Destruir o Bitcoin: MIT apresenta três formas de neutralizar líder da indústria

A publicação MIT Technology Review, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), divulgou um artigo intitulado "Vamos destruir o Bitcoin", que apresenta três maneiras de eliminar a Primeira Moeda.

Publicado em 24 de Abril de 2018 por

A publicação MIT Technology Review, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), divulgou um artigo intitulado “Vamos destruir o Bitcoin”, que apresenta três maneiras de eliminar a Primeira Moeda.

Ataque do Estado

Segundo os analistas da publicação, a criação de uma moeda digital nacional com base no Federal Reserve System (FRS), o chamado Fedcoin, levaria à expulsão do Bitcoin do mercado. Numa Blockchain da Fedcoin, instituições financeiras confiáveis e certificadas (como JPMorgan & Chase e Bank of America) funcionariam como nós autorizados, o que substituiria o modelo de redes P2P.

“Vamos imaginar que estamos em um futuro distante, mas você ainda tem que pagar impostos. Só que agora não preenche nenhuma declaração, porque o algoritmo especial credita a quantia necessária da sua carteira eletrônica em equivalente de Fedcoin”, explica o artigo.

Este conceito foi descrito pelo pesquisador do Fed em St. Louis, David Andolfatto, e complementado pelo Bacharel da Universidade de Yale, Sahil Gupta. O último está convencido de que uma moeda digital garantida por um Banco Central pode tornar a rede de pagamento baseada na Blockchain muito mais eficiente e rápida, permitindo, ao mesmo tempo, a economia de significativos fundos.

Note que ainda em 2016, o Banco Central canadense desenvolveu uma simulação de tal sistema baseado na Blockchain do Ethereum a fim de avaliar a viabilidade e as perspectivas desse tipo de atividade.

Ataque do Facebook

O Facebook é a maior rede social do mundo, com uma audiência mensal de usuários ativos superior a 2 bilhões de pessoas. Bem como o Telegram, a empresa pode um dia decidir emitir sua própria moeda digital ou fazer uma coisa mais inteligente ainda: criar uma carteira de Bitcoin para cada usuário.

Todos os usuários do Facebook serão recompensados em Bitcoin por assistir conteúdo publicitário ou poderão usar a rede social em um modo livre de anúncios se permitirem que a empresa use o poder computacional de seus computadores para minerar o ativo.

“Se a empresa conseguir convencer a maioria dos usuários de Bitcoin e mineradores a usar um cliente Bitcoin especial do Facebook, a rede social poderá definir as regras do jogo e, como resultado, transformará o Bitcoin em uma versão corporativa do Fedcoin”, diz o material.

Influxo de novas criptomoedas

A criação de inumeras moedas digitais para cada caso – compra de um telefone de uma marca determinada, um carro, produtos em uma loja ou pagamento por serviços básicos –, de acordo com os analistas da publicação, fará com que o Bitcoin se torne insignificante. Além disso, muitas empresas já estão ocupadas criando seus próprios tokens, o que indica que esse cenário está sendo implementado hoje.

Nesse caso, a vantagem óbvia do Bitcoin será o anonimato e a impossibilidade de censura, embora, de acordo com Edward Snowden, a Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA) já esteja envolvida na identificação dos usuários de Bitcoin.

Representantes da publicação estão convencidos de que, se criptomoedas forem amplamente usadas no futuro, serão as massas, e não os primeiros adeptos do Bitcoin, quem determinarão o futuro da Primeira Moeda e modificarão a visão original de Satoshi Nakamoto.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment