Swiftmail e Cryptamail: seu e-mail na blockchain

Parece que as blockchains estão em todas, dessa vez elas invadiram os e-mails com a Swiftmail, Cryptamail, os novos sistemas de e-mail da internet.

Publicado em 19 de dezembro de 2016 por

 Swiftmail, Cryptamail, a blockchain no futuro da internet e das comunicações via e-mail.

A execução de sistemas de e-mail na blockchain do Bitcoin está se tornando cada vez mais imperativa, pois os serviços de e-mail atuais são pesados e não são mais seguros. Na verdade, os provedores de serviços de e-mail estão usando tecnologias obsoletas, as quais se tornaram muito vulneráveis a hackers cada vez mais sofisticados.

Publicidade

Publicidade

Substituir os sistemas atuais de e-mails por sistemas rodando em blockchain

Depois de sofrer a maior brecha de segurança na história da internet, o Yahoo está agora instando seus usuários a alterar suas senhas. No entanto, alterar senhas é um exercício quase inútil. Na verdade, especialistas alertam que a mudança frequente de senhas pode ser algo contraproducente.

Para melhorar os sistemas de e-mail, protegendo os dados da conta do usuário, é necessária uma mudança radical de tecnologia.

Publicidade

Publicidade

Felizmente, algumas startups já estão fazendo isso. Eles estão transformando sistemas de e-mail usando a tecnologia da quarta revolução industrial, ou seja, a tecnologia blockchain.

Por exemplo, o Swiftmail de John McAfee é um sistema de correio que roda na tecnologia blockchain do Bitcoin. Uma criptografia de ponta a ponta, com 256 bits, protege os dados do Swiftmail e torna interceptação de dados inútil, afirma a empresa.

“John McAfee diz que o Swiftmail um sistema de correio criptografado descentralizado, peer-to-peer, com prova de trabalho (POW), que usa a tecnologia Bitcoin para substituir os e-mails tradicionais. Um endereço de carteira Swiftmail tem esta aparência: ab99b776de244fe0f70f229921517829”, explica em seu site.

download

O Cryptamail é outro sistema de e-mail descentralizado que funciona com tecnologia blockchain. Como a cadeia de blocos armazena as mensagens, “não há um ponto central que as armazene, então não há lugar para roubar ou mesmo enviar uma solicitação por seus dados privados”, afirma seu site.

E-mails hackeados

Os sistemas de e-mail atuais não são mais seguros. O Yahoo revelou recentemente que sofreu o maior hack do mundo, comprometendo mais de um bilhão de contas de usuários. Os hackers roubaram dados pessoais cruciais dos usuários do Yahoo. Mais perturbador, a informação roubada poderia ter incluídas as questões de segurança e suas respectivas respostas.

O Yahoo informou que o hack de um bilhão de contas de usuários ocorreu em agosto de 2013. No entanto, o Yahoo anunciou apenas em 14 de dezembro de 2016. Peritos forenses ainda estão investigando a mega violação de dados. “Não conseguimos identificar a intrusão associada a esse roubo. Acreditamos que este incidente seja provavelmente diferente do incidente que divulgamos em 22 de setembro de 2016”, disse Bob Lord, CISO Yahoo.

“Com base na investigação em curso, acreditamos que um terceiro não autorizado acedeu ao nosso código fechado para aprender como falsificar cookies”.

Anteriormente, em setembro, o Yahoo revelou outro incidente em que as informações relativas a 500 milhões de contas de usuários foram roubadas em 2014.

O Yahoo relaciona esses dois grandes incidentes criminais com “o mesmo criminoso patrocinado pelo Estado”.

Hackers patrocinados pelo Estado e as implicações políticas

As notícias sobre violações de dados são recorrentes, quase diárias, afetando fornecedores de serviços de e-mail, bem como empresas, agências governamentais e organizações políticas. Os impactos desses incidentes são potencialmente de grande alcance.

Tomemos, por exemplo, o recente hacking do Comitê Nacional Democrata. Alegadamente, esse hacking afetou negativamente o resultado das eleições presidenciais dos EUA de 2016. Muitos afirmam que criminosos patrocinados pelo Estado realizaram o hacking.

Com efeito, de acordo com a NBC News, “Funcionários de inteligência dos EUA acreditam agora com ‘um alto nível de confiança’ que o presidente russo, Vladimir Putin, se envolveu pessoalmente na campanha secreta russa, para interferir nas eleições presidenciais dos EUA”, disseram altos funcionários de inteligência dos EUA à NBC News.

Ataques cibernéticos têm sido norma por um longo tempo. Agora, no entanto, a frequência, magnitude e implicações dos hackings de e-mail e de outros atos mal-intencionados estão aumentando dramaticamente. Como resultado, agora é urgente inovar e avançar para tecnologias de e-mail mais seguras, como as que integram a segurança que a tecnologia de blocos do Bitcoin oferece.

Comentários e conclusão

Tudo no mundo é feito por interesse, mas daí a acusar um presidente de um país do tamanho da Rússia de conduzir pessoalmente um ataque desses, chega a ser ridículo! Perderam a eleição porque o povo está cansado de politica assistencialista sem recursos, de trabalhar para o governo alegar fazer caridade, de pagar impostos e não ver aonde o dinheiro vai. Esse é o fato, gostem os partidos “socialistas” ou não.

Ah, e antes que me esqueça, quando hackearam o sistema do comitê Russo olímpico e alegaram que os atletas haviam usado drogas e por isso estavam fora das olimpíadas, também foi o Putin? Nesse dia o hacker “foi do bem”, todos os atletas inclusive os que não foram acusados de usar drogas foram banidos. Quando o sistema do comitê olímpico americano foi hackeado e acusou vários atletas medalhistas de terem feito uso de drogas, ai o hacker “era do mal” e podia por em risco a vida e carreira dos atletas.

O que vejo são dois pesos e duas medidas, um aplicado ao EUA e outro a Rússia, isso tem que mudar! Chega de guerra fria, pra quem não sabe ela terminou lá pelos anos 80, a já Hillary perdeu, isso já passou. Aceita que dói menos NBC.

Publicidade

Publicidade

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Leave a Comment