EUA acusam funcionários do Departamento Central de Inteligência de ataques cibernéticos envolvendo criptomoedas

As maiores empresas de seguro médico dos Estados Unidos, UnitedHealth Group e Humana, anunciaram o lançamento de um projeto piloto de Blockchain projetado para melhorar a qualidade do armazenamento e da transferência de dados.

Publicado em 5 de outubro de 2018 por

O Departamento de Justiça dos EUA acusou sete membros do Departamento Central de Inteligência da Federação Russa de ataques cibernéticos e outras ações ilegais usando criptomoedas. Isso foi relatado no site da agência.

Funcionários da principal agência de inteligência da Rússia foram acusados de roubar informações pessoais e publicá-las para influenciar a opinião pública. Isso também diz respeito ao escândalo de doping: as autoridades dos EUA estão convencidas de que membros da inteligência russa lançaram ataques contra a Agência Mundial Antidoping, a Corte Internacional de Arbitragem e a Agência Antidoping dos EUA.

O documento contém os seguintes nomes: Alexey Morenets, Yevgeny Serebryakov, Ivan Ermakov, Artyom Malyshev, Dmitry Badin, Oleg Sotnikov e Alexey Minin.

Desses sete, Badin, Malyshev e Yermakov estiveram entre os 12 funcionários inteligência russa, que em julho foram acusados pelos Estados Unidos de interferirem nas eleições presidenciais. Além disso, em outubro, autoridades da Holanda informaram que Morenets, Serebryakov, Sotnikov e Minin foram expulsos em abril por suspeita de planejar um ataque de hackers à sede da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ).

As autoridades dos EUA estão confiantes de que os acusados usaram criptomoedas para ocultar transações financeiras.

“Quando os participantes da conspiração criminal eram obrigados a adquirir elementos da infraestrutura de hackers, os pagamentos eram feitos por meio de uma complexa rede de transações em que contas com nomes fictícios eram usadas. Criptomoedas, como Bitcoin, também foram usadas para esconder ainda mais as identidades e vestígios”, observou o documento do Ministério da Justiça.

O texto do documento afirma que os acusados usaram várias moedas fiduciárias, incluindo o dólar americano. Quanto ao Bitcoin, na maioria dos casos, ele foi utilizado para comprar servidores e registrar domínios.

Muitos pagamentos foram enviados diretamente para as empresas dos EUA a fim de evitar a interação com instituições financeiras tradicionais e, consequentemente, a identificação dos indivíduos e determinação das fontes e origem dos fundos.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment