NEEDHAM: Proibição não impede a adoção do Bitcoin

A Needham & Company LLC, divulgou uma nota para investidores nesta quinta-feira, intitulada de “Tormenta Econômica e Financeira Impulsionando o Interesse & Adoção do Bitcoin”.

Publicado em 21 de janeiro de 2017 por

A Needham & Company LLC, divulgou uma nota para investidores nesta quinta-feira, intitulada de “Tormenta Econômica e Financeira Impulsionando o Interesse & Adoção do Bitcoin”. A nota discute vários indicadores que a empresa acredita que impulsionariam o aumento da adoção do Bitcoin, como controles de capital, desmonetização, hiperinflação bem como proibições ao uso do Bitcoin. Alguns fatores podem parecer negativos no início, mas a Needham acredita que, em última análise conduziriam o interesse em direção à adoção do Bitcoin.

A empresa é uma banca de investimento e gestão de ativos reconhecida nacionalmente e voltada exclusivamente para empresas em crescimento. Desde a sua criação, eles tem atuado como administradora ou co-gerente em mais de 785 ofertas públicas.

Publicidade

Publicidade

A proibição do Bitcoin não terá o efeito desejado

Analista da Needham e autor, Spencer Bogart explicou que em alguns países, inevitavelmente, proibirão ou colocarão regulação onerosa no Bitcoin.

“Embora essas ações certamente não beneficiem a adoção Bitcoin, normalmente também não irão impedir o uso, como eles querem”, observou, acrescentando que:

“Enquanto alguns países têm ou proibido o uso do bitcoin ou promulgaram decretos que o proíbem, notamos que os resultados parecem ser o oposto do efeito pretendido: disparando o interesse no Bitcoin em alguns países que o baniram.”

Citando Bangladesh como um exemplo, Bogart referencia a proibição do Bitcoin do Banco Central em setembro 2014 que impôs 12 anos de prisão para os infratores. Usando a participação do Bitcoin em consultas de pesquisa na internet, como um proxy para o interesse em Bitcoin, disse ele que em 2016, o país tornou-se o número sete globalmente com o maior interesse em Bitcoin.

“Curiosamente, os melhores crescentes tópicos relacionados e consultas todos parecem voltados para uso genuíno (procura por carteiras populares, taxas de conversão, etc) em oposição à atividade relacionada a fraudes, esquemas Ponzi ou notícias sobre regulamentação”, acrescentou.

Da mesma forma, a Bolívia, que proibiu o Bitcoin em meados de 2014, também viu um aumento no interesse pela moeda e atualmente ocupa o número oito geral para termos de pesquisa relevantes.

O fenômeno que Bogart descreve de interesse de pesquisa em países onde o Bitcoin foi proibido é bem explicado pelo efeito Streisand, que afirma que a censura muitas vezes tem consequências involuntárias, e aqueles que são censurados a partir de informações serão provavelmente mais procurados que antes.

Alguns outros fatores que afetam a adoção do Bitcoin

Alguns outros fatores que impulsionam a adoção do Bitcoin, discutidos na nota, são controles de capital, desmonetização e hiperinflação em vários países, os quais, de acordo com Bogart também tem impulsionado o interesse crescente e a adoção da moeda em todo o mundo.

Por exemplo, a Índia proibiu grandes contas em novembro passado e os interesse popular em Bitcoin, com base no volume de busca na Internet e bem como o volume de negociação, subiu e o uso de Bitcoin triplicou desde a proibição, Bogart explicou.

Na Nigéria, a taxa de inflação quase dobrou em relação ao ano passado, para 19%, e é acompanhada por “um rápido aumento no interesse de pesquisa para Bitcoin dentro do país”, disse ele, acrescentando que na Venezuela a hiperinflação que tem assolado a economia com números expressivos (180% +) tem sido um fator determinante, “dirigindo um aumento de interesse Bitcoin e volume de negociação”. No geral, ele concluiu que:

“A Interferência no armazenamento e fluxo de capital está dirigindo interesse global em direção ao Bitcoin”.

Enquanto alguns países optaram por proibir o Bitcoin, há outros que abraçaram-no, o que Bogart reconhece em sua nota. Por exemplo, Suíça adicionou a capacidade de comprar Bitcoins em qualquer um dos quiosques Swiss National Railway, e existem mais de mil espalhados por todo o país.

Pagar utilitários com a moeda também é possível na cidade suíça de Zug. Além disso, o país também está desenvolvendo declaradamente um licenciamento potencial de “cripto-bancos”, que seria “criar uma nova categoria de instituições financeiras que são capazes para lidar com criptomoedas como Bitcoin”, descreveu Bogart.

A nota também revelou os Estados Unidos compartilha com outros 20 países um interesse em Bitcoin, como revelado pela participação da moeda nas consultas de pesquisa na internet.

“Embora grande parte da atividade de risco inicial e interesse em Bitcoin tenha vindo de dentro dos Estados Unidos, o interesse internacional subiu ainda mais”, lê-se na nota. Caracas (Venezuela), Kuala Lumpur (Malásia), Sandton (África do Sul) e Lagos (Nigéria), todos os excedem o interesse de San Francisco e Nova York, a nota revelou.

Publicidade

Publicidade

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Leave a Comment