Devido à impossibilidade de realizar transações, usuários da Exchange HitBTC têm tido problemas com a retirada de todos os ativos criptográfico por mais de duas semanas.

De acordo com várias fontes, a corretora HitBTC congelou a retirada dos fundos dos usuários. Vale ressaltar que isso aconteceu na véspera da campanha Proof of Keys agendada para dia 3 de janeiro, dentro da qual os usuários são convidados a retirar seus Bitcoins das plataformas de negociação para garantir assim que eles, e não terceiros, sejam os proprietários de seus fundos.

No dia 31 de dezembro, um dos usuários do Reddit acusou a corretora de ignorar seus pedidos de retirada. Ao mesmo tempo, observou o usuário que usa o nome PEDXS, ele já tinha passado pelo procedimento KYC, depois de ter esperado seis meses para acessar sua conta. Vale ressaltar que ele já conseguiu retirar a maioria dos fundos, deixando apenas uma pequena quantia para a negociação diária.

“Seis meses atrás, minha conta foi bloqueada. Alguns meses depois, depois de enviar mais de 40 mensagens, a HitBTC finalmente liberou minha conta. Eu retirei imediatamente a maior parte dos meus fundos, deixando um pouco para a negociação diária, e a HITBTC prometeu que “não haverá mais restrições automáticas”. Em poucos meses, aumentei meu saldo para alguns Bitcoins. À medida que a campanha Proof of Keys se aproximava, achei que a HITBTC era a principal suspeita da insolvência, então tentei retirar meus Bitcoins. Adivinham o que aconteceu. Sim, eles bloquearam a retirada e congelaram minha conta novamente”, escreveu PEDXS.

Ele acrescentou que a conta foi congelada há mais de 10 dias, e todas as tentativas de contato com a troca foram respondidas com mensagens automáticas padrão. Na ausência de comunicação com a exchange, PEDXS decidiu alertar publicamente outros usuários de que a corretora provavelmente não possuía os fundos necessários.

No dia 1º de janeiro, o representante da corretora respondeu à postagem de PEDXS, pedindo a ele que fornecesse um número do ticket ao entrar em contato com o suporte ao cliente.

A mesma resposta foi recebida por outro usuário, lookatmyiq, que também reclamou que, apesar de todos os procedimentos KYC, sua conta foi congelada sem aviso prévio.

“Eu negocio cripto por muitos anos em várias corretoras e nunca fui confrontado com meus fundos sendo bloqueados sem qualquer aviso. O suporte foi muito rápido ao pedir informações adicionais, mas depois que eu forneci tudo para eles, eles simplesmente desapareceram”, escreveu lookatmyiq.

HitBTC x Proof of Keys – Uma combinação indigesta

A informação de que a HitBTC está congelando contas de usuários também foi confirmada pelo autor da iniciativa Proof of Keys, investidor da Bitcoin e o principal apresentador do podcast Bitcoin Knowledge, Trace Mayer.

Na manhã de quarta-feira, dia 2 de janeiro, ele escreveu no Twitter que ele mesmo não tinha uma conta nessa corretora e, portanto, pediu a um amigo que fizesse uma solicitação de retirada para ele.

Cuidado! O resultado foi o seguinte: a retirada de fundos para sua conta está temporariamente indisponível”, informou Mayer, citando a mensagem que seu amigo recebeu.

Lembramos que Trace Mayer anunciou a iniciativa Proof of Keys em dezembro do ano passado. A campanha é programada para o 10º aniversário da criação do bloco Genesis e é projetada para demonstrar a soberania monetária dos usuários do Bitcoin e deve ajudar a confirmar que eles, e não terceiros, ou seja, as corretoras, possuem seus fundos.

Vale notar que esta não é a primeira vez que os usuários se queixam da impossibilidade de retirar fundos da HitBTC. Em dezembro de 2017, um caso semelhante foi relatado, quando a corretora explicou os atrasos pelo afluxo de novos usuários.

Em maio de 2018, o Grupo Karma entrou com uma ação contra a HitBTC, acusando a corretora de receber 527,01 ETH por listar os tokens Karma (KRM), mas não cumprir suas obrigações.

Em julho do mesmo ano, John McAfee, fundador da MGT Capital Investments e do antivírus McAfee Security, também anunciou sua intenção de processar a HitBTC. Ele acusou a corretora de comissões infladas ao retirar a criptomoeda Docademic (MTC).