New York Times: blockchains devem ser mutáveis

New York Times: blockchains devem ser mutáveis

Publicado em 18 de setembro de 2016 por

O New York Times lançou uma matéria em que alega que as blockchains devem ser mutáveis, pois de modo contrario nunca terão seu lugar no mundo financeiro de hoje, bom tentemos entender parte a parte o artigo.

“A indústria de serviços financeiros tem de enfrentar a questão de como equilibrar o apelo de contabilidade intocada com as exigências do mundo real, em que algumas coisas simplesmente precisam ser atingidas a partir dos registros.

Este desafio está vindo à luz com novas regras de privacidade de dados, como regulamentação de proteção de dados geral da União Europeia, que irá adicionar novos direitos de privacidade de dados do consumidor e de propriedade ao longo dos próximos dois anos. Estas regras não afetam apenas a Europa; eles vão ter um impacto de longo alcance em empresas globais, e não menos nos escritórios de grandes instituições financeiras.

Entidades em qualquer lugar do mundo que lidam com dados pessoais pertencentes aos europeus serão afetados por tais leis, e infrações poderão levar a multas de 4 por cento da receita. Não é de admirar que os clientes da Accenture estejam perguntando como eles vão defender o “direito a ser esquecido” usando a tecnologia blockchain que sempre se lembra.”

Acredito que essa lei tem mais com o fato de hoje grandes sites de relacionamento venderem seus dados do que propriamente com as blockchains, negar ao mundo a evolução das blockchains além de ser tentar tapar o sol com a peneira também seria retroagir num poder maior que as pessoas teriam no real controle de seu dinheiro inclusive pelo que nossos impostos são responsáveis. 

O maior problema que enfrentamos no mundo moderno é justamente o controle de poucos sobre muitos, o que deveria ser inverso, o povo deveria poder saber exatamente onde vai e pra que vai o dinheiro de seus impostos e a blockchain ajudaria muito isso, porem ela teria que ser a prova de corrupção ou então de nada ajudaria o povo. 

“A imutabilidade de Blockchain poderia eventualmente ficar em desacordo com os regulamentos existentes, também. Por exemplo, os Estados Unidos Fair Credit Reporting Act, a Lei Gramm-Leach-Bliley e do Regulamento S-P da Comissão de Valores Mobiliários todos requerem dados financeiros pessoais possam ser facilmente  editados.”

Editar um dado financeiro, ao meu ver esses dados se forem reais estarão registrados na blockchain, e se não são qual o verdadeiro significado de poder edita-los? fraude?

“Por exemplo, um hacker explorou um erro de programação nesta primavera em um auto executável na blockchain “contrato inteligente,” roubando mais de US $ 60 milhões (outra moeda digital) “éter” a partir de um fundo de investimentos chamada Organização Autónoma descentralizada (the DAO).

Publicidade

Publicidade

Quando os advogados argumentaram que o hacker tinha o direito aos ativos sob o código errôneo, um número surpreendente de puristas blockchain concordou. Mesmo depois que os líderes do projeto conseguiram conquistar um consenso de participantes com um  fork no código em um ponto antes que a transação ocorreu, um grande número de participantes continua a usar a versão da cadeia em que o furto ocorreu.”

Bom, gostaria de saber aqui em qual âmbito jurídico foi argumentada tal coisa sobre os direitos do hacker. Com respeito aos “puristas da blockchain”, não creio que sejam tal coisa, para mim eles estão apenas sendo lógicos. De que vale uma blockchain que pode ser modificada por seus desenvolvedores ou interessados quando desejem ou lhes seja conveniente? Que garantia as pessoas teriam? Quanto ao dito “consenso”, este não atingiu nem mesmo 50% dos usuários do ethereum.

Me  pergunto quanto o autor recebeu pra colocar esse artigo no ar, falar que o grupo 51 (ou como se chamam Robin Wood ) é inteiramente formado por desenvolvedores do ETH ele não diz, aqui também não menciona que esse mesmo grupo se dizendo roubando dos ricos para devolver aos pobres causou um imenso dump na moeda recém criada, ninguém ao menos narra o fato de a fundação ethereum atacar com unhas e dentes o ETC, com a justificativa de que as pessoas que o apoiam, apoiam o hacker, eles nunca pensam que essas pessoas já de inicio eram contra o hard fork que beneficiou a alguns, a minha pergunta é, foram ricos ou pobres os beneficiados com esse fork?

Ou seja, tanto para o jornal quanto para a fundação ETH, um erro justifica o outro, ter sido rackeada e depois sofrer uma cisão em sua blockchain justifica todos os ataques feitos ao ETC.

Lembrando ainda que outras moedas sofreram ou irão sofrer ação de hacker, e isso não é culpa das blockchains, bancos são saltados todos os dias, políticos e ate mesmo empresários causam grandes desfalques em empresas que não contam com blockchains, minha pergunta aqui é, esses mesmos desfalques tanto dos cofres públicos quanto de empresas privadas seriam mais fáceis ou mais difíceis com o uso de blockchains?

“Uma coisa é clara: Se a indústria de serviços financeiros quer abraçar uma nova tecnologia, não pode ser aquela em que o mal e os erros são imutáveis e fraudadores podem defender suas ações por motivos ideológicos espúrios. Mesmo os contratos mais inteligentes podem ser suscetíveis a erro humano, e até mesmo o mais inteligente I.T. arquiteturas será atingido por eventos que precisam ser desfeitos.”

Em minha opinião a blockchain não precisa ser apagada ou ter seus registros modificados por isso nem por lei de privacidade nenhuma, basta apenas que nela se insira um código de ocultação, todas as transações que foram executadas e devem ter seus registros em algum lugar, mesmo que ocultos.

O fato é:  grandes trambiqueiros, vide alguns políticos de nosso país (Brasil), jamais conseguiriam se ” beneficiar” tanto se tivéssemos uma blockchain que registrasse os atos do governo.

“Nós precisamos de meios para resolver este desafio, mantendo grandes pontos fortes da blockchain. Na Accenture, estamos trabalhando com os principais acadêmicos sobre um protótipo que permitiria blockchains de ser alteradas ou editadas, sempre que necessário – em modelos de governança responsáveis potencialmente desenvolvido em cooperação com os reguladores.”

Qualquer erro registrado na blockchain pode ser corrigido por meio de um novo registro, me pergunto que interesse existe em apagar totalmente um registro, a quem caberia esse imenso poder, quem realmente seria beneficiado com esse poder? O povo, você e eu, é que não, muito antes grandes envios de dinheiro para financiar grupos e rebeliões feitas em outros países praticados pelo FBI e afins não mais poderiam ser escondidos.

Acredito que essa linha de raciocínio beneficia na verdade os governos que gostam de fazer coisas por baixo dos panos e que numa blockchain não teriam mais como pra ticar certos atos. Os argumentos aqui expostos pelo autor nada mais são além de vomito de governos que não aceitam um maior conhecimento do povo sobre seus atos.

Publicidade

Publicidade

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Leave a Comment