O preço do silêncio: trader da Mt.Gox acusa banco Mizuho de fraude e inação

Apesar de uma investigação ainda estar em andamento em relação ao fundador e CEO da falida MtGox, Mark Karpeles, no caso de peculato, manipulação de dados e violação de obrigações com os investidores, isso não o impediu de encontrar um novo emprego em uma base remota.

Publicado em 13 de agosto de 2018 por

Joseph Lack, um usuário da falida Mt.Gox, está acusando o banco japonês Mizuho de manter inação e cometer fraude. Isso foi relatado pelo Financefeeds.

Em janeiro de 2014, o californiano transferiu US$40 mil para sua conta no Mizuho, que processava depósitos de usuários da infame corretora. O banco aceitou os fundos e levou uma comissão para a transação.

Joseph Lack estava esperando o depósito aparecer em sua conta da Mt.Gox, mas em vão. Um mês depois, a corretora de Bitcoins parou completamente de negociar, e o trader nunca conseguiu reaver seu dinheiro.

De acordo com a declaração de Joseph, após o colapso da Mt.Gox, o banco tentou esconder dos usuários da corretora o fato de que a instituição financeira secretamente tentou romper as relações de parceria com o a falida plataforma.

Ele também acredita que, recusando-se a processar a retirada de fundos, mas continuando a aceitar depósitos não monetários, o Mizuho, de fato, cometeu fraude.

Como resultado, a vítima entrou com uma ação contra o Mizuho e o CEO da corretora, Mark Karpeles, no tribunal de California. Segundo ele, os dois lados tinham a obrigação de divulgar aos clientes informações sobre os problemas da corretora Mt.Gox.

O banco japonês tentou refutar essas acusações e rejeitar o processo aberto por Lack. No entanto, o tribunal ficou do lado da vítima.

Os defensores do Mizuho acreditam que a “inação” do banco não visava prejudicar Joseph Lack.

“Aceitar depósitos não monetários é uma operação passiva. A transferência não monetária, de fato, não é uma comunicação entre pessoas, mas apenas uma transferência eletrônica de informações de um computador em um banco para outro computador em outro banco”, salientou o réu, esclarecendo que tudo que aconteceu foi um “acidente”.

O Tribunal da Califórnia continua a considerar este caso.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment