Resíduos radioativos de Chernobyl foram utilizados para ajuste criptográfico do Zcash

Conforme relatado no site da ZCash Foundation, qualquer cálculo para criar e confirmar evidências de divulgação zero (zk-SNARKs) utilizado no ZCash e em várias outras criptomoedas anônimas requer a especificação de parâmetros públicos.

Publicado em 31 de Janeiro de 2018 por

Desenvolvedores da criptomoeda anônima Zcash utilizaram resíduos radioativos de Chernobyl para garantir o sigilo de sua rede, conforme relatado pela CoinDesk.

Conforme relatado no site da ZCash Foundation, qualquer cálculo para criar e confirmar evidências de divulgação zero (zk-SNARKs) utilizado no ZCash e em várias outras criptomoedas anônimas requer a especificação de parâmetros públicos. Se alguém pode decifrar o algoritmo para definir esses parâmetros, essa pessoa pode criar sua própria evidência falsa.

Publicidade

Publicidade

É por esta razão que os desenvolvedores do ZCash realizam as assim chamadas “cerimônias Powers of Tau”, durante as quais as pessoas mais confiáveis – através de complexos procedimentos –, definem os parâmetros iniciais. Desta vez, como alternativa à geração de parâmetros aleatórios, resíduos radioativos foram utilizados.

De acordo com o desenvolvedor Andy Miller, a fonte de radiação radioativa de baixa frequência de partículas gama e beta foi o grafite, extraída do núcleo do reator da central nuclear de Chernobyl. O contador Geiger conectado ao gerador de números ajudou a traduzir a radiação em valores numéricos, que foram posteriormente integrados ao código.

“O grafite emitiu uma quantidade muito pequena de radiação, que foi significativamente menor que qualquer restrição que pudesse representar riscos à saúde”, explicou Miller.

Publicidade

Publicidade

Para garantir a impossibilidade de interferência de terceiros no procedimento, o mineral foi conduzido a uma altitude de 900 m acima do nível do mar em uma aeronave privada que sobrevoou os estados de Illinois e Wisconsin. Além disso, desenvolvedores geralmente destroem todos os computadores ou, pelo menos, o software utilizado para a criação do código.

Em teoria, esse procedimento permitiu que os desenvolvedores obtivessem um trecho de código absolutamente aleatório e privado e que pode ser usado para melhorar ainda mais o Zcash.

Lembre-se de que, em setembro de 2018, a equipe de desenvolvimento do Zcash planeja lançar uma atualização chave da rede Sapling, que visa completar a implementação atual do protocolo Sprout e levar o projeto a uma nova etapa de desenvolvimento.

Chrys

Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment