O vice-presidente do Facebook, David Markus, afirmou que, no futuro previsível, a empresa não planeja lançar um sistema de pagamentos em criptomoedas na plataforma

Foi encontrado, no aplicativo da rede social Facebook, um novo bot capaz de espalhar vírus de mineração: o Digmine. Usuários da Coréia do Sul, Vietnã, Azerbaijão, Ucrânia, Tailândia e Venezuela foram os primeiros a ser afetados pelo malware, isso de acordo com o blog Trend Micro.

Conforme observado pelos especialistas em segurança cibernética, o Digmine trabalha em qualquer versão do messenger do Facebook, mas apenas computadores pessoais com o navegador Chrome podem ser infectados. Sob a aparência de um vídeo, o bot envia aos usuários um arquivo executável contendo um script malicioso. Caso a pessoa o abra em outras plataformas (por exemplo, em um smartphone), o vírus não funciona.

Além disso, caso a autorização automática esteja ativada nas configurações da conta do Facebook, o Digmine intercepta o controle e começa a enviar arquivos mal-intencionados a todos na lista de amigos da conta. Especialistas observam que, no momento, a funcionalidade do mineiro é limitada, mas é possível que no futuro ele “aprenda” e seja usado para piratear contas completamente. Computadores infectados com Digmine são utilizados para minerar a criptomoeda Monero.

Como dito na mensagem, pesquisadores já compartilharam seus dados com os representantes do Facebook, sendo que depois disso, muitas referências ao Digmine foram excluídas no messenger.

“Nós apoiamos uma série de sistemas automatizados que auxiliam na neutralização do surgimento de links e arquivos maliciosos no Facebook e no messenger. Se suspeitarmos que seu computador está infectado com software malicioso, nós fornecemos varredura antivírus gratuita de nossos parceiros confiáveis”, disseram os representantes da rede social.

Lembre-se de que, no verão, o Antivírus Kaspersky detectou trojans-mineiros em 6% dos usuários russos.