Divisão da MyEtherWallet: o que realmente aconteceu com o popular serviço do Ethereum

Os desentendimentos entre os fundadores da MyEtherWallet relatados há alguns dias, levaram ao surgimento de rumores contraditórios – e nem sempre relevantes – na comunidade. No entanto, o serviço continua a funcionar com o mesmo nome e base de usuários, embora sem uma empresa oficialmente registrada, em nome da qual suas atividades seriam realizadas.

Publicado em 11 de Fevereiro de 2018 por

11

A história começou a se desenvolver depois da noite de sexta-feira, 9 de fevereiro, quando a conta oficial do Twitter da MyEtherWallet de repente mudou seu nome para MyCrypto. Muitos usuários sugeriram que a conta estava comprometida, mas logo ficou claro que ela representava o mesmo produto, sendo que alguns desenvolvedores realizaram um “fork” do projeto e um rebranding.

Publicidade

Publicidade

O tweet foi publicado em nome de Taylor Monahan (tayvano), uma das cofundadoras do projeto, e continha um link para um blog que descreve a história da criação da MyEtherWallet até o presente.

No entanto, o fato de a famosa MyEtherWallet permanecer sob o nome anterior e não mencionar nada sobre o rebranding deixou muitos usuários confusos e preocupados – dado o crescente número de hackeamentos e ataques de phishing na indústria criptomonetária, os motivos para isso são compreensíveis.

Publicidade

Publicidade

Mais tarde, Taylor Monahan confirmou que o site MyCrypto era real, duplicando sua entrada no Reddit e assinando-a com uma conta Keybase. Contudo, no dia seguinte, outro cofundador da MyEtherWallet, Kosala Hemachandra, apresentou sua própria versão dos eventos.

“Por razões que não posso divulgar, nossa parceria [com Taylor Monahan] deveria ter sido concluída. No entanto, ontem, durante esse processo, a conta do Twitter da MEW foi alterada de @myetherwallet para @mycrypto, deixando dezenas de milhares de seguidores perplexos. Foi realmente inesperado, e ainda estou tentando encontrar uma desculpa para isso, e estou pensando em como essa questão pode ser resolvida”, escreveu Hemachandra.

Apesar da falta de comunicação de ambos os lados do conflito, hoje, a imagem é a seguinte:

  • MyEtherWallet e MyCrypto existem em paralelo, oferecendo serviços praticamente idênticos
  • Pelo menos 10 funcionários anteriores do MEW, incluindo Taylor Monahan, estão trabalhando na MyCrypto. Hemdrandra confirmou no Reddit que a maioria dos funcionários foi para o MyCrypto, enquanto os últimos afirmam que seu projeto conta com 20 pessoas.
  • O Twitter da MyCrypto já tem mais de 80 mil seguidores que anteriormente se inscreveram na MEW. A nova conta @MyEtherWallet atualmente possui cerca de 7 mil seguidores.

Ambas as equipes também emitiram garantias tradicionais de que pretendem continuar trabalhando nas inovações, qualidade e segurança de seus projetos. Como os usuários da bolsa têm acesso às suas chaves privadas, teoricamente, podem usar ambos os serviços, incluindo carteiras de hardware. Essa informação, no entanto, precisa de confirmação adicional, bem como a decisão sobre qual dos dois serviços deve ser considerado “verdadeiro”.

“Agora você tem uma escolha: usar MEW ou MyCrypto. A equipe que reuni construirá e desenvolverá a MyCrypto e sua infraestrutura. Faremos o nosso melhor para apoiar aqueles que precisam de ajuda, independentemente do produto que usem”, diz Taylor Monahan.

Vale notar que a saga em torno da MyEtherWallet e MyCrypto provavelmente continuará. Vale ressaltar que a ETHNews relatou que, desde 14 de dezembro do último ano, Kosala Hemachandra e Taylor Monahan estão em uma batalha legal. Como tornou-se conhecido, Hemachandra está solicitando que Monahan divulgue informações importantes sobre as atividades financeiras da empresa já por vários meses.

Ao mesmo tempo, o advogado Badri Nataradzhan, que afirma não ter nenhuma conexão com nenhuma das partes no conflito, apresentou sua própria análise da situação: referindo-se a documentos judiciais, ele escreve que Hemachandra negociou com Monahan para comprar o controle total sobre a MyEtherWallet LLC por cerca de US$1 milhão, insistindo que tinha todo o direito de estudar os documentos financeiros da empresa. Monahan, no entanto, recusou-se a fazê-lo, fazendo com que o processo correspondente fosse arquivado.

Sua consideração será realizada em 27 de março no Supremo Tribunal da Califórnia, em Los Angeles.

Lembramos que em janeiro, algumas fontes em redes sociais divulgaram informações de que alguns cibercriminosos hackearam os servidores do MyEtherWallet, substituindo seu DNS. A equipe da MyEtherWallet negou essas afirmações.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment