A Swift esta desenvolvendo uma blockchain de liquidez

A Swift, uma plataforma global que conecta a grande maioria dos bancos do mundo começou a construir um aplicativo blockchain para simplificar pagamentos internacionais.

Publicado em 13 de janeiro de 2017 por

A Swift, uma plataforma global que conecta a grande maioria dos bancos do mundo começou a construir um aplicativo blockchain para simplificar pagamentos internacionais.

Anunciado ontem, a Sociedade para a Telecomunicação Financeira Interbancária Mundial (Swift) está integrando a tecnologia blockchain com seus próprios produtos para construir uma prova de conceito que poderia um dia substituir as chamadas contas “nostro”* em todo o mundo, caso de eles precisem.

Publicidade

Publicidade

Se bem sucedida, a aplicação blockchain terá o potencial de finalmente alcançar um sonho de longa data da Swift, que é liberar o dinheiro armazenado nessas contas para que possa ser investido em medidas mais rentáveis.

O chefe da empresa de mercados bancários, Wim Raymaekers, explicou o que um teste bem sucedido de tecnologia de razão distribuída (DLT) pode significar para seus clientes.

Raymaekers disse:

“Vamos usar o DLT como uma prova de conceito para sincronizar essas bases de dados em tempo real, para que os bancos possam otimizar sua liquidez globalmente”.

Atualmente, a rede da Swift monitora as contas de 11.000 instituições financeiras em todo o mundo, usando atualizações de débito e crédito existentes na plataforma através de declarações ao fim do dia.

A manutenção dessas contas representa uma “parcela significativa do custo de fazer pagamentos internacionais”, de acordo com uma declaração. Exatamente o quanto de poupança que poderia resultar disso, ainda não esta bem claro, disse Raymaekers.

“Isso é o que estamos procurando em conclusão desta prova de conceito”, disse ele.

Especificamente, a Swift espera reduzir os custos de reconciliação entre bancos de dados independentes mantidos pelos membros da plataforma interbancária, reduzir custos operacionais e liberar liquidez para outros investimentos.

As experiências parecem ser parte de uma exploração maior de várias soluções em blockchain.

Uma blockchain anterior para testar os benefícios potenciais e plausibilidade de mover o padrão ISO 20022 para uma blockchain foi construída usando o código-fonte aberto da Monax.

Esta mais recente prova de conceito de blockchain se aproveitará da base de código aberto Hyperledger, sendo desenvolvida por um consórcio de empresas, das quais a Swift é membro.

A prova de conceito consistirá em uma blockchain privada para membros convidados com perfis de usuário específicos e um “forte” controle de dados. No ano passado, o consórcio bancário R3CEV e uma dúzia de seus bancos membros testaram o recurso nativo da Ripple, a XRP para atender a uma função semelhante.

No caso da Swift, somente os membros autorizados poderão acessar a blockchain, que será integrada com a própria plataforma de gerenciamento de identidade da Swift e sua infraestrutura de chave pública (PKI), uma arquitetura de segurança baseada em assinaturas digitais criptograficamente verificadas.

“Trata-se de usar a tecnologia”, disse Raymaekers. “Mas também é muito importante o que você coloca no livro-razão?”

Não esperando pela mblockchain 

Repetidamente, Raymaekers enfatizou que ele acredita que a Swift já está solucionando os problemas de seus clientes usando tecnologia mais tradicional existente.

Já em 2003, a Swift criou um grupo de trabalho formado por vários bancos que, desde então, assumiram um papel de liderança em blockchain para criar um modelo descentralizado de troca de informações de banco para banco.

Embora esse trabalho inicial pareça ter sido encerrado no projeto Intraday de liquidez da Swift para integrar um painel de liquidez em bancos de dados de membros da Swift, o trabalho para fazer contas “nostro” continuou.

Em um relatório de 2012, em que Raymaekers é co-autor ele descobriu que os top 80 bancos de pagamentos na associação Swift já tinham reduzido o número de contas “nostro” na Europa e nas Américas em 16% e 11% respectivamente, com contas na Ásia Pacífico aumentando 4% , Entre 2005 e 2011.

Essas mudanças resultantes de preocupações após o colapso financeiro de 2007 fizeram parte do que a Swift descreveu como “Correspondent Banking 3.0”.

Agora, o impulso atual em direção das blockchains faz parte de um esforço ainda maior dentro da Swift chamado de Iniciativa Inovação de Pagamentos Globais, ou GPI.

Inovação em pagamentos globais

O GPI faz parte de uma série de mudanças abrangentes destinadas a simplificar os pagamentos transfronteiriços em todo o mundo.

Em sua primeira versão, prevista para o início de 2017, com cerca de 100 bancos participantes, a Swift está trabalhando para simplificar o processo de instruções de pagamento internacionais, as mensagens padronizadas pelas quais Swift talvez seja mais conhecida.

Segundo Raymaekers, esse objetivo já foi amplamente alcançado com a tecnologia tradicional que os bancos podem mais facilmente incorporar.

Mas isso é apenas metade dos objetivos do GPI.

A iniciativa também visa simplificar a reconciliação de contas “nostro” e mais, algo que Raymaekers acredita pode vir a ser um caso de uso ideal para a tecnologia de razão distribuída.

Raymaekers concluiu:

“Um grande problema é a reconciliação entre os bancos nesses bancos de dados de suporte. É nesse sentido que dentro da iniciativa GPI, vamos explorar o DLT para sincronizar esses bancos de dados “.

* Definição de Conta Nostro: Esta é uma conta usada na moeda estrangeira definida com a ajuda de banco local em um determinado país. As expressões “vostro” e “nostro” são os derivados das palavras em latim que significa “nosso” e “seus”. Por exemplo, se você reside nos EUA e pedir ao seu banco para abrir uma conta Euro, eles vão criar uma Conta Nostro para você com um correspondente bancário na União da Europa com quem têm uma relação forte. Conta Euro irá definir uma conta especial, mas não é considerado como uma conta corrente. Trata-se de um modo diferente. As transações das contas pode ser realizada por meio de transferências bancárias para se certificar de que as credenciais de identidade são verificados e que a manipulação extraordinária é utilizado. Normalmente, as empresas utilizam esses tipos de contas durante a compra ou a venda de produtos em um país diferente sem estar presente fisicamente.

Publicidade

Publicidade

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Leave a Comment