Protocolo Zerocoin e Zcoin – transações sem histórico

Como afirmado no blog do projeto, a ideia é criar uma versão compatível do protocolo Zerocoin com o Ethereum, o que permitirá aos usuários converter criptomoedas pseudo-anônimas em tokens totalmente anônimos.

Publicado em 6 de agosto de 2018 por

Zcoin

O Zcoin (XZC) usa o protocolo Zerocoin para fornecer transações não identificadas de maneira singular e escalável. O protocolo que inicialmente foi projetado para ser uma extensão do Bitcoin permite que os usuários possam enviar moedas sem a formação de histórico de transações, ao contrário da principal criptomoedas que registra todo histórico de transações em um livro público aberto a todos.

Protocolo Zerocoin

O processo de envio de Zcoins funciona de maneira semelhante ao envio de Bictoins, e registra o histórico em um Ledger público. No entanto, o protocolo Zerocoin destrói os Zcoins dos proprietários para cunhar Zerocoins. Essas novas moedas, por sua vez, não possuem histórico de transações.

Dessa maneira, de forma bem simples, o processo elimina as moedas que possuem histórico de transações e geram uma nova moeda, dessa vez sem histórico. A partir daí o proprietário pode usar seus novos Zerocoins em transações de gasto que transformar as moedas novamente em Zcoins.

O procedimento de cunhagem de Zerocoin envolve uma taxa de 0,01 Zcoin e há um limite determinado de moedas que um usuário pode cunhar a fim de manter o anonimato.

Além disso, os proprietários precisam aguardar um intervalo de 70 minutos após a cunhagem para poder enviar seus Zerocoins.

Mineração

O Zcoin usa o algoritmo Lyra2z para prova de trabalho (PoW). Porém deve, eventualmente, migrar para o algoritmo de prova de trabalho Merkle Tree, conhecido como MTP. O MTP é um algoritmo rígido de memória única, cujo um dos principais objetivos é combater o desenvolvimento de ASICs.  Além disso, algoritmos como o MTP impedem o uso de botnets infectando computadores para mineração.

Trajetória da moeda Zcoin no mercado

Moeda digital Zcoin vem sendo negociada no mercado de criptomoedas desde 2016 sob o código XZC. Desde o seu lançamento a moeda trilhou um caminho bastante interessante marcado por um importante pico.

Apesar de algumas importantes oscilações posteriores com fortes movimentos de alta, foi a partir de outubro do ano passado que a moeda iniciou sua maior movimentação de alta. Em dezembro de 2017, o Zcoin chegou ao seu maior valor quando chegou a ser negociado por US$ 462,81, no dia 26 do último mês do ano.

Desde então a moeda iniciou uma trajetória de baixa, seguindo a principal tendência do mercado. Do seu maior valor até o momento dessa redação, quando a moeda estava cotada em US$ 65,26, segundo o CoinGecko, a queda chega ao patamar de cerca de 86%.

Em uma análise de um espaço de tempo de sete dias findos no dia 20/07, a moeda acumula alta de 4,5% apesar de operar em queda de 2,2% no momento exato em que este artigo era confeccionado.

Além disso, considerando um intervalo de doze meses, o valor da alta acumulada chega ao patamar 159, 9% apesar da que de 52,1% acumuladas nos últimos seis meses.

Onde comprar XZC

Menos da metade dos XZC estão em circulação no mercado segundo dados do CoinMarketCap. De acordo com informações do site, de um total de 21.400.000 Zcoins, cerca de 5.224.329 estão em circulação.

Esses XZC podem ser negociados, sobretudo, pela Binance, Bittrex e Upbit que são exchanges que concentram maior volume de negócios dessa moeda.

Contudo, é possível conferir uma lista mais detalhadas de todas as exchanges e negócios a respeito do Zcoin através do link: https://coinmarketcap.com/pt-br/currencies/zcoin/#markets.

Para conhecer mais sobre mais sobre o Zcoin é possível acessar o site oficial da moeda. No site do Zcoin estão disponíveis mais informações técnicas e também link para download.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment