Estudo: Bitcoin não representa ameaça à estabilidade financeira

Principais economistas europeus chegaram à conclusão de que a indústria de criptomoedas não é uma ameaça à estabilidade do sistema financeiro tradicional.

Publicado em 21 de dezembro de 2017 por

Principais economistas europeus chegaram à conclusão de que a indústria de criptomoedas não é uma ameaça à estabilidade do sistema financeiro tradicional. Isto foi afirmado em estudo do Centro Britânico de Macroeconomia.

“As criptomoedas ainda são uma esfera insignificante. Grandes grupos de investimento não investem nisso, portanto, a indústria não representa absolutamente nenhuma ameaça ao sistema financeiro”, disse Michael McMaeon, professor de economia da Universidade de Oxford referente à capitalização de Bitcoin e ao mercado como um todo.

De acordo com o economista Eaton Ilzetski, o Bitcoin e as criptomoedas são “um brinquedo destacado da economia real para um estreito segmento de investidores”.

Entretanto, os especialistas entrevistados estão convencidos da necessidade de regular o escopo da criptografia, reconhecendo-a como um desafio às moedas dos Bancos Centrais.

“Moedas digitais minam o monopólio dos Bancos Centrais para emitir dinheiro e podem tornar qualquer política monetária ineficaz”, resumiu o Professor de Economia Financeira da Universidade de Tilburg, Sylvester Eijfinger.

Anteriormente, o prêmio Nobel da economia, Robert Schiller, que estudou as crises financeiras de 1987 e 2007, afirmou que é impossível estimar o custo real do Bitcoin devido à crescente capitalização. Ao mesmo tempo, ele observou que os entusiastas o colocam em um pedestal alto demais.

Para refletir:

E quem disse quem disse que as pessoas que investem em criptomoedas estão interessadas em manter um monopólio estatal que só dá pra cabeça delas?

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment