Israel: Bancos podem negar legalmente serviços a empresas de Bitcoin

Israel: No dia 6 de junho,  o tribunal distrital de Tel Aviv, anunciou sua decisão oficial sobre a disputa entre a corretora israelense de Bitcoin, a Bits of Gold e a segunda maior instituição financeira do país, Bank Leumi.

Publicado em 15 de junho de 2017 por

Israel: No dia 6 de junho,  o tribunal distrital de Tel Aviv, anunciou sua decisão oficial sobre a disputa entre a corretora israelense de Bitcoin, a Bits of Gold e a segunda maior instituição financeira do país, Bank Leumi.

O tribunal decidiu em favor do Bank Leumi, descartando o caso da Bits of Gold, que havia entrado com um processo referente  a negação de serviços bancários para startups de Bitcoin e prestadores de serviços na região.

De acordo com a Finance Magnates, que obteve os documentos judiciais, o Banco Leumi disse ao tribunal distrital de Tel Aviv que a instituição financeira não poderia mais fornecer serviços bancários para a corretora de Bitcoin Bits of Gold devido às rígidas políticas de lavagem de dinheiro (AML) do país.

Representantes do Bank Leumi declararam que as criptomoedas são difíceis de controlar sob os sistemas AML de Israel e, por isso, o próprio banco não pode seguir os requisitos de AML estabelecidos pelo governo se continuar a prestar serviços aos provedores de serviços de criptografia.

AML ou medo?

Embora o Bank Leumi tenha reconhecido o fato de que a Bits of Gold estabeleceu sistemas KYC eficientes e completos para permanecerem totalmente compatíveis com os requisitos de AML impostos pelo regulamento financeiro local, os representantes do Bank Leumi alegaram que os sistemas KYC não podem ser utilizados para desvendar o destinatário final de uma transação.

Semelhante ao comunicado da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) emitido ao público em relação à rejeição da ETF Bitcoin dos gêmeos Winklevoss, o Banco Leumi enfatizou que o principal fator que os convenceu a rejeitar a Bits of Gold como cliente foi a falta de regulação nos mercados de Bitcoin e criptomoedas no exterior.

Publicidade

Desde a popularização e adoção global do Bitcoin, sua rede de liquidação e como moeda de reserva, certos bancos continuaram a negar o fornecimento de serviços a empresas que lidam com a criptografia.

Startups no Reino Unido e Austrália sofreram muito com a negação de serviços bancários de 2014 a 2016, antes dos governos começarem a regulamentar os mercados FinTech, de Bitcoin e criptomoedas.

Em 17 de março, a corretora de Bitcoins baseada no Reino Unido Bittylicious recebeu uma carta do Banco Santander que dizia:

“Queremos informar que não poderemos fornecer a vocês o nosso serviço bancário. Nos termos e condições da conta, podemos retirar nossos serviços bancários, avisando por escrito e, de acordo com a política da nossa empresa, não fornecemos mais informações sobre como ou por que tomamos essa decisão”.

A decisão controversa do tribunal distrital de Tel Aviv e do Banco Leumi, o segundo maior banco em Israel, colocou os mercados israelenses de Bitcoin e criptografia em um estado incômodo.

Em 2015, alguns dos maiores bancos da Austrália encerraram abruptamente os serviços bancários prestados às startups de Bitcoin e criptomoedas sem fornecer qualquer tipo de declaração ou explicação para as empresas.

Efeito dominó

Como resultado, as empresas simplesmente deixaram a indústria e o mercado de Bitcoin australianos, e se dirigiram para lugares mais amigáveis às inovações a que se prestavam, países como Hong Kong, Cingapura, Japão e Coréia do Sul.

Em menos de dois anos, o Japão e a Coreia do Sul tornaram-se o terceiro e o quarto maiores mercados de câmbio de Bitcoin do mundo, enquanto a Austrália praticamente não possui mercado de câmbio.

Publicidade

Reconhecendo os erros fundamentais de seus reguladores, que interromperam o desenvolvimento da tecnologia e mercado do Bitcoin em estágio inicial, o governo australiano recentemente retirou a dupla tributação no comércio de Bitcoin e anunciou seu plano para criar estruturas regulatórias mais práticas e amigáveis ​​para impulsionar a indústria do Bitcoin e as FinTechs na Austrália.

Tornou-se tarde demais para a Austrália, já que outras regiões superaram significativamente o país em relação ao desenvolvimento, compartilhamento de mercado e base de usuários. A abordagem do setor financeiro israelense e do governo para o desenvolvimento do mercado de Bitcoin e criptomoedas, em geral, provavelmente mostrará o erro cometido muito em breve, como ocorreu na Austrália e em muitas outras regiões.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Leave a Comment