A era dos forks: em busca do Bitcoin verdadeiro

Como resultado de um hardfork do Bitcoin em 1 de agosto, a indústria gerou um fork da Primeira Moeda denominado “Bitcoin Cash”, que já conseguiu se posicionar no mercado e conquistar apoiadores. Contrariamente às expectativas mais pessimistas, a aparição de uma nova moeda não afetou o preço do BTC, nem seu desenvolvimento posterior.

Publicado em 16 de outubro de 2017 por

 

Como resultado de um hardfork do Bitcoin em 1 de agosto, a indústria gerou um fork da Primeira Moeda denominado “Bitcoin Cash”, que já conseguiu se posicionar no mercado e conquistar apoiadores. Contrariamente às expectativas mais pessimistas, a aparição de uma nova moeda não afetou o preço do BTC, nem seu desenvolvimento posterior.

Publicidade

Publicidade

O hardfork bem-sucedido tornou-se um tipo de teste de estresse para a Primeira Moeda e provou que o Bitcoin é um projeto bastante maduro com um ecossistema estabelecido que pode “dar vida” a um projeto novo.

No entanto, o aparecimnto e a sobrevivência do Bitcoin Cash criou um precedente interessante que poderia resultar em uma onda completa de versões alternativas da Primeira Moeda.

Existem três razões principais para essa tendência:

1) A razão técnica. Hoje em dia, a criação de uma nova criptomoeda no algoritmo Proof Of Work é uma tarefa muito difícil que exige investimentos sérios para ganhar a confiança dos representantes da indústria e aumentar a capacidade geral da rede para garantir sua resistência à vários tipos de ataques. Ao mesmo tempo, a rede deve ser tão descentralizada em todos os sentidos quando possível.

Deste ponto de vista, criando uma versão alternativa do Bitcoin, os iniciadores recebem imediatamente uma grande quantidade de vantagens. Em primeiro lugar, eles recebem o histórico de transações que é comum com o Bitcoin, uma base de código elaborada, uma oportunidade de atrair uma parte da comunidade para seu projeto e um nome harmonioso, que está inevitavelmente ligado ao Bitcoin.

É difícil não concordar que, para muitos recém-chegados ao mercado, a diferença entre Bitcoin, Bitcoin Cash ou Bitcoin Gold não é tão grande. A palavra-chave para potenciais investidores é sempre “Bitcoin”.

2) A razão ideológica. Como todo mundo já sabe, a discussão sobre o tamanho do bloco e os métodos da escalada do Bitcoin têm ocorrido há muito tempo. Os primeiros precursores do modo alternativo de desenvolvimento da critomoeda eram projetos como o Bitcoin Unlimited, Bitcoin XT e Bitcoin Classic. Seus ideólogos ofereceram à comunidade suas próprias versões de tamanho de bloco e cenários para o desenvolvimento do Bitcoin. Nem todos esses paradigmas concorrentes sobreviveram até hoje em qualquer forma qualitativa.

O Bitcoin Unlimited foi uma das versões do Bitcoin mais populares devido a um grande número de apoiantes influentes, sendo que dessa forma, a aparência bem sucedida do Bitcoin Cash foi uma surpresa para muitos participantes da indústria.

3) A razão econômica. Obviamente, os fabricantes de equipamentos para mineração – especialmente quando se trata da ASIC – se beneficiam do surgimento de um mercado adicional para seus produtos. Por exemplo, o Bitmain (maior fabricante de dispositivos para mineração) agora tem clientes que querem minerar não só o BTC, mas também o BCH. Vale ressaltar que, no caso do Bitcoin Gold, a situação é diferente por causa da proposta de mover para a GPU e alterar o algoritmo hash de SHA-256 para Equihash.

A fim de compreender de forma abrangente a situação com pedidos de versões alternativas do Bitcoin, vale à pena lembrar que a primeira proposta para criar um fork com um tamanho de bloco aumentado apareceu logo em 2015 e se chamava Bitcoin XT. O iniciador do projeto foi um dos desenvolvedores do Bitcoin Core, Mike Hern, que vendeu de forma demonstrativa todos os seus Bitcoins e começou a promover sua visão de uma maneira agressiva. Desde então, vários outros projetos alternativos apareceram, a essência dos quais pode ser encontrada numa forma simplificada na infografia abaixo.

Voltando ao assunto do próximo harfork no final de outubro, vale à pena compreender, quais possíveis interações do Bitcoin podem aparecer no futuro mais próximo. No momento, existem dois projetos com ambições para uma divisão: Bitcoin Gold e SegWit2x.

Bitcoin Gold: o que é oferecido e para que?

A principal oferta dos adeptos do Bitcoin Gold é mudar o algoritmo de hash de SHA-256 para Equihash e, portanto, mudar para mineração GPU. Este algoritmo também é usado no Zcash. O Bitcoin Gold está promovendo esta mudança principalmente para reduzir o nível de centralização na rede Bitcoin. Parece óbvio que dificilmente grandes mineradores, pools de mineração e fabricantes de equipamentos que trabalham principalmente com ASICs, vão suportar este cenário para o Bitcoin. Também curioso é o fato de que o criador do Bitcoin Gold, Jack Liao, é o CEO de uma grande empresa de mineração LightningASIC. Portanto, a criação do Bitcoin Gold se assemelha a uma tentativa de lançar sua própria criptomoeda, associada intimamente ao Bitcoin.

Segwit2x: 2 megabytes atrás de portas fechadas

Muito mais interessante é o caso do Segwit2x, que é o produto dos assim-chamados “acordos de Nova York e da mesa redonda em Hong Kong. Vale à pena notar que ambas as reuniões foram realizadas atrás de portas fechadas e, de acordo com seus resultados, um tratado correspondente foi assinado para aumentar o tamanho do bloco para 2MB após a implementação do Segwit. Os apoiantes deste hardfork decidiram que isso já deveria ser feito em novembro no bloco om o número 494 784. Ao mesmo tempo, a maioria dos desenvolvedores do Bitcoin Core e muitos usuários não suportam esse hardfork por causa da incompatibilidade reversa da mudança de código do Bitcoin e por causa da assinatura do contrato Segwit2x nos bastidores. No entanto, entre as empresas que suportam este hardfork, pode-se ver a Digital Currency Group, liderada por Barry Silbert, bem como grandes mineradores, trocas e outros serviços – alguns deles podem ser vistos na lista negra do site Bitcoin.org. Ao mesmo tempo, representantes da comunidade já culparam os desenvolvedores do Bitcoin Core por usar o recurso Bitcoin.org para defender suas posições políticas.

É justo olhar para a situação com o preenchimento atual dos blocos na rede Bitcoin.

Estatísticas sobre o tamanho do bloco na rede Bitcoin de acordo com bitinfochart

Também é interessante ver a situação com o preenchimento do bloco no Bitcoin Cash, aparecido recentemente, cujos apoiantes se separaram principalmente devido a uma visão fundamentalmente diferente de como o Bitcoin deveria desenvolver.

Estatísticas sobre o tamanho do bloco na rede Bitcoin Cash em comparação com Bitcoin Core de acordo com bitinfocharts

Como pode ser visto no gráfico, o preenchimento de blocos na rede Bitcoin Cash nos últimos três meses só alcançou valores acima de 1 MB poucas vezes, enquanto o tamanho total do bloco é de 8 MB.

O que vem depois?

Podemos supor que, em um futuro próximo, novas propostas para o hardfork do Bitcoins aparecerão. É bem provavel que as seguintes melhorias sejam introduzidas nos forks novos:

  1. Aumento das emissões do Bitcoin.
  2. A decisão de reconhecer uma parte dos Bitcoins como perdida e redistribuí-la.
  3. A aparição do Bitcoin PoS ou uma combinação do uso de PoW e PoS para melhorar a escalabilidade e mitigar a centralização da rede.

Devido ao que foi citado acima, existe a sensação de que o Bitcoin entrou na própria era dos forks – que durará até que esta demanda por alternativas seja satisfeita. Nesse momento, é muito importante distinguir entre a forma como o Ethereum Classic apareceu de como aparecem os forks do Bitcoin.

No caso do ETC, era principalmente uma questão de desentendimentos fundamentais a respeito dos princípios básicos do funcionamento das criptomoedas. No caso dos forks do Bitcoin, é difícil falar sobre contradições fundamentais. Além disso, os iniciadores de versões alternativas do BTC não estão dando nenhuma resposta para a pergunta: por que não lançar uma criptomoeda separada se você quer criar algo melhor do que o Bitcoin?.

Uma janela de oportunidades

No contexto do que está acontecendo em torno do Bitcoin, será interessante observar o desenvolvimento da criptomoeda Litecoin, que há muito tempo foi vista como uma plataforma de testes para o Bitcoin. Foi na rede Litecoin que o SegWit foi implementado e ativado pela primeira vez e a primeira transação foi conduzida através da rede Lightning Network.

Notemos que, no início deste ano, ocorreu um vazamento de correspondência de um bate-papo privado de desenvolvedores e mineradores do Litecoin, no qual foi discutido que o conflito em torno do tamanho do bloco do Bitcoin é benéfico para o LTC. É óbvio que os desenvolvedores tentaram usar a experiência desse conflito para aperfeiçoar sua criptomoeda e para torná-la mais moderna e rápida. De fato, no momento, a equipe LTC é muito mais rápida e consistente para chegar a um consenso sobre o desenvolvimento do projeto.

Ao mesmo tempo, as chances de que o Litecoin possa pegar a grinalda do Bitcoin e atrair usuários através de sua estabilidade política dificilmente podem ser chamadas de grandes. É muito mais provavel que a economia de Blockchain em breve comece a vivenciar um boom na aparição de novos sistemas PoW – criptomoedas, que serão criadas levando em consideração a experiência do Bitcoin e outros projetos de primeira geração.

É possível destacar as seguintes tarefas principais a serem resolvidas pelos criadores desses projetos:

  1. Alta capacidade da rede no nível do núcleo e fácil implementação de aplicativos para transações offchain em cima da Blockchain.
  2. Escalabilidade clara e previsível da rede.
  3. Presença de contratos inteligentes no núcleo do sistema e em cima da Blockchain.
  4. Mecanismos para mudanças coordenadas no sistema da Blockchain e capacidade de implantar side-chains privadas ligadas à cadeia principal de blocos.
  5. Sistema de gerenciamento de projetos bem elaborado que solucionará o problema do ditador (típico do Ethereum) e o problema de um criador anônimo (típico do Bitcoin).

O que está escrito acima não é uma marcha de funeral ao Bitcoin, é claro, e também não significa que a situação seja tão ruim. A Primeira Moeda – assim como toda a economia de Blockchain – enfrentou as conseqüências do interesse em massa e do crescimento do mercado. Além disso, é difícil negar que hoje em dia há, no máximo, uns dez sistemas de Blockchain sustentaveis e estáveis.

Olhando mais à frente, podemos fazer outra pergunta: quando e como o telefone pesado e inconveniente vai ser substituido por um smartphone leve, rápido e multifuncional?

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Leave a Comment