No dia 1º de novembro, as atividades da corretora de criptomoedas ucraniana, KUNA, foram temporariamente suspensas devido a uma falha no software.

A ucraniana KUNA desenvolveu o conceito de um token baseado no hryvnia. Isso foi anunciado em entrevista ao portal Ain por Mikhail Chobanyan, fundador do site.

Segundo ele, a KUNA revisou completamente o modelo legal do token, que anteriormente deveria ser fornecido por estoques de hryvnia dos traders nas carteiras pessoais da corretora.

“Deixamos esse conceito porque não era escalável e as pessoas jurídicas não podiam participar dele. Além disso, precisamos de pessoas físicas que possam enviar dinheiro de suas contas bancárias atuais porque nesse caso não há restrições que existem para cartões”, observou Chobanyan.

Atualmente, o modelo está em seu estágio final de desenvolvimento, após o qual será enviado aos escritórios de advocacia para um teste de estresse – dentro de duas a três semanas após essa fase, será iniciada a implementação legal do token.

O modelo técnico ainda está sendo elaborado virtualmente e Mikhail Chobanyan não revelou seus detalhes, mas prometeu que a moeda seria verdadeiramente descentralizada e capaz de funcionar antes mesmo da adoção da lei sobre a regulação de criptomoedas.

“O lançamento de um certo análogo de um token do hryvnia sem violar as leis não é um processo fácil, especialmente na Ucrânia. O novo modelo, de fato, permitirá trabalhar normalmente com o sistema bancário, interagindo com esse último apenas indiretamente. O Banco Nacional não vai ter nada a ver com isso”, enfatizou ele.

Presume-se que a operação comercial completa do token começará em 2019. Chobanyan espera que dentro de um ano após seu lançamento, a KUNA possa atrair 1 bilhão de UAH.

Além disso, os planos da corretora incluem cooperação com um parceiro chinês, bem como a expansão para os mercados da Rússia, Geórgia, Armênia e Turquia.