Mastercard apresenta pedido de patentes

O sistema de pagamento internacional Mastercard apresentará a tecnologia do registro de transações B2B distribuído, que ajudará instituições financeiras e empresas a aumentar a velocidade e transparência dos pagamentos internacionais, bem como a reduzir seus custos.

Publicado em 8 de agosto de 2017 por

A Mastercard apresentou um novo pedido de patente com um conjunto de funções indicando sua intenção de explorar formas de criar serviços de reembolso para usuários de criptomoedas.

O emissor de cartão de crédito global Mastercard arquivou a nova patente de aplicação, intitulada “Infraestrutura de transações de informações”. Depois de ter sido submetido no final de janeiro, a mesma foi publicada em 3 de agosto pelo US Patent and Trademark Office (USPTO).

Publicidade

Publicidade

A equipe de desenvolvedores não é grande ou cheia de especialistas, com apenas Vladimir Goloshchuk, antigo analista sênior da Mastercard, sendo indicado como único inventor.

Embora o mecanismo do livro-razão público usado pelas criptografias seja efetivo para evitar duplicações de unidades de valor, o processo de verificação é relativamente intensivo em recursos, o que significa que muito menos transações podem ser realizadas do que em um sistema centralizado.

Como as transações são públicas e irreversíveis, é desafiador alcançar todas as características dos sistemas de dinheiro eletrônico centralizado – em particular, o processamento de reembolsos pode ser particularmente desafiador.

Seria desejável conseguir uma infraestrutura de dinheiro virtual que permitisse o uso de criptografia com uma gama de serviços comparável ao alcançável com sistemas de dinheiro eletrônico centralizados.

O aplicativo deve criar uma infraestrutura que permita aos usuários verificar suas identidades ligadas a endereços de criptografia que elegerão de forma independente o nó de divulgação. De acordo com o exemplo fornecido no texto do aplicativo, o sistema funcionará da seguinte maneira:

“Uma transação típica envolvendo um pagamento de Alice para Bob opera da seguinte maneira: Bob cria um novo endereço usando o cliente da criptomoeda e fornece o endereço (uma chave pública para uma chave privada detida por Bob) para Alice, como destino para o pagamento. Alice faz a transação usando seu cliente de criptografia, indicando um pagamento ao endereço indicado por Bob de um de seus próprios endereços – isso é feito assinando um pedido de transação com sua chave particular para o endereço, sendo a chave pública ativa para estabelecer que a transação foi enviada por Alice para o endereço de Bob”.

A solução pode ser mais útil em situações em que os usuários estão enviando pagamentos à comerciantes de contas em corretoras, por exemplo, onde seus fundos podem ser armazenados juntamente com fundos pertencentes a outros usuários.

Hoje, no caso de alguém ter que fazer um reembolso, ele/ela deve enviá-lo de volta a um endereço vinculado à conta do destinatário. De tal forma, o titular da carteira poderá, então, precisar descobrir a fonte dos fundos recebidos e o motivo. Para superar esses inconvenientes, a Mastercard propõe um serviço compartilhado, que permite que seus usuários tenham dois tipos de carteiras:

“O princípio básico do arranjo é que um usuário do serviço de carteira compartilhada possui dois tipos de carteira. Em primeiro lugar, eles têm uma carteira “pública” para operações on-the-chain, as quais são publicamente visíveis e verificadas. O usuário fará e receberá pagamentos de criptografia externos ao serviço de carteira compartilhada usando uma carteira pública. Usando esta abordagem, o problema de reembolso pode ser resolvido – um pagamento recebido da carteira pública pode ser reembolsado por um pagamento igual de volta à carteira pública”.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Leave a Comment