Mídia: não há garantias de que os tokens Tether estejam totalmente garantidos pelo dólar norte-americano

Na terça-feira, dia 23 de janeiro, a Tether Ltd suspendeu a emissão de Tokens USDT. Foi neste dia também que o correio entregou uma convocação da Comissão de Negociação de Futuros dos EUA (CFTC) aos representantes da empresa.

Publicado em 21 de junho de 2018 por

O escritório de advocacia Freeh Sporkin & Sullivan, LLP (FSS), que não tem perfil em questões de auditoria, preparou um relatório sobre a situação das contas bancárias do Tether. Uma série de meios de comunicação apontou que o documento contém várias reservas e de forma alguma pode comprovar o total apoio financeiro aos tokens do USDT. Isso foi relatado pela CoinDesk.

O próprio FSS afirmou no relatório que seus procedimentos “não se destinam a fornecer garantias e não devem ser confundidos com uma auditoria”, uma vez que o trabalho foi realizado “sem o cumprimento das normas de auditoria e contabilidade”.

Stu Hoegner, consultor jurídico chefe da Tether, não nega que o FSS usou um procedimento ligeiramente diferente dos auditores usuais, mas está convencido de que “as principais conclusões foram as mesmas”.

“A pesquisa é baseada em um instantâneo do saldo na conta bancária em um determinado momento”, afirmou Hoegner.

Foi essa circunstância que atraiu a atenção da mídia. O FSS “confiantemente” afirma que em 1 de junho, a Tether tinha mais dinheiro do que o necessário para garantir os tokens USDT que estavam em uso (US$2,55 bilhões em dois bancos versus 2,54 bilhões de USDT). No entanto, nenhuma informação sobre a garantia de tokens antes e depois desta data foi fornecida.

“O FSS não tomou nenhuma ação e nenhuma decisão em relação às atividades que antecederam 1 de junho de 2018 ou após essa data. A partir disso, podemos concluir que não há garantia de total segurança do USDT no passado ou hoje”, concluíram os jornalistas.

Vale observar que entre seus fundadores, estão três ex-juízes federais e o ex-diretor do FBI, Louis Freeh.

O fato de que os próprios especialistas escolheram a data para a verificação das contas da Tether em dois bancos “sem aviso prévio ou consulta à empresa” também fala a favor deles. Informações específicas solicitadas sobre os USDT emitidos até a data permanecem desconhecidas.

Por sua vez, Stu Hoegner explicou as significativas reservas contidas no relatório por uma série de dificuldades na realização da auditoria. Em particular, ele apontou a falta de conhecimento dos auditores sobre a indústria de criptomoedas e a impossibilidade de adaptação imediata dos padrões contábeis às novas realidades econômicas.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment