Quem vai devagar, vai longe: por que não vale à pena correr atrás do hashrate máximo na pool de mineração

Quando se trata de comprar uma nova placa de vídeo ou uma "fazenda" inteira, muitos mineradores se concentram principalmente no desempenho em MH/S (um milhão de somas hash por segundo).

Publicado em 28 de dezembro de 2017 por

Quando se trata de comprar uma nova placa de vídeo ou uma “fazenda” inteira, muitos mineradores se concentram principalmente no desempenho em MH/S (um milhão de somas hash por segundo). Por exemplo, o GTX 1070 com aceleração dá 31-33 MH/S e todos os proprietários de placas de vídeo tentam alcançar seus mega-hashs máximos.

Nesse artigo, falaremos sobre o motivo pelo qual este indicador não é o único que merece atenção, bem como sobre a distribuição de recompensas pelas pools e a maximização do lucro.

O que é PPLNS, PROP e PPS? Sistemas de distribuição de recompensas na pool

Primeiro, é preciso entender como os mineradores recebem sua recompensa, pois existem várias opções de pagar a recompensa para a pool. Nem todas elas são baseadas na potência de suas placas gráficas expressada em MH/S (todas as soluções que suas placas geram), mas sim no número de shares que enviados – as soluções corretas que atendem às condições da pool.

PPS (Pay per Share): essa é a maneira mais fácil de distribuir recompensas, pois é onde o pagamento é efetuado por cada share enviado. A pool decide que está interessada em comprar de um determinado vendedor um share por 1 centavo e, em seguida, apenas lhe paga um centavo por cada share enviado.

PROP (Proportional): pagamento proporcional aos shares contribuidos. Supondo que cinco fazendas estão trabalhando em uma pool e enviando shares: as fazendas n° 1, 2 e 3 enviaram 10 shares, a fazenda número 4 enviou 20 e a fazenda número 5 enviou 100. Depois de encontrar o bloco, a recompensa será dividida entre os participantes de acordo com a quantidade de shares que cada um enviaou à pool.

PPLNS (Pay Per Last N Shares): semelhante ao PROP, nesse método, os mineradores participam da distribuição de recompensas com base em esforço contribuido (share). A diferença entre o PPLNS e o PROP é que no PPLNS há proteção dos assim-chamados “pool-hoppers” – mineros sem escrúpulos que correm através de pools com o pagamento de PROP, enviam shares e saem, pois sabem que terão algo quando o bloco for encontrado. Então, PPLNS não considera todos os shares que foram enviados pelos mineradores enquanto a pool procurava o bloco, e sim os últimos X shares. Por exemplo, no 2Miners.com no grupo Ethereum, apenas os últimos 3.000 shares enviados pelos mineradores são usados para calcular a recompensa. Nesse caso, se um dos usuários enviou 1500 dos últimos 3 mil shares, ele receberá 50% do lucro do bloco encontrado.

Na pool da moeda Zcash, os últimos 20 mil shares são utilizados para calcular as recompensas usando o sistema PPLNS. No mundo das pools de mineração, considera-se que 1-3 mil shares para pools PPLNS com algoritmo Dagger-Hashimoto e 10-30 mil shares para pools PPLNS com algoritmo Equihash são o “padrão-ouro” de configurações.

Desempenho de placas de vídeo em MH/S

Foi possível notar que todos os métodos de distribuição de recompensa aos mineradores (PPLNS, PROP e PPS) não dependem diretamente dos indicadores de MH/S. Este é o ponto chave. Ao configurar equipamentos para mineração, é preciso cuidar de sua estabilidade. Se a fazenda emitir shares maus (“rejeitados”) ou atrasados (“obsoletos”), o mineiro não receberá sua peça de “torta” durante distribuição das recompensas na pool. Pior ainda, se, na busca de belos indicadores de MH/S, a fazenda travar ou reiniciar por causa da aceleração excessiva das placas de vídeo.

Como mostra a prática, é melhor conceder às placas uma oportunidade de trabalhar a uma velocidade de 31MH/S com o tempo de atividade da fazenda de 10-20 dias, do que acelerá-las para 33MH/S e ter problemas com a estabilidade.

Afinal, o trabalho estável é a chave para maiores lucros. A propósito, em pools com estatísticas expandidas, é sempre possível perceber a proporção atual de soluções e a recompensa recebida, se o bloco for encontrado nesse exato momento. Vale lembrar que se o mineiro se desconectar da pool e ela estiver fazendo uso do sistema de pagamento PPLNS, sua parte será rapidamente tomada por outros mineradores.

Como configurar placas de vídeo para obter maiores lucros?

A pool não tem idéia de quantos MH/S uma placa de vídeo tem. Em vez disso, ela analisa o número de shares (soluções corretas) enviados e desenha nitidamente belos gráficos de hashrate usando esses dados.

A propósito, existem pools que obtêm e colocam no cronograma o assim-chamado Reported Hashrate do programa, ou seja, o valor do hashrate que a pool recebe do minerador. Lembre-se: o minerador não é pago por esses gráficos, e sim pelo hashrate verdadeiro.

Isso pode ser visto muito bem usando o exemplo do ethermine.org. Esta pool mostra tanto o Reported Hashrate quanto o hashrate real do minerador, calculado com base no número de shares enviados por ele.

O conselho que podemos dar é muito simples: tente conseguir o máximo de tempo de trabalho para suas fazendas sem travadas e reinicializações. Se necessário, reduza gradualmente a aceleração. Ao fazer isso, os valores MH/S diminuirão, mas seu bolso lhe agradacerá pela operação sem falhas.

 

 

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment