O aumento da Fintech na Ásia

Publicado em 16 de setembro de 2016 por

 

Em 2015, financiamento asiático confirmou o interesse pelas novas empresas FINTECH, quadruplicando seu valor de investimento de US $ 1,1 bilhões em 2014 para US $ 4,7 bilhões, superando a Europa em $ 1,5 bilhão e se aproximando da América do Norte, $ 8,1 bilhões, de acordo com uma avaliação feita pela KPMG Internacional e CB Insights. Durante o curso deste ano, interesses FINTECH na Ásia chegaram a US $ 3,42 bilhões, superando a soma de $ 3,1 milhões da América do Norte e, os US $ 672 milhões da Europa.

Os novos negócios FINTECH ampliaram seus planos de ação e novos interesses. O maior empreendimento de capital esta entrando em ação na forma de empréstimos, a maior parte vem distribuída em empréstimos P2P, enquanto a segunda parte vai para administração dos parcelamentos.

Diferentes classes incorporam as exchanges de câmbio, as administrações de relacionadas com proteção e engenheiros de tecnologia, por exemplo, desenvolvedores de criptomoedas ou estruturas de processamento artificiais para avaliação de risco.

Hartono Suwongso, 33, é um dos vários pequenos empresários da Indonésia a explorarem a ascensão de especialistas em empréstimo P2P. Apenas 11% dos adultos do país tem acesso a créditos em bancos.

Suwongso, que precisa de uma parede de metal, no oeste de Jacarta, tentou conseguir um empréstimo, porem os bancos negaram, por avaliarem que ele não tinha garantias suficientes, nesse ponto no decorrer desse ano ele encontrou um negociador de credito P2P, Modalku, que não exige garantia.

Modalku, estabelecida em janeiro, em Jacarta, calcula a confiabilidade das organizações pequenas e de tamanho médio por receita, mês a mês, relacionados com registros de dinheiro e perfil mental dos proprietários. Reynold Wijaya, investidor e CEO, diz que a organização “faz todo o sentido, usando a capacidade dos usuários, de seus serviços, bem como sua vontade de pagar, afim de conseguir novos créditos,” usando uma avaliação do risco e inovações psicométricas.

A China representa um nódulo expansivo do empreendimento que está sendo feito pelas novas empresas FINTECH asiáticas. Dos 30 maiores financiamentos e investimentos relacionados com a FINTECH do mundo ate meados de 2016, mais da metade foi para as organizações chinesas, como indicado pela KPMG e CB Insights.

A renda anual de organizações orçamentais como a web da China alcançou 12,4 trilhões de yuans (US $ 1,8 trilhão) em 2015, de acordo com um relatório divulgado em julho pela McKinsey. A carga de parcelamento e outras administrações de liquidação on-line estão em algum lugar na faixa de 90% do setor empresarial, segundo o relatório. A parte de “administração de riquezas”, que incorpora lojas negócios e o segmento de “financiamento”, no qual esta inserido o financiamento de pequena escala ficou com 4,6% cada. Essas áreas, geralmente comandadas por enormes organizações como Alibaba Group Holding e Tencent Holdings.

Publicidade

Publicidade

Alipay, uma subsidiária gerida pelo Ant Financial Services Group, o qual tem lugar no Grupo Alibaba, acumulou uma porcentagem assustadora de 72% das ofertas de parcelamento versátil no mercado, o que é avaliado em 9.3 trilhões de yuan ($1.4 trilhões de dólares), tendo mais de 400 milhões de clientes. O WeChat Payment da Tencent ocupa a segunda maior parcela de ofertas de 17%.

Livremente traduzido de: http://www.coinnewsasia.com/asia-is-ripe-for-the-next-fintech-revolution/

Publicidade

Publicidade

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Leave a Comment