Feliz aniversário! Um olhar no passado do Bitcoin

Publicado em 29 de janeiro de 2017 por

Em pouco tempo o Bitcoin (BTC), a criptomoeda que promete mudar as regras do dinheiro e comércio mundial, completa 8 anos. Para comemorar essa data, daremos uma olhada no que “especialistas” e “entendidos” sobre a indústria digital diziam sobre nosso tão querido ativo de reserva naquela época.

O texto é um pouco grande, mas vale a pena, uma vez que ao olhar para o passado é onde podemos fazer suposições e enxergar com mais clareza o que o futuro nos reserva.

Publicidade

Publicidade

Há 8 anos atrás…

BITCOIN

Um interessante projeto apareceu hoje no Sourceforge.net. Parece que o autor não sofre com a falta de ambição – ele acredita, em nem mais nem menos, do que reinventar… o  dinheiro!

Veja a discrição do projeto feita pelo próprio autor s_nakamoto:

O Bitcoin – é uma nova forma de dinheiro eletrônico, que usa peer-to-peer para evitar o problema de “despesas duplas”. O sistema é totalmente descentralizado, sem qualquer servidor ou autoridade central.

À primeira vista, é certamente uma outra tentativa de “reinventar a roda”, já que tais ideias inundam a internet. Muito provavelmente, como muitas tentativas infrutíferas na arte, para isso, o sistema simplesmente não funciona na prática. Mas, talvez, esse projeto seja discreto com perspectivas incertas e ainda mereça um pouco de sua atenção. Vamos tentar explicar para você agora o por quê.

Qual é a importância da ideia de “dinheiro”

Como é bem sabido, o dinheiro eletrônico confiável é uma espécie de Santo Graal de um pequeno grupo de tecno-anarquistas, conhecidos sob o nome de “ciberpunk”. Estes radicais são diferentes dos barulhentos anarquistas tradicionais, que oferecem guerras “para cancelar o estado”, este não é um grupo político ou violento, mas sim um que deseja trazer mudanças com a ajuda da tecnologia.

Primeiro de tudo, eles esperam que o uso de criptografia pesada seja adotado em todos os aspectos da vida pública – de comunicações para a atividade econômica – permitindo que as pessoas a se livrem da dependência integral do todo-poderoso Estado, que almeja tudo o que vê.

Para o ciberpunk, uma economia ideal é aquela baseada na troca voluntária, excluindo a violência e a coerção. Neste prisma as pessoas cooperariam voluntariamente com as outras, na criação de valor econômico, a reputação e o sistema de arbitragem independente seriam protegidos de comportamento desleal.

Naturalmente, nesta realidade econômica não há imposto – no lugar de: “A César o que é de César”, frase que resume bem uma visão da real personalidade do estado, uma visão de sua ambição desmedida, de sua ganância…; teríamos o paraíso anarco-capitalista, sem um Estado protecionista, cheio de regras que, em geral, só beneficiam o próprio Estado.

E ao invés de suas funções uteis, tais como proteção contra a criminalidade, existiria a liberdade de escolher quem, como e quando lhe serão prestados esses serviços. Os melhores criptoanarquistas concordam que o correto seria que empresas de segurança privada competissem entre si, criando um sistema livre de proteção e recebendo sua taxa mensal por seu serviço, mas não possuindo um território de monopólio estatal.

A única questão é que o poder do Estado é baseado em seu controle total sobre o sistema monetário e economia. E o Estado não vai ser eliminado do papel dominante em qualquer atividade econômica. Ao longo do século passado, a intervenção do governo na economia tem crescido continuamente.

Na verdade, toda a nossa atividade econômica está integralmente nas mãos de autoridades. Na era da internet em que estamos, é muito complicado conseguir pagamentos com valores que não possam ser rastreados.

O Estado, realmente, possui acesso total e irrestrito a todas as transações financeiras dos cidadãos e das empresas, usando a supervisão atenta do sistema bancário, e de qualquer sistema de pagamentos eletrônicos.

Quem não quer jogar pelas regras impostas pelo Estado, e se envereda pela ilegalidade e/ou defende que as coisas ocorram de forma diferente, logo vai parar atrás das grades. Tal foi o destino dos fundadores do E-Gold .

Desde Julho de 2008, este sistema popular de “pagamentos eletrônicos internacionais baseado em metais preciosos” deixou de realizar qualquer operação por conta da prisão dos fundadores do sistema e o congelamento de bens e contas da empresa.

Para a nova economia da cooperação voluntária, o sonho dos ciberpunks finalmente ganhou. Precisamos de um novo sistema de contratos e pagamentos, completamente livre do governo e seus fieis protetores, os bancos.

Em primeiro lugar, trata-se de um sistema de pagamentos distribuídos, que não tem centro de ponto de ataque e não podem ser apenas “encoberto” com a decisão das autoridades.

História de tentativas infrutíferas para resolver o insolúvel

Muitos têm tentado resolver o problema da criação de tal sistema de pagamento, mas na forma da sua criação haviam muitos obstáculos, tanto práticos quanto teóricos. Na verdade, a própria ideia de dinheiro virtual precede a ocorrência do movimento ciberpunk, que normalmente é datado do advento do “Manifesto ciberpunk” de 1993.

O conceito de “e-cash” ou “dinheiro virtual” sugeriu pela primeira vez com o professor da Universidade da Califórnia, David Chom, dez anos antes, em 1983. Seu design de caixa eletrônico chamado ECash contou com criptografia chamada “assinatura cega” e exigia a presença de um servidor central, login e assinatura.

Chom tentou popularizar e comercializar um sistema deste tipo na década de 90, mas não teve muito sucesso. O sistema nunca poderia sair do país e conseguiu apenas alguns milhares de usuários até o ano de 1996, e em 1998 a empresa DigiCash finalmente faliu.

Em 1998, a ciberpunk Wei Dai sugeriu a criação da criptomoeda “dinheiro-b”, descrevendo-a como um modo prático de execução de contrato entre participantes anônimos. É bem expresso como o objetivo final de seu sistema proposto, e a essência do movimento cypherpunk.

Ao contrário de comunidades tradicionalmente associadas ao conceito de “anarquia”, os criptoanarquistas não querem eliminar temporariamente o governo, mas sim aboli-los como completamente inúteis que são. É uma comunidade em que a ameaça de violência não faz sentido, uma vez que é impossível o uso dessa violência com que não tem rosto ou identidade rastreável pelo governo e por seus cães de guarda.

Logo depois, Nick Szabo sugeriu criptomoeda “Bitgold” – um meio puramente digital de pagamento com contabilidade distribuída. Seu projeto passou por várias interações entre 1998 e 2005, mas ele não conseguiu resolver o problema principal: a proteção da “despesa dupla” na ausência de um árbitro autorizado, o que, obviamente, nega a própria ideia de descentralização.

Hal Feeney criou a primeira aplicação prática baseada na ideia de criptomoeda em um algoritmo de “prova de trabalho” – RPOW (“prova de trabalho circular”). Seu design foi semelhante ao Bitgold e pegou emprestado vários aspectos fundamentais da arquitetura de Szabo, mas infelizmente não chegou nem perto de evitar o problema de “despesas duplas”.

Problema dos Generais Bizantinos

problema

Você sabe o que frustrou todas as tentativas de criar um sistema de pagamento distribuído sem um servidor central? O problema insolúvel em ciência da computação, o qual se mantém sem solução há mais de 40 anos, que desafiou as melhores mentes no campo da matemática e criptografia em todo o mundo.

Este – o chamado “problema dos generais bizantinos ” – é a razão pela qual não há modelo distribuído de criptografia para moedas digitais válidos. Veja agora como o problema descrito no artigo original (publicado em 1970):

“Imagine que vários generais do exército bizantino estejam acampados em torno do perímetro da cidade inimiga. Os generais vão ganhar apenas se a maioria deles começar a invadir a cidade, ao mesmo tempo, caso contrário eles serão derrotados.

Comunicando-se somente por messenger, os generais devem concordar com um plano de batalha comum. No entanto, um ou mais deles podem ser traidores que vão tentar enganar e confundir os outros. O problema é encontrar um algoritmo para corrigir os generais e efetivamente chegar a um acordo sobre o assalto, apesar da possibilidade de traição.”

Em termos gerais, a problema dos generais bizantinos levanta a questão de como conseguir a confiança entre partes independentes que trocam mensagens através de um canal de comunicação não confiável, como a internet, se não existe um “servidor central” servindo como fonte autorizada para todos os dados.

Se o problema foi resolvido, ele iria dar-nos não só a possibilidade de estabelecer um sistema prático de dinheiro eletrônico. Em sentido geral, seria uma maneira original para passar uma propriedade digital, objeto de um utilizador para outro sem a participação de intermediários. Isto assegura que a transferência seja segura, que todos reconhecem que isso aconteceu, e ninguém pode contestar este fato. As consequências de tal descoberta seriam difíceis de serem ignoradas.

Quais são os objetos de propriedade digital que poderiam ser transferidos desta maneira? Basicamente, todos aqueles que você quiser! Assinaturas digitais, contratos digitais, chaves de acesso (tanto de natureza online quanto física), propriedade digital de qualquer ativo físico, tais como carros e casas, ações digitais e títulos… e, sim, é claro, o próprio dinheiro digital .

A resolução do problema é o que fica impede a realização da visão do mundo ciberpunk de troca econômica voluntária, sem opressão e violência e da possibilidade de sua implementação. Só podemos lamentar o fato de que este problema é praticamente insolúvel, após 40 anos de esforços dos melhores pesquisadores da área.

Bem, e qual é a novidade da vez?

Aparentemente, uma nova tentativa de criar um sistema de criptomoeda é baseado no white-paper:  “Bitcoin: A Peer-to-Peer Electronic Cash System”, que apareceu em novembro de 2008 na lista de discussão de criptografia publicada sob a autoria de Satoshi Nakamoto.

É interessante ler a discussão que acompanha a publicação. Muitos comentários têm justamente apontado para os muitos problemas potenciais na implementação do sistema proposto, e explicam por que ele não vai funcionar na prática.

Não surpreendentemente, os leitores são céticos – afinal, se o projeto proposto do sistema é realmente funcional, significa que um autor desconhecido realmente resolveu o problema mais notório dos generais bizantinos, sobre o qual há 40 anos sem sucesso batem cabeças matemáticos e criptógrafos ao redor do mundo. Isso, é claro, é altamente improvável, como você pode imaginar.

No entanto, uma atitude cética do público quanto ao trabalho presunçoso do autor, não o incomodou, e como dissemos no início, hoje ele colocou o código de acesso público que supostamente implementa seu  sistema de dinheiro eletrônico em funcionamento.

Bem, o que podemos dizer sobre isso. É claro que, acima de tudo, o sistema não poderá ser utilizado – como apontado por analistas, há uma miríade de razões pelas quais não poderia funcionar na prática.

Dá para nomear basicamente uma dúzia de soluções técnicas altamente controversas propostas pelo autor, tais como o RSA, sob o qual o sistema “do Bitcoin” baseia-se na chamada “curva elíptica criptografia”, que, embora seja bem estabelecida teoricamente, quase nunca é utilizada devido à excessiva complexidade.

Mas, mesmo que imaginar o inimaginável – se de repente descobre-se que o sistema, por algum milagre, seria operacional a partir de um ponto de vista técnico, em frente a ela, após o processo vai cair ainda mais intransponível barreira, a barreira econômica.

Afinal de contas, de acordo com a descrição da arquitetura do sistema, ele não vai operar qualquer representação de unidades monetárias universalmente aceitas ou outros bens imóveis, ele criará fichas ou moedas – o chamado “bitcoin” (bitcoins).

Estas fichas representam uma certa “moeda digital” abstrata, que geralmente não estão associadas a quaisquer ativos reais. Aparentemente, o autor espera desenvolver o fato que, devido aos potenciais de suas fichas de dados de emissões limitadas, de repente elas possam adquirir algum valor independente.

Isso claramente indica sua extrema ingenuidade e até mesmo, por assim dizer, a ignorância em termos de teoria econômica moderna. Naturalmente, o custo não pode aparecer de repente “do nada”, ou “em si”, ele vai confirmar o que quase todos os economistas modernos dizem, tais como autoritário Prêmio Nobel, Paul Krugman.

E na ausência de valor para o ativo digital, será certo o colapso de toda a arquitetura descentralizada, alegadamente bem sincronizada do sistema proposto, uma vez que todo o seu modelo de segurança é baseado em apenas uma ideia muito básico de “incentivos econômicos”.

Ou seja, para a prestação voluntária de seus recursos para garantir a segurança do sistema, os usuários entrariam numa espécie de loteria para serem recompensados… ganhando sempre a mesma coisa, o Bitcoin, o que é totalmente inútil!

É claro que sempre existem tolos que colocarão seus computadores para participar dessa atividade sem futuro. Assim, mesmo se o Sr. Nakamoto continuar a desenvolver o sistema (o que é improvável), você pode seguramente assumir que, em 5-6 anos, ele ainda será o único chamado “mineiro”, fornecendo sistema de “segurança”. E, em seguida, é possível falar um pouco sobre sua descentralização?

Entre parênteses, notamos também uma decisão extremamente controversa do autor para usar o mesmo nome “bitcoin” para o sistema em si, e para as moedas dele. Isto poderia finalmente confundir até mesmo o dúzia de geeks que pode já estar interessados neste sistema estranho e impraticável.

Então, como você pode ver, este tipo de projeto aparece periodicamente, e nenhum deles é que não é realista ou sensato. Assim podemos concluir que, como os outros, o projeto Bitcoin está fadado ao fracasso.

A única vantagem desse projeto é o conhecimento ele vai prover para esclarecer a curiosidade histórica, de como sonhos ingênuos de uma moeda descentralizada e sem mediadores acaba se estourando contra um rochedo.

E mesmo aqueles que, talvez por curiosidade, ponham seus computadores em tal rede, criarão um sistema que apenas servirá como uma demonstração clara de que moedas digitais são inviáveis. Nesse meio tempo, só podemos desejar-lhe boa sorte no seu empreendimento sem esperança – que provavelmente vai precisar de uma quantidade incrível de sorte para que qualquer que preste saia deste projeto.

Voltando para 2017

Bitcoin

Faltam palavras e dá até certa emoção em ler estas palavras de um dos maiores defensores, tanto das criptomoedas quanto da descentralização hoje em dia. Naquela época a noção geral era essa mesma, mas é sempre assim quando se mexe com algo que nunca foi tentado antes.

Quantas pessoas não chamaram Santos Dumont ou os Irmãos Wright de loucos? E o que dizer daqueles que pela primeira vez se lançavam aos mares para descobrir novas terras? A inovação sempre é vista com maus olhos pela humanidade, sempre foi assim e não vejo como poderia ser diferente com o Bitcoin.

Uma vez que o sistema funciona, a difamação que ocorre hoje em dia é que ele perderá valor, será substituído, só é usado por criminosos, etc. A verdade é só uma, o Bitcoin veio para ficar e não há, até o momento, qualquer moeda que consiga fazer frente a ele. Esperamos que esta viagem digital ao passado possa ter lhes ensinado algo hoje, ela com certeza me mostrou muito. Feliz aniversário Bitcoin, e que muitos anos felizes venham pela frente!

Publicidade

Publicidade

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Leave a Comment