Para onde irão as ICO chinesas? Sudeste Asiático ou América do Norte?

A imprensa de Hong Kong escreve sobre a "guerra entre cripto-refugiados e o estado"

Publicado em 22 de setembro de 2017 por

A proibição oficial do governo da Republica Popular da China com relação a realização de ICOs e os pressupostos sobre o que os investidores e os participantes das ICOs chinesas empreenderão após essa proibição são o tema mais discutido nas últimas semanas.

O correspondente especial da revista ForkLog, Alexander Alterman, falou com Vitaly Gumirov, fundador e CEO da sala de bate-papo Miniapps.pro, que recentemente participou de dois eventos de blockchain em larga escala na Global Blockchain Summit em Xangai e 2017 Shape the Future em Hong Kong. Gumirov falou ao conselho editorial sobre os estados de espírito e as expectativas da comunidade chinesa de criptografia. Abaixo está o conteúdo da entrevista concedida à publicação digital na íntegra:

ForkLog: Mais de uma semana se passou desde que o governo chinês proibiu a realização de ICO. A comunidade já se recuperou desse evento?

Vitaly Gumirov: Na verdade, não houve pânico. Os empresários chineses respondem a isso: somos uma empresa que cumpre com a lei e faremos o que o governo nos diz. Ao mesmo tempo, eles dizem que a proibição da ICO não afetará seus planos. As empresas chinesas não vão desistir de suas ICOs, mas simplesmente transferi-las da China para outros lugares, para outras jurisdições. Abram suas empresas em outros países e mantenha sua ICO lá, isso é tudo.

FL: E em que países as empresas chinesas pensam em se estabelecer e realizar suas ICOs?

VG: Algumas pessoas escolherão entre Singapura e Hong Kong, e alguns pensam sobre o Canadá. Eu ouvi os chineses especularem que o Canadá pode ser preferível a eles do que Singapura ou Hong Kong. Sobre a Suíça, a propósito, eles não dizem muito.

FL: Por que a Suíça não é tão atraente para os projetos de criptografia chineses?

VG: Provavelmente, porque no Canadá, a diáspora chinesa é muito maior do que na Suíça e, portanto, no Canadá, terão menos barreiras linguísticas. Talvez haja muitos escritórios de advocacia chineses com quem eles possam trabalhar e falar a mesma língua. Eu acho que eles estão procurando um lugar em que a regulamentação seja liberal suficiente em relação aos projetos criptográficos, que também seja combinada com uma grande diáspora chinesa e um ambiente de linguagem amigável.

Observo que após declarações das autoridades financeiras dos Estados Unidos e Singapura em relação aos reguladores da ICO, Canadá e Hong Kong advertiram que os tokens da ICO poderiam ser classificados como títulos e o governo chinês declarou a ICO ilegal e exigiu que as empresas devolvessem fundos aos investidores.

Esta semana, o visionário da tecnologia de Hong Kong, o CEO da MGT Capital Investments e desenvolvedor do antivírus da McAfee Security, John McAfee, chamou esse desenvolvimento de “uma guerra entre refugiados libertários e governos soberanos”.

Outra forma de encarar as ICOs

No meio da confusão sobre ICOs, o vice-ministro do Desenvolvimento Econômico e Comércio da Ucrânia, Mikhail Titarchuk, na conferência BlockchainUA em Kiev, dá uma aula sobre equilíbrio, afirmando que a regulamentação do mercado primário de colocação de moedas (ICO) não deve ser restritivo.

“É necessário criar condições que encorajem os criadores de novos projetos a conduzir a ICO dentro do quadro legal, por um lado, e minimizar os riscos dos contribuintes, por outro”, afirmou o vice-ministro.

Ainda este ano, em 20 de setembro, o governo ucraniano aprovou o conceito de desenvolvimento do governo eletrônico no país até 2020.

 

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Leave a Comment