Japão faz mais uma parceira em FinTech, dessa vez com Singapura

A Autoridade Monetária de Singapura (MAS) não planeja regular a circulação de ativos criptográficos, mas se oporá a lavagem de dinheiro usando moedas digitais.

Publicado em 14 de março de 2017 por

A Autoridade Monetária de Singapura (MAS), o banco central do país e regulador financeiro, entrou numa parceria FinTech com a sua contraparte japonesa, a Financial Services Agency (FSA). O movimento estabelece um quadro de cooperação entre os dois países na indústria FinTech.

Anunciado ontem, os reguladores financeiros dos dois principais centros econômicos asiáticos têm fundamentalmente reduzido as barreiras para a entrada de empresas FinTech em seus países.

Publicidade

Publicidade

“A tecnologia e a inovação continuam a serem os principais facilitadores do crescimento do setor financeiro em Cingapura e no Japão”, afirmou Sopnendu Mohanty, chefe da MAS FinTech. “A criação do quadro é uma grande oportunidade para os ecossistemas de FinTech na Cingapura e no Japão, e reforça a já forte cooperação financeira e econômica entre os dois países.”

Com o estabelecimento do quadro, as startups da indústria e empresas dos dois países também obterão conselhos dos dois órgãos reguladores sobre o funcionamento em suas jurisdições. Esse conselho também ajudará as empresas a trabalharem na obtenção das licenças necessárias para operar nos dois países.

Notavelmente, o quadro cooperativo também fará com que os reguladores compartilhem informações de inovações de serviços financeiros de cada um dos mercados.

Shunsuke Shirakawa, vice-comissário para Assuntos Internacionais da FSA do Japão, declarou:

“Estamos muito satisfeitos em estabelecer este Quadro de Cooperação com a MAS, que está promovendo ativamente a FinTech com base na sua visão do Smart Financial Center. Acreditamos que este quadro fortalece a relação entre FSA e MAS e promove a inovação em nossos respectivos mercados”.

A parceria do Japão com Cingapura ocorre poucos dias depois que a FSA firmou um acordo semelhante com a Autoridade de Conduta Financeira (FCA) do Reino Unido, comumente vista como o espaço líder mundial para o desenvolvimento da FinTech.

Cingapura, Centro de Fintech da Ásia

O advento de abraçar o desenvolvimento da FinTech localmente tem visto um número de países se associarem ao Banco Central de Cingapura, evidentemente visto como um pioneiro no desenvolvimento de casos de uso de tecnologia financeira e, em particular, a inovação blockchain.

Em menos de seis meses, o governo sul-indiano de Andhra Pradesh, o Banco Central da Coreia do Sul e o regulador financeiro de Abu Dhabi assinaram todos os acordos de cooperação com o MAS de Cingapura. O regulador financeiro do Japão junta-se à lista crescente.

A proximidade geográfica da nação insular torna-o um centro global para viajantes e comércio. A agenda tradicional pró-tecnológica do país caiu nos gostos da gigante tecnológica IBM e da empresa de Nova York que decidiu iniciar a indústria R3 e estabelecer laboratórios exclusivos de blockchain no país.

Esta agenda Fintech é liderada pelo MAS, o primeiro esforço público de um banco central para desenvolver e testar uma plataforma de pagamentos interbancários em blockchain. Primeiro revelado em novembro do ano passado, o MAS completou seu piloto de pagamentos em blockchain, com resultados bem sucedidos na semana passada.

Cingapura também receberá a conferência FinTech “Blockchain for Finance (BFC)”, em junho deste ano, evento em que se espera que vários gigantes asiáticos notáveis demonstrem seus casos de uso da tecnologia blockchain ou de livro distribuído (DLT) no setor de serviços financeiros.

Em declarações, Dean Murphy, diretor da FinTech Network, operador e organizador da conferência, declarou sobre o próximo evento em Cingapura:

“Após uma conferência de sell-out em Londres em outubro passado, a FinTech Network está levando a BFC para Cingapura para incentivar o mercado da Ásia-Pacífico a discutir blockchain, provas de conceitos e casos de uso que poderiam mudar fundamentalmente a forma como o setor de serviços financeiros faz negócios. Nos serviços financeiros, há muitos casos de uso para DLT existentes e em desenvolvimento que formarão o núcleo de discussões na conferência este ano”.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Leave a Comment