Remando contra a maré: como o Tether se manteve entre os dez primeiros na lista da CoinMarketCap

Na terça-feira, dia 23 de janeiro, a Tether Ltd suspendeu a emissão de Tokens USDT. Foi neste dia também que o correio entregou uma convocação da Comissão de Negociação de Futuros dos EUA (CFTC) aos representantes da empresa.

Publicado em 15 de outubro de 2018 por

No ano passado, a Tether Ltd., emissora da stablecoin sob o ticker USDT, vem debatendo calorosamente.

Muitos representantes da comunidade criptográfica suspeitam que o emissor do “dólar tokenizado” tenha insuficiente oferta de moedas e “flexibilização quantitativa” regular do mercado durante os períodos de recessão.

Pesquisadores da Universidade do Texas, por exemplo, chegaram à conclusão de que o “combustível” para o rápido crescimento do Bitcoin em 2017 foi a contínua emissão de Tether, observando também observam que os tokens do USDT, em regra, não são reembolsados ​​pelo emissor.

Surpreendentemente, apesar do mercado em baixa e do volume extremamente baixo de negociações na grande maioria das criptomoedas, o Tether está firmemente enraizado nos dez primeiros da classificação da CoinMarketCap:

Remando contra a maré: como o Tether se manteve entre os dez primeiros na lista da CoinMarketCap. BTCSoul.com

 Dados de 09/18/2018  

Atualmente, o Tether ocupa o segundo lugar em termos de volume de negociação, enquanto que os pares comerciais ETH/USDT e BTC/USDT fornecem mais de 56% do volume diário de negociação. Vale ressaltar que desde janeiro de 2017, a emissão total de tokens Tether cresceu de US$10 milhões para US$2,7 bilhões.

O token USDT foi emitido em 2015 pela Tether Limited. Não demorou muito para que começassem rumores relacionados à possível conexão da Tether Limited com a popular corretora, e que, graças à investigação de Paradise Papers, foi confirmada.

A fim de lançar luz sobre as atuais tendências e razões para o aumento tão rápido na stablecoin mais popular, oferecemos aos leitores uma tradução adaptada do artigo analítico “Tether: O Primeiro Experimento Cripto Bancário”, preparado por pesquisadores da Chainalysis.

O Tether, nos últimos 12 meses, demonstrou um crescimento explosivo, mesmo apesar do perceptível e contínuo declínio na atividade de outros ativos digitais.

Um relatório baseado em dados da Chainalysis mostrou que o Tether, que está atrelado ao dólar, está crescendo devido ao fato de possuir algumas propriedades de instituições financeiras tradicionais. Em outras palavras, é uma espécie de “banco de criptomoeda” para os comerciantes que fornece um local estável para armazenamento de fundos, semelhante a soluções oferecidas por instituições financeiras no mundo fiat tradicional. Além disso, o Tether possibilita transações desimpedidas, rápidas e baratas dentro do ecossistema criptomonetário.

Atualmente, não é tão fácil realizar transações entre o mundo fiat e digital: usuários enfrentam significativos atrasos e pagam altas comissões ao transferir dinheiro. O explosivo crescimento do Tether, neste contexto, indica que as instituições financeiras tradicionais não atendem às necessidades do mundo criptográfico.

No entanto, a insuficiente regulação das criptomoedas resultou em alguns efeitos colaterais desfavoráveis. Por exemplo, o Tether parece estar possibilitando a manipulação de preços de criptomoedas de baixa liquidez, o que, por sua vez, prejudica a confiança na esfera dos ativos digitais.  

É possível que, após cinco anos, as manipulações de preços com criptomoedas de baixa liquidez desapareçam. É possível também que o Tether desempenhe um papel importante, especialmente se as instituições financeiras tradicionais não se desenvolverem adequadamente. Para isso, é necessário que o ambiente regulatório, que é projetado para proteger e servir os participantes do mundo em desenvolvimento, também mude.

Nossas conclusões sobre o Tether são baseadas nas seguintes teses principais:

  • Durante os últimos 12 meses, a atividade associada ao Tether cresceu exponencialmente ao mesmo tempo em que outras moedas digitais caíram. Os volumes de negociação em pares com USDT nas corretoras que suportam esssa stablecoin cresceram mais de 15 vezes durante o período de outubro de 2017 a março de 2018.
  • Como dito anteriormente, o Tether atua como um banco de criptomoedas para os comerciantes, permitindo que os indivíduos armazenem uma moeda com uma taxa de câmbio estável em cerca de 30 corretoras. Após a emissão, todos os tokens passam pela plataforma Bitfinex, que é o único cliente direto da Tether. Depois disso, 80% dos USDT recém-lançados são enviados a sete Exchanges. 73% das transações online de Tether são listadas em corretoras, com apenas 27% delas sendo provenientes de plataformas de negociação. Isso indica que a maior parte do USDT é usada para negociação.
  • Nos últimos 12 meses, a atividade associada ao Tether mudou. Do comércio contra Bitcoin e Ethereum, a ênfase muda cada vez mais para as criptomoedas de baixa liquidez – e às vezes para esquemas de Pump and Dump. A natureza do uso de Tether mudou no ano passado: durante janeiro de 2018, o volume das transações com a stablecoin se correlacionou estreitamente a indicadores similares de Bitcoin, Ethereum e Litecoin (o grau de dependência chegou a 75%). Isso sugere que, por algum tempo, os participantes do mercado preferiam ativos criptográficos ao invés de ativos de ponta. No entanto, desde o início de 2018, os volumes de transações da Tether têm se correlacionado cada vez mais a criptomoedas mais recentes e menos reconhecidas, como EOS, NEO, Decred, etc. Os resultados da análise de pares comerciais indicam queo USDT é usado para “bombear e descarregar”. A participação do USDT, utilizado para negociação em pares de baixa liquidez, aumentou de 6% em novembro de 2017 para quase 20% em abril de 2018.

Nos últimos 12 meses, a atividade relacionada ao Tether aumentou exponencialmente. Isso é especialmente perceptível em 2018, em meio a uma recessão em outras moedas digitais.

  • Desde meados de 2017, houve um explosivo crescimento nos volumes e transações de negociação, bem como o número de Tether emitidos. Em janeiro de 2018, durante uma semana, o volume de transações em Tether atingiu US$1,5 bilhão. Isso aconteceu logo após o pico da criptomoeda, quando o preço do Bitcoin se aproximou de US$20 mil. Contudo, ao contrário de outras moedas digitais, os volumes de Tether continuaram a crescer mesmo no final de maio – depois disso, houve um pronunciado declínio nos preços de muitas moedas digitais. Em 1 de maio, o número de transações on-line atingiu uma alta histórica, aproximando-se da marca de 50 mil.

Remando contra a maré: como o Tether se manteve entre os dez primeiros na lista da CoinMarketCap. BTCSoul.com

O explosivo crescimento do Tether em todos os aspectos no contexto do mercado de ursos.  

No primeiro semestre de 2018, houve uma revitalização excepcionalmente forte da atividade associada ao Tether. Nada disso aconteceu com outras criptomoedas. Neste contexto, se no final do ano passado os principais ativos digitais experimentaram grandes picos de volume, então 2018 foi marcado por vendas contínuas.

Durante maio de 2018, o Tether foi caracterizado por grandes volumes de transações:

Remando contra a maré: como o Tether se manteve entre os dez primeiros na lista da CoinMarketCap. BTCSoul.com

No início de 2018, o volume de transações com o Tether aumentou significativamente, em contraste com outras moedas digitais.

Uma tendência semelhante é indicada pelos dados sobre os volumes de comércio: em 2018, o volume corretoras adicionando suporte à stablcoin aumentou. Tais dinâmicas não são observadas nas plataformas onde o USDT não está representado. É difícil determinar o papel do Tether sozinho neste crescimento. No entanto, é claro, essa moeda contribuiu para o crescimento da liquidez no mercado.

Remando contra a maré: como o Tether se manteve entre os dez primeiros na lista da CoinMarketCap. BTCSoul.com

Desde outubro de 2017, o volume de negociação em Tether cresceu 15 vezes em relação ao volume de negócios em pares com o dólar norte-americano.

O crescimento parecerá ainda mais impressionante, já que a principal atividade ocorre em apenas algumas corretoras. A Chainalysis confirmou que todas as stablecoins liberadas pelo Tether Treasury passam pela Bitfinex. Depois disso, 80% das moedas são transferidas diretamente para várias plataformas que aceitam USDT: Bittrex, Poloniex, Huobi, OKEx, Binance e Kraken.

Remando contra a maré: como o Tether se manteve entre os dez primeiros na lista da CoinMarketCap. BTCSoul.com

O Tether é usado principalmente como um token que facilita a negociação. Isto é evidenciado pela análise da atividade cambial. Assim, 91% de todas as transações do Tether estão vinculadas a plataformas de negociação, ao mesmo tempo em que 73% de toda a oferta da stablecoin está nos balanços patrimoniais das corretoras.

Além disso, quase 75% de toda esta atividade está associada ao depósito de Tether nas plataformas e apenas 25%, à produção de stablecoin do saldo das plataformas de negociação. Vale notar que todas as Exchanges que aceitam USDT estão intimamente inter-relacionadas – 46% do volume transacional total recai em duas plataformas de suporte do Tether. O maior fluxo vem da Bitfinex, que vai diretamente para a Huobi, Bittrex e Poloniex.

Apenas algumas Exchanges oferecem negociação em Tether. No entanto, volumes significativos nesses sites são gerados em pares comerciais com o USDT. Isso indica que o Tether está, em grande parte, em dívida com essas plataformas por seu sucesso. Por exemplo, em julho, cerca de 70% do volume negociado em Huobi caiu no par com o USDT.

Os volumes do acordo com o Tether estão cada vez mais conectados às criptomoedas “ativamente crescentes”, que tradicionalmente têm menores volumes de negociação. Portanto, antes do boom criptográfico no final de 2017, a correlação de grandes moedas digitais com o USDT excedia 85%.

Uma relação próxima entre ativos é geralmente um indicador de uma bolha. Após a deflação do último na virada de 2017-2018, a correlação entre as moedas analisadas e o Tether diminuiu em média 93%.

No entanto, durante o período de 15 de janeiro a 2 de junho de 2018, o Tether se correlacionou predominantemente com as criptografias ativas de PES e NEO. Em outras palavras, enquanto em grandes criptomoedas o volume de transações de câmbio caía, os comerciantes estavam procurando oportunidades para obter lucro em novas criptomoedas, que possuem pequenos volumes.

Remando contra a maré: como o Tether se manteve entre os dez primeiros na lista da CoinMarketCap. BTCSoul.com

Os volumes de transações Tether estão cada vez menos correlacionados a grandes moedas digitais e cada vez mais associados ao EOS e NEO.

De fato, dados sobre a atividade de negociação das corretoras, fornecidos pela Kaiko, sugerem que durante o primeiro semestre de 2018, o Tether esteva cada vez mais negociando em pares com ativos digitais com baixa liquidez. A participação de tais volumes de comércio em abril deste ano foi de 20% de todas as transações com a Tether.

No início de 2017, o par de negociação BTC/USDT apresentou um significativo declínio nos volumes. No entanto, a situação se estabilizou mais tarde – com o tempo, o volume de negócios com a Tether chegou a 50%.

No entanto, os volumes de Tether lidam com as dez maiores criptomoedas (com exceção do BTC), que estiveram em constante declínio. A participação das transações do par ETH/USD, por exemplo, atingiu 25% em julho de 2017. No entanto, no ano seguinte, esse indicador caiu para 11%.

Remando contra a maré: como o Tether se manteve entre os dez primeiros na lista da CoinMarketCap. BTCSoul.com

Tether é cada vez mais usado para negociação em pares com criptos menos líquidas.

A alta volatilidade dos ativos de baixo risco líquido atesta a atividade de P&D. Nesse contexto, a volatilidade de pares com baixo volume é aproximadamente três vezes maior que a de pares altamente líquidos com Tether. Este é um sinal típico da atividade de P&D.

Remando contra a maré: como o Tether se manteve entre os dez primeiros na lista da CoinMarketCap. BTCSoul.com

Comparação da volatilidade das dez primeiras criptomoedas com moedas de médio e baixo teor líquido.

O Tether é usado para aumentar rapidamente os volumes de negociação das moedas digitais de liquidez média e baixa. Esta é uma característica clássica dos esquemas de Pump&Dump.

Remando contra a maré: como o Tether se manteve entre os dez primeiros na lista da CoinMarketCap. BTCSoul.com

Breves explosões de volumes de negociação em pares com Tether servem como evidência do uso deste último em esquemas de P&D com moedas de baixo teor líquido.

Além disso, as explosões de volumes acima não se correlacionam à dinâmica geral de crescimento dessas moedas individuais. Por exemplo, o crescimento acentuado do Refereum em março de 2018 foi apenas em RFR/USDT e não foi observado em pares com BTC e ETH.

Finalmente, o forte salto nos volumes e transações de negociação deveu-se, em parte, ao crescente número de corretoras que lidam com criptomoedas de baixa liquidez que surgiram durante o boom de ICOs.

Remando contra a maré: como o Tether se manteve entre os dez primeiros na lista da CoinMarketCap. BTCSoul.com

Crescimento dos volumes de negociação em pares com o Tether em novas Exchanges trabalhando sob o esquema crypto-to-crypto

A Binance apareceu em setembro de 2017 e rapidamente se tornou a força motriz por trás do comércio mundial de criptomoedas. Isto foi, em grande parte, devido ao apoio da plataforma a muitos ativos digitais de baixo teor líquido. Depois da adição do suporte do Tether à OKEx, essa última rapidamente se tornou uma das líderes no volume de negociações.

O papel do Tether no sucesso dessas corretoras é óbvio. Isso sugere que há uma significativa necessidade no mercado de stablecoins que estimula a atividade comercial.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment