ONU pretende usar Blockchain para combater escravidão infantil

Na conferência de Blockchain humanitária realizada em Nova York, a ONU anunciou o desenvolvimento de um protótipo para combater a escravidão infantil em cooperação com a World Identity Network.

Publicado em 13 de novembro de 2017 por

Na conferência de Blockchain humanitária realizada em Nova York, a ONU anunciou o desenvolvimento de um protótipo para combater a escravidão infantil em cooperação com a World Identity Network. Isto foi indicado no comunicado de imprensa oficial.

Conforme explicado no documento, o armazenamento de dados de identificação digital na Blockchain “melhorará significativamente as chances de captura de escravos”. A invulnerabilidade desses dados no registro permanente ajudará a “acompanhar melhor o tráfico de escravos e prevenir isso efetivamente “.

“Vários países em desenvolvimento estão testando ativamente eficazes métodos de combate ao tráfico de crianças escravas, e a identificação de identidade está sempre no cerne de qualquer decisão”, disse a Dra. Marianna Dragan, chefe da Rede Mundial de Identificação, acrescentando que muitas crianças com menos de cinco anos não possuem certidões de nascimento, o que as torna potenciais vítimas.

Os traficantes criam documentos de menores para atravessar fronteiras estaduais e envolvem crianças em atividades ilegais, incluindo exploração sexual e tráfico de órgãos humanos.

“O tráfico de crianças é uma das mais graves violações dos direitos humanos, e a tecnologia de Blockchain pode ajudar a salvar milhões de vidas”, disse a vice-chefe do Escritório das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres, Janick Glemarec.

A ONU convida empresas privadas, a comunidade acadêmica e organizações sem fins lucrativos a se juntarem ao desenvolvimento desse protótipo.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Leave a Comment