, os diferentes tipos de dinheiro descentralizados devem competir uns com os outros.

Além disso, de acordo com Hayek, na literatura econômica não há nenhuma resposta inteligível para a questão da adequação de um monopólio estatal sobre a emissão monetária.

“É uma relíquia da ideia medieval que é o estado que de alguma forma dá um valor ao dinheiro que ele por si mesmo não teria”, F. von Hayek, “Dinheiro Privado” (Capítulo V. Misticismo do “concurso legal”).

Poucas décadas depois, o distinto economista americano Milton Friedman prevê uma diminuição da influência dos governos através da Internet, bem como o surgimento do “dinheiro eletrônico confiável”, que permite transações anônimas.

O custo interno do Bitcoin ou porque as pessoas se livram do dinheiro fiduciário

Voltando ao Bitcoin, muitos o criticam não só por sua “falta de segurança”, mas também pelo fato de que é impossível “toca-lo”, uma vez que apenas existe na forma digital. Devo dizer que, a este respeito, o Bitcoin não trouxe nada de “inovador”, especialmente se você comparar o volume de negócios de dinheiro na forma de moedas e notas com a circulação não monetária na forma de dígitos na memória de computadores bancários.

Quanto à “insegurança” das criptomoedas, esse é um mito puro. A Bitcoin não é sem razão, muitas vezes referido como “ouro digital” pela complexidade excepcional da sua extração sob uma oferta estritamente limitada. Os Bitcoins podem ser minerados, ou seja, são gerados por processadores poderosos que resolvem os cálculos matemáticos mais complicados. Bilhões são investidos em equipamentos de trabalho (mineração) localizados em todo o mundo, todo esse equipamento em conjunto é mais poderoso que os computadores mais produtivos do mundo.

Neste contexto, os argumentos do entusiasta de criptomoedas e fundador da MGT Capital Investments John McAfee são interessantes. Em resposta às críticas do chefe da JPMorgan Chase & Co., Jamie Daymon sobre o Bitcoin, McAfee disse o seguinte:

“Você chama o Bitcoin de uma fraude. Mas eu sou mineiro de Bitcoin. Criamos Bitcoins. A extração de cada um deles custa mil dólares. E o que custou para criar um dólar? Então, qual é o embuste? Enquanto a moeda de dólar tem o valor investido de uma folha de papel, eu e os outros mineiros gastamos mil dólares por cada um dos Bitcoin encontrados. Isso é chamado de ‘prova de desempenho no trabalho’”.

Assim, de acordo com McAfee, uma das confirmações do valor do Bitcoin é o enorme investimento de mineiros na capacidade de supercomputadores para a produção de criptografias e o custo de pagamento de contas pela eletricidade.

Voltando ao sistema financeiro tradicional, vale ressaltar que a independência do banco central de qualquer país do governo é formal, existente apenas no papel. Ao mesmo tempo, a questão das moedas nacionais é, de fato, ilimitada, mas isso significa que o dinheiro pode ser impresso tanto quanto desejado.

O sistema bancário da maioria dos países com a ajuda de uma “máquina de impressão” e um multiplicador de crédito produz enormes quantidades de massa monetária, muitas vezes incompatíveis ​​com as necessidades da economia real. A quantidade excessiva de oferta de dinheiro inevitavelmente leva à inflação – um aumento no nível médio de preços e uma maior depreciação das moedas nacionais (fiat). Ao mesmo tempo, estes últimos são, em grande parte, garantidos pela confiança das pessoas no sistema atual e são apoiados apenas pelos sucessos econômicos declarados, bem como por intervenções cambiais e manipulações com a taxa chave do banco central.

Abaixo está a dinâmica do crescimento da oferta monetária M2 do Brasil:

As criptomoedas são realmente um “papel de bala”? BTCSoul.com

Dados: en.tradingeconomics.com

Como pode ser visto no gráfico, o volume do agregado monetário M2 aumentou em mais de 10% nos últimos cinco anos. Carta de informações do cliente:

As criptomoedas são realmente um “papel de bala”? BTCSoul.com

Dados: en.tradingeconomics.com

Assim, pode-se concluir que as moedas nacionais são impressas em todas as circunstâncias, independentemente do estado objetivo das coisas na economia.

O dinheiro fiat (ou fiduciário) não tem valor intrínseco e, portanto, tem valor enquanto a população do país confia no governo e no sistema bancário do país.

No contexto da instabilidade financeira global, muitos buscam salvar seus fundos criando uma carteira de investimentos diversificada constituída por ações, títulos, metais preciosos e outros instrumentos. Nos últimos anos, o número de investidores está crescendo rapidamente, incluindo uma classe de ativos fundamentalmente nova – as criptomoedas.

Voltando ao Bitcoin, não se pode deixar de notar que sua emissão é estritamente limitada a 21 milhões de moedas. Ao mesmo tempo, atualmente, mais de 16,5 milhões de Bitcoins estão em circulação, e a cada quatro anos há uma diminuição na quantidade de Bitcoins por bloco extraído. Assim, a demanda exponencialmente crescente está cada vez mais à frente do crescimento da oferta, o que inevitavelmente afeta o crescimento do preço do Bitcoin.

Abaixo está a dinâmica de crescimento no preço da Bitcoin:

As criptomoedas são realmente um “papel de bala”? BTCSoul.com

Dados: coin.dance/stats (a partir de 10 de setembro de 2017)

Quanto à capitalização de mercado global de criptomoedas, ele só aumentou dez vezes desde o início deste ano.

As criptomoedas são realmente um “papel de bala”? BTCSoul.com

Dados: coinmarketcap, a partir de 10.09.2017

Consequentemente, quase todos as pessoas que investiram este ano em uma carteira diversificada de moedas digitais tiveram uma excelente chance de multiplicar seu capital várias vezes.

Muitos acreditam que o Bitcoin está longe de esgotar seu potencial completo de crescimento. Assim, o chefe da Blockchain.com, Peter Smith admitiu que o Bitcoin poderia atingir um preço de US$ 500.000 até 2030. Ainda mais audaz foi a previsão feita neste verão pelo CEO da MGT Capital Investments John McAfee.

Por que a moeda criptografia tem seu valor?

Voltando à teoria, observamos que os bens têm um valor econômico diferente, determinado pelo mercado. Em outras palavras, objetos diferentes têm seu valor apenas porque as pessoas querem possuí-los por uma razão ou outra.

O dinheiro é uma mercadoria. O preço de qualquer produto é baseado em uma avaliação subjetiva de seu valor e grau de utilidade. Por exemplo, o preço de uma tela por um artista bem conhecido não consiste no custo da tela do artista, pinturas e horários mantidos trabalhando para isso. O valor de uma imagem é uma coisa subjetiva, que se reflete no preço de equilíbrio que se desenvolve na interseção de oferta e demanda.

Quanto ao exemplo de utilidade, a água fresca será percebida e avaliada de maneiras completamente diferentes pelos habitantes da União Europeia e pelos países da África Central.

Tudo isso se aplica às criptomoedas. Assim, o valor e a utilidade de cada moeda digital (e, consequentemente, seu preço de mercado) são determinados por uma variedade de fatores. Entre eles:

  • – o problema resolvido por este ou aquele bloco de ativos;
  • – Inovação da tecnologia subjacente à moeda criptográfica;
  • – o nível de confidencialidade das transações (por exemplo, recentemente houve um aumento nos preços das criptografias anônimas, incluindo Monero, Zcash, etc.);
  • – equipe do projeto, reputação, qualificações e sucesso dos desenvolvedores;
  • – promoção através da mídia, promovendo a popularização da moeda;
  • – eletricidade gasta em prova de desempenho no trabalho (Prova de trabalho) e, consequentemente, proteção de sistemas distribuídos;
  • – a complexidade da rede;
  • – Escalas de grandes projetos, pirataria de bolsas de valores, etc.

Os seguintes fatores estão relacionados à lei de oferta e procura, e também são amplamente refletidos na “equação de Fisher“: 

  • – Política monetária (menos tokens em circulação e/ou mais complexidade no processo de extração da criptomoeda – maior o preço do token, sendo outros fatores iguais);
  • – Demanda de tokens;
  • – o volume de transações (estreitamente relacionado ao fator anterior e em caso especial, muitas vezes dependendo do tamanho das comissões e da velocidade de transação), etc.

Conclusão

De fato, o valor das moedas digitais deve muito à sua popularidade aos esforços dos desenvolvedores, ao desenvolvimento de infraestrutura e instabilidade financeira global.

Uma vez que, como já mencionado, qualquer moeda criptográfica tem um valor determinado pelo mercado, significa que apenas os participantes do mercado (todos os consumidores, e não apenas os funcionários) determinam se um bem digital é um “papel de bala” ou não. Em particular, todos decidem por si próprios se devem investir em criptomoedas ou não.

Se, ao longo do tempo, o número de participantes no mercado aumentar, considerando, por exemplo, que as criptomoedas são um bom instrumento de cobertura de riscos e um componente importante de uma carteira de investimentos diversificada, a capitalização das moedas digitais continuará a crescer rapidamente. Como resultado, menos pessoas farão declarações sobre “embalagens de doces e bombons” e “o inevitável colapso do cripto de bolhas”.

Seja lá o que for, as moedas digitais são uma realidade objetiva e, o volume de seu mercado, é uma comprovação dele. Em última análise, o próprio mercado determinará quais criptomoedas “cairão no esquecimento”, e quais permanecerão.

Quanto aos argumentos sobre a “inflação” da moeda criptográfica, mesmo que isso seja assim, o volume deste mercado ainda está muito distante, por exemplo, da “bolha ponto-com” que existia no período de cerca de 1995 a 2001:

As criptomoedas são realmente um “papel de bala”? BTCSoul.com

Agora, quase todos sabem sobre criptografia e sobre mineração, mais e mais empresas começam a aceitar criptografias como pagamento de bens e serviços e, no Japão, o Bitcoin já tornou-se um meio de pagamento legítimo desde abril. As tecnologias estão em desenvolvimento e a popularidade das criptomoedas no mundo está crescendo, o que não pode deixar de se refletir na dinâmica de seus preços.

Se muitas pessoas considerarem as moedas criptográficas como uma excelente ferramenta para preservar o valor, a demanda exponencialmente crescente para elas não deve ser surpreendente. As pessoas não querem perder suas economias e desejam diversificar suas carteiras com instrumentos de investimento com uma correlação inversa aos ativos tradicionais.

No entanto, as autoridades de muitos países realmente não gostam desse estado de coisas. Os chefes dos bancos centrais, especialmente os países em desenvolvimento, provavelmente estão preocupados com a possível saída de depósitos do sistema bancário, mas ainda mais, de modo que as ferramentas habituais de política monetária e de crédito simplesmente deixarão de funcionar. Então, recentemente, o chefe do Banco Central da Federação Russa, Elvira Nabiullina, prometeu não admitir criptomoedas no mercado russo. Além disso, ainda existe a incerteza significativa que reina agora na China.

No entanto, é improvável que os governos consigam destruir as criptomoedas com métodos administrativos. Afinal, muitas delas são anônimas, e o “mercado negro”, como você sabe, pode lidar com as falhas do Estado.

Os governos dos países, antes de proibir qualquer coisa e reivindicar os “riscos das pirâmides financeiras”, podem também pensar sobre a competitividade de tais moedas nacionais usuais, além de outras questões importantes?

Publicidade

Publicidade

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Leave a Comment