Removendo barreiras e construindo pontes para a inclusão financeira da América Latina

De acordo com dados do Banco Mundial, ao fim de 2014, dois bilhões de pessoas ao redor do globo não possuíam uma conta bancária ou em qualquer tipo de instituição financeira. Isso significa que 38% dos adultos ao redor do mundo permanecem ignorantes aos bancos.

Publicado em 12 de novembro de 2017 por

De acordo com dados do Banco Mundial, ao fim de 2014, dois bilhões de pessoas ao redor do globo não possuíam uma conta bancária ou em qualquer tipo de instituição financeira. Isso significa que 38% dos adultos ao redor do mundo permanecem ignorantes aos bancos. O número se torna significativamente maior quando se olha para a América Latina: serviços financeiros básicos que permitiriam que sua população economizasse ou fizesse empréstimos ainda é inacessível a 50% do povo. Os números são chocantes. Metade da região está tentando escalar a montanha do desenvolvimento carregada com pesos de exclusão. “Não ter dinheiro suficiente” foi a principal razão citada pela qual as pessoas não têm uma conta bancária, de acordo com a pesquisa do Banco Mundial. Outras razões incluíram “a conta é muito cara”, “falta de confiança”, “a instituição financeira é muito longe” e “falta da papelada necessária”.

Possuir uma conta bancária básica melhora dramaticamente a qualidade de vida: algumas pessoas economizam mais, investem em educação, se tornam capazes de abrir seu próprio negócio ou fazer sua companhia crescer, compram casas, conseguem seguros, e assim por diante.

Aumentar o acesso financeiro não somente impacta a qualidade de vida individual, mas também da economia. Aqui é onde a Blockchain – arquitetura do sistema subjacente ao Bitcoin e outras criptomoedas como o Ethereum – vem para preencher as lacunas onde bancos tradicionais falharam. Primeiro, não há requerimento mínimo para a abertura de uma conta; é possível criar uma conta de graça. Segundo, taxas de transação são menores que em instituições tradicionais. Terceiro, você não tem que confiar em ninguém, é um sistema que não depende de confiança. Quarto, você não precisa se locomover, basta ter acesso à internet. E quinto, não há papelada, criar uma conta é fácil e instantâneo. Linha de fundo: a Blockchain remove barreiras e torna possível a todos ter acesso a serviços financeiros.

Mas… e quanto aos créditos? Ainda que pessoas possam enviar e receber dinheiro diretamente a um baixo custo, não existem meios de emprestar ou pegar emprestado de forma segura. Pelo menos não até o ETHLend existir. ETHLend é uma plataforma que conecta mutuários e credores, abrindo as portas das finanças a todos em qualquer lugar do mundo. A ETHLend oferece contratos inteligentes totalmente descentralizados, permitindo empréstimos Peer-to-Peer que funcionam na Blockchain do Ethereum e usam tokens digitais como garantia.

Essa inovação não apenas abre as portas das finanças para todo no mundo sem discriminação, como também eleva o empréstimo a uma escala global. Qualquer um, de qualquer lugar pode requisitar e financiar empréstimos. Isso resulta em uma real competição e é de onde ganha ainda mais interesse da América Latina.

A taxa de juros indexada à inflação em diferentes países varia de acordo com a liquidez disponível. Geralmente falando, países da América Latina sofrem com altas taxas de juros: Brasil (52.1%), Argentina (31.2%), Venezuela (20.8%), Honduras (19.3%), Paraguai (18.1%). Enquanto outros países aproveitam baixas taxas: Japão (1%), Hungria (2,1%), Suíça (2,6%) e Canadá (2,7%). É evidente que há igualdade na forma como as pessoas acessam o mercado de empréstimos. A plataforma ETHLend tem o potencial para consertar isso. Se a mesma quantidade de liquidez for disponível do Japão e Brasil, as diferenças de taxa de juros entre países e regiões desaparecerão, já que haverá mais liquidez e competição, e como resultado, pessoas no Brasil poderiam aproveitar melhores taxas de empréstimos e pessoas do Japão poderiam financiar empréstimos com melhores retornos. Simples assim.

Acreditamos que temos a oportunidade de fazer uma mudança na América Latina e no mundo. Nós devemos trabalhar juntos para criar uma economia mais aberta e inclusiva com oportunidades iguais para todos, em qualquer lugar. A ETHLend veio para construir pontes entre mutuários e credores ao redor do globo, removendo fronteiras e recebendo todos a ser parte nessa revolução de empréstimos. Se junte a nós, vamos caminhar nessa ponte juntos.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Leave a Comment