Os desentendimentos entre os fundadores da MyEtherWallet relatados há alguns dias, levaram ao surgimento de rumores contraditórios – e nem sempre relevantes – na comunidade. No entanto, o serviço continua a funcionar com o mesmo nome e base de usuários, embora sem uma empresa oficialmente registrada, em nome da qual suas atividades seriam realizadas.

Em um ambiente de teste utilizado em um dos principais produtos de software da rede Ethereum, um erro crítico foi detectado e corrigido. Isso foi escrito pelos desenvolvedores da Parity em seu blog.

Como observado por representantes da British Parity Technologies, quando o software foi iniciado, a sincronização não foi iniciada, e, como resultado, outros participantes da rede não puderam reconhecer suas transações. A vulnerabilidade foi encontrada na rede de teste, sendo que ainda assim, havia a possibilidade de que ela se disseminasse em toda a rede Ethereum.

A Parity pediu para que todos os usuários atualizassem o software para uma nova versão revisada.

Assume-se que o bug poderia ter afetado cerca de 30% dos participantes da rede Ethereum, que usam software da Parity para sincronização com a rede. Representantes da empresa afirmam que ele foi corrigido antes de chegar aos nós da rede Ethereum, no entanto, membros da rede tiveram que atualizar o software para eliminar a vulnerabilidade.

Várias empresas, incluindo a pool de mineração Bitfly, já disseram que atualizaram seu software para uma nova versão (1.10.6-stable ou 1.11.3-beta), mas que o bug ainda pode complicar o trabalho da Blockchain que faz uso do software Parity – incluindo usuários do Ethereum Classic (ETC).

O erro está relacionado com a parte do código da proposta para melhorar o Ethereum EIP 86, assim como afirmado pelo desenvolvedor da Parity, Wei Tang, em uma conversa com a CoinDesk.

“Perdemos a verificação da condição no código, por causa da qual nós completos da Parity poderiam aceitar blocos contendo transações incorretas”, explicou ele.

O EIP 86 foi planejado para ser usado para atualizar o Ethereum no ano passado, em particular para a integração da “abstração de conta” ao sistema de Blockchain – este último permitiria realizar transações sem a assinatura do remetente.

Anteriormente, a startup ConsenSys conduziu um estudo abrangente sobre o estado da rede Ethereum. Desde a sua criação, a rede Ethereum processou 240 milhões de transações, e em 4 de janeiro deste ano, um número recorde de transferências foi feito: 1,3 milhões dentro de 24 horas.

Vale ressaltar que, assim como anteriormente relatado, desenvolvedores da Parity estão convencidos de que os bugs se destinam a se tornar catalisadores para o desenvolvimento de métodos mais avançados e seguros de desenvolvimento do Ethereum.