Culpe a regulamentação ou as vendas de especuladores… mas a comunidade criptográfica é responsável pela mais recente queda no preço

Culpe a regulamentação ou as vendas de especuladores... mas a comunidade criptográfica é responsável pela mais recente queda no preço

Publicado em 3 de dezembro de 2018 por

Chegamos ao fundo! O Bitcoin só pode subir a partir daqui. US$6 mil… Não… US$5 mil? Ok, US$3 mil é a barreira definitiva. Daqui, só subida. Aguente. 2019 é o ano das criptomoedas. O mercado de urso conservadoramente reduziu a previsão de preço para o fim do ano de US$25 mil para US$15 mil.

Se tudo isso soa meio estranho, é porque é.

Desde que as criptos capturaram a atenção do mundo no fim de 2017, deslanchando para US$20 mil antes de perder quase 80% de seu valor até novembro, debates foram feitos a respeito do futuro do mercado. Quase que diariamente, um ou outro evangelista criptográfico fala que um crescimento sem precedentes está a apenas algumas semanas de distância. E isso está começando a se tornar um problema.

Muito da culpa da estagnação e declínio das criptomoedas está em dois fatores: regulamentação incerta e vendas de especuladores. Os analistas prometem que uma vez que a legislação concreta entre em vigor para a incorporação de criptos em espaços financeiros mais tradicionais, os preços irão à lua. Regulamentação significa menos incerteza a respeito da legalidade das criptomoedas e maior adoção.

As vendas de especuladores atribuem a queda das moedas digitais aos investidores que pularam no mercado durante o ápice de seu crescimento, mas falham em entender o que eles estavam realmente comprando e descartando para evitar perdas pós-colapso. Isso pode ajudar a explicar a queda inicial que teve início no começo do ano, mas é improvável que seja uma força motriz no colapso de novembro.

Então… por que o Bitcoin e outras criptomoedas estão caindo tanto? A verdade é que a comunidade criptográfica, composta de muitos crentes verdadeiros, pode ser responsável.

Os líderes do mercado continuam atirando em seus próprios pés. Parece que os principais players da indústria na Tether e na Bitfinex estavam manipulando o preço do Bitcoin durante a subida do último ano, alavancando seu controle de mercado para criar fluxos de falsa atividade e mandar o preço cada vez mais para cima Combinado com incontáveis esquemas de ICOs fraudulentas e utilização do Bitcoin para financiamento de atividades ilegais, a última coisa que as criptos precisam é de players “legítimos” envolvidos em esquemas ilegais.

Os principais players também têm deslegitimado as criptomoedas através de rivalidades gananciosas. Enquanto hardforks ocasionais fazem sentido quando debates filosóficos surgem sobre updates na rede, o recente hardfork do Bitcoin Cash foi desnecessariamente infantil e violento. Ambos os lados foram à guerra para falar do futuro da moeda – ameaças de destruir completamente a outra moeda também foram feitas.

Isso destaca dois problemas na comunidade criptográfica: fragmentação e indivíduos com muito poder. Redes de forking para diferentes funcionalidades… tudo bem de vez em quando. Redes de forking para ganhos individuais e travar guerras contra a rede oposta… preocupante e ilegítimo.

Se a comunidade criptográfica está realmente preocupada com a iminente regulamentação do governo ou a quebra do mercado, é preciso reforçar suas práticas. Nenhum criptomoeda será favoravelmente regulamentada quando o mercado for forjado com fraudes, esquemas e confrontos egoístas.

Contudo, virar a página no que se refere a atividades de esquema, pode provar o impossível para muitos players. O incerto cria incertezas. Quanto mais o preço cai, mais desesperados ficam os players principais, e isso torna atividades sombrias mais apelativas. Mais fraudes = regulamentação menos favorável, menos adotantes e valorização decrescente.

A manipulação está contaminando redes sem confiança. A comunidade criptográfica precisa encontrar seu caminho e espaço antes de esperar por popularização e adoções positivas.

A descentralização, um dos aspectos de maior orgulho da comunidade, por tornar isso difícil. Ninguém com poder de fazer mudanças positivas, de se comportar mais sustentavelmente, tem o incentivo para fazê-lo, já que posições mais conservadoras poderiam levar a um futuro declínio na valorização, e outra queda poderia matar mais corretoras e firmas. O outro problema da descentralização do Bitcoin é que muito do mercado é controlado por um punhado de contas, o que dá a essas baleias uma imensa influência sobre o mercado – algo que faz o mercado menos descentralizado do que seria o ideal para abrigar uma taxa estável de valor.

Por fim, a comunidade criptomonetária precisa observar bem suas práticas para assegurar que o Bitcoin e outras criptos possam florescer no futuro. É preciso lidar com as fraudes desenfreadas, evangelistas promovendo ambientes “sem confiança” e muito controle centralizado antes que a regulamentação do governo estabeleça suas próprias – e duras – regras como uma reação à atividade no espaço criptográfico. As moedas digitais possuem o poder de revolucionar o sistema financeiro global caso a comunidade não desperdice seu potencial com gananciosas reações ao pânico de curto prazo.

Por agora, os evangelistas precisam parar de proclamar avaliações de US$500 mil, por mesmo que o Bitcoin eventualmente alcance tais taxas, essas não são conversas necessárias no momento. As coisas que deviam estar em pauta são: conformidade regulatória, crescimento sustentável, estabilidade e obstáculos técnicos – não hypemanship. A regulamentação e interesse externo definirão a valorização das moedas digitais no futuro, mas isso não é o que está provocando as quedas nos valores. Quando em busca por respostas para o porquê a mais recente queda ocorreu, a comunidade criptográfica deveria começar a se olhar no espelho.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment