Relatório: é pouco provável que as criptomoedas desafiem os Bancos Centrais

O Vice-presidente da Comissão Europeia e Comissário Europeu para o Euro e Diálogo Social, Valdis Dombrovskis, realizará uma mesa redonda com representantes dos setores estadual e empresarial referente ao impacto das moedas criptográficas sobre as atividades dos bancos centrais.

Publicado em 3 de julho de 2018 por

De acordo com representantes da Comissão de Assuntos Econômicos e Monetários do Parlamento Europeu, as criptomoedas não poderão se opor ao poder econômico dos Bancos Centrais. Isso foi relatado pela CoinDesk com referência ao documento publicado pelo Office.

O relatório diz que, apesar das transações financeiras “relativamente seguras, transparentes e rápidas”, os ativos criptográficos não representam uma ameaça às moedas nacionais de vários países ao redor do mundo.

Analistas do Centro de Pesquisas Socioeconômicas de Varsóvia observam que as criptomoedas trouxeram mudanças positivas no mundo das finanças – graças a novos ativos, as transações podem ser realizadas “globalmente, sem prestar atenção às fronteiras do Estado”.

Além disso, segundo analistas, as criptomoedas “respondem à demanda real do mercado” e têm o potencial de se tornarem “dinheiro privado de pleno direito” ou mesmo um elemento sustentável da economia global.

No entanto, os pesquisadores enfatizam que é improvável que as criptomoedas possam representar uma ameaça aos Bancos Centrais e às moedas nacionais. Também é improvável que os ativos digitais sejam capazes de liquidar sistemas monetários estabelecidos, especialmente em países cujas moedas são populares em escala global. Esta tese é confirmada pelo fato de que, atualmente, a capitalização total das moedas digitais (US$257 bilhões) é incomparavelmente pequena em comparação ao valor total das principais moedas em circulação.

No entanto, os analistas estão convencidos de que “pode ​​haver algumas exceções”. Por exemplo, as criptomoedas podem ser muito populares em países economicamente instáveis, como a Venezuela, representando uma alternativa à rápida depreciação das unidades monetárias nacionais.

Os pesquisadores também expressaram a opinião de que os reguladores devem tratar as criptomoedas como outros instrumentos financeiros, bem como levar em conta os riscos associados à lavagem de dinheiro, evasão fiscal e várias atividades ilegais.

Lembre-se de que anteriormente, uma opinião similar foi expressada pelos Bancos Centrais europeus e americanos. Leia mais sobre isso aqui.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment