Os hackers que roubaram 500 milhões de tokens NEM (XEM) da corretora japonesa Coincheck no final de janeiro, podem, no momento, já ter lavado a maior parte dos fundos. Isto foi relatado pela Nikkei com referência aos dados de pesquisa da empresa L Plus, baseada em Tóquio e especializada em segurança cibernética.

Uma das maiores Exchanges do Japão, a Coincheck, suspendeu as operações com a moeda NEM e, mais tarde, com outras altcoins, depois que mais de 100 milhões de XRPs (cerca de US$123,5 milhões) foram retirados da carteira da empresa e direcionados a um endereço desconhecido. Isso foi relatado pela Cointelegraph.

“A compra e venda de todas as criptomoedas – exceto Bitcoin – estão atualmente suspensas. Pedimos desculpas pelo inconveniente”, afirma um dos últimos tweets da Exchange.

Mais tarde, representantes da plataforma acrescentaram que pagamentos com cartões bancários e através do serviço Pay Easy também foram suspensos. Detalhes da situação deverão ser transmitidos aos usuários “em um futuro próximo”.

Vale ressaltar que uma informação ainda não confirmada do jornalista Joseph Young sugere que outros 600 milhões de dólares em NEM foram retirados da carteira da corretora.

Note que a Coincheck, ao contrário de outras importantes plataformas como a BitFlyer e Quoine, não está registrada na Agência de Serviços Financeiros do Japão (FSA).

De acordo com alguns relatórios, repórteres começaram a se reunir em frente ao escritório da bolsa de valores.

Representantes da FSA informaram que a agência assumirá o controle sobre a situação.