Trump; o futuro incerto da economia mundial

Por que Trump poderia definir esta cadeia de eventos? Para sermos certos, não sabemos quais mudanças o próximo presidente introduzirá, mas ele definitivamente alimentou a incerteza em torno da direção da política dos EUA.

Publicado em 14 de novembro de 2016 por

Trump pode mudar o panorama da economia mundial. A história nos diz que nenhum sistema monetário internacional dura para sempre. E, como lembrou repetidamente Barry Eichengreen, o principal pensador nesta área, esses sistemas tendem a desmoronar muito rapidamente, seja o domínio das moedas de Roma, o estatuto da libra esterlina como unidade comum do comércio internacional ou os vários períodos em que o mundo esteve alinhado em torno do padrão ouro.

O mesmo será verdadeiro para o status não oficial do dólar como a moeda de reserva internacional. Sua hegemonia desaparecerá em algum momento e, quando isso acontecer, a queda será rápida à medida que o mundo busca uma nova âncora comercial.

Publicidade

Publicidade

Assim vamos analisar o que aconteceria se esse declínio viesse a acontecer nos próximos quatro anos, não estamos aqui dizendo que acontecerá, embora as propostas de Trump contenham uma boa quantidade de ingredientes que poderiam fazer nosso caldo entornar.

Pensemos que o aconteceria se o sistema do dólar de uma hora para outra ruísse, o mundo não quer mais confiar em moedas fiduciárias isso tira moedas atualmente fortes do nosso panorama, Euro, Iene, Yuans já estão ultrapassados. Voltar aos metais preciosos embora seja uma opção não estará entre as preferidas dadas as condições retrógadas que elas representam.

Nesse ínterim, podemos ancorar o comércio mundial a uma combinação transitória e multilateral dessas moedas de papel e commodities, mas em breve ela se mostrará muito complicada e fora de contato com uma economia global em mudança.

Publicidade

Publicidade

O fato é que agora operamos em uma economia digital onde a atividade econômica esta cada vez mais descentralizada, com transações acontecendo peer-to-peer e, quando a Internet of Things estiver pronta, máquina-a-máquina. Essa arquitetura econômica descentralizada online exigirá um sistema digital descentralizado de troca monetária que ultrapassa os ineficientes intermediários financeiros de um sistema bancário quebrado.

A solução pode não ser bitcoin por si só, mas o sistema de transferência de valor distribuído e em rede que representa e representará o modelo para o modelo futuro. É uma possível explicação para a razão pela qual a moeda digital teve um impacto na sua cotação logo após o resultado das eleições americanas.

A mudança está chegando

Por que Trump poderia definir esta cadeia de eventos? Para sermos certos, não sabemos quais mudanças o próximo presidente introduzirá, mas ele definitivamente alimentou a incerteza em torno da direção da política dos EUA. E a incerteza, é o maior inimigo de mercados eficientes, pode muitas vezes ter um efeito autorrealizável.

Essa é uma resposta insatisfatória, no entanto. Então, vamos também analisar algumas das ideias que Trump leva ao poder com ele, e que podem mudar a percepção internacional do compromisso da América com o sistema internacional baseado em dólar:

Direitos determinados por origem étnica

Trump sugere que devemos discriminar estrangeiros externos (visitantes muçulmanos nos EUA), cidadãos e não cidadãos (imigrantes hispânicos não documentados) e cidadãos nacionais (juízes considerados incapazes de servir por serem descendentes de mexicanos). Ele vai para o coração da lei e da imparcialmente confirmada nos EUA.

Essa percepção de imparcialidade é um dos fatores que atrai investidores para os EUA. Uma presidência que nega a existência de direitos aos que não são americanos reflete na economia como se dissesse: “saiam daqui” só que isso implica também na retirada de milhões de dólares do país, pessoas não americanas pensaram duas ou três vezes antes de levar seus investimentos a um país que de uma hora para outra pode exigir sua retirada.

A pergunta aqui é em questões legais como responderia o governo americano a investimentos estrangeiros, as leis do país continuariam a ser imparciais, ou haveria protecionismo? Se acreditarmos no que Trump andou pregando durante a campanha, podemos então pensar que haverá sim um certo protecionismo, e nesse caso a economia estará pronta para expatriação de trilhões de dólares? E como essa expatriação atuará no âmbito mundial?

Desprezo pelos tratados internacionais

otan

Se é a postura agressiva não liberal de Trump (vs México e vs China) ou seu desprezo pela OTAN e outros pactos internacionais de segurança, o fato é que o presidente eleito assinala a possibilidade de não manter os acordos internacionais existentes em alta consideração. No entanto, o compromisso dos Estados Unidos com eles é parte integrante do papel do dólar como os trilhos monetários do comércio internacional.

Também parece possível que esta mentalidade isolacionista levaria os EUA a cortar o apoio às instituições de Bretton Woods, ao FMI e ao Banco Mundial, duas pedras angulares do atual sistema financeiro internacional que já foram espremidas por restrições de financiamento de um governo republicano no Congresso.

Os governos estrangeiros confiam nos EUA para manter suas reservas sob um entendimento implícito de que Washington apoiará esses elementos-chave do quadro internacional para os intercâmbios e compromissos internacionais.

Compromisso Ambíguo amizade com a Russia

A demissão de Trump da OTAN, sua aparente afeição à Rússia e sua abordagem aparentemente mais relaxada à proliferação nuclear sugerem uma diminuição dramática do desdobramento militar dos EUA em todo o mundo.

Essa estrutura de segurança é fundamental para a força do dólar – há um quid pro quo implícito na ideia de que, em troca das despesas de Washington em navios, aviões e pessoal que protegem as rotas comerciais do mundo, o mundo usa dólares para transacionar ao longo dessas rotas.

Desconfiança no Federal Reserve

A crítica explícita de Trump a Janet Yellen durante a campanha, dizendo que ela deveria “se envergonhar” de manter as taxas de juros baixas, desafia a independência da instituição mais importante encarregada de manter o valor do dólar. O que isso pode fazer para a confiança dos investidores estrangeiros?

Déficits federais em fuga

O comitê para um governo federal responsável estimou que as propostas de despesas da campanha de Trump adicionariam $ 5,3 trilhões de dólares surpreendentes à carga da dívida de América sobre os 10 anos seguintes, 25 vezes a da proposta de Hillary Clinton.

Se metade daqueles fossem comprometidos, o governo teria duas opções: inadimplência da dívida ou uso da inflação para monetizá-la. De qualquer maneira, o resultado seria uma desvalorização maciça do dólar similar àquela que o presidente Nixon conseguiu quando abandonou seu ouro em 1971.

Eu não estou dizendo que Trump tomaria de bom grado tal ação, mas estes são os tipos de pontos de referência históricos que os investidores estrangeiros terão em mente enquanto pesam suas apostas no dólar.

Aparição do bitcoin

Quanto ao que vem a seguir, vale a pena considerar como relutantemente muitos governos participam da atual negociação com base no dólar. Não é nenhum segredo que a China adoraria ser menos dependente do dólar para o comércio exterior, o que por sua vez significaria que eles não precisariam ter mais de 1 trilhão de dólares em títulos do tesouro americanos como forma de poupança.

Mas há também governos de países menores que se sentem completamente vulneráveis ao sistema do dólar, uma vez que isso significa que qualquer mudança nas taxas de juros dos EUA pode ter um efeito desestabilizador em suas economias. A situação lhes rouba efetivamente a autonomia monetária.

O que é interessante é que as novas soluções de dinheiro digital inspiradas, se não baseadas no bitcoin podem ajudar esses países a se livrarem do dólar.

A tecnologia do ledger digital que os bancos de Wall Street estão usando para buscar a liquidação em tempo real de transferências de títulos também poderia ser usada para alcançar a liquidação em tempo real dos fluxos comerciais. Se os exportadores chineses puderem agora obter pagamentos diretos em rublos a yuan dos importadores russos, sem depender do sistema bancário internacional liderado pelos EUA para liquidar as transações através do seu pesado e demorado processo de transferências agregadas, os pagamentos destes dois países não mais precisam triangular através de dólares.

Enquanto isso, em mercados emergentes menores, os governos estão explorando soluções de dinheiro digital que também podem ignorar os bancos e até mesmo permitir que eles criem sistemas independentes de política monetária.

E o que poderiam os contratos inteligentes, que dão às empresas e aos governos ferramentas automatizados para mitigar os riscos cambiais internacionais, fazer pela demanda por moedas de reserva? A única razão para manter reservas, que equivale a adiar o uso do dinheiro que poderia ser colocado em uso em casa, é para o seguro contra esses riscos.

Descentralizar é o futuro

Essas mudanças na tecnologia do dinheiro, juntamente com outros aspectos de nossa crescente globalização e descentralização da economia global, tudo, desde o aprendizado de máquinas e realidade aumentada até entrega de drones e impressão 3D, tornam improvável que a solução internacional pós-dólar para a gestão de troca de valores será outro regime baseado em moeda fiduciária. A nova arquitetura virá de dentro das próprias tecnologias digitais de descentralização.

Não tenha ilusões de que os poderes que ajudam a determinar este futuro necessariamente irão gravitar em direção ao bitcoin. Mas agora, não há muitas outras maneiras de se proteger desses tipos de mudanças. O Bitcoin é a única que temos, uma classe de ativos proxy ,para a perspectiva de um futuro sistema financeiro baseado em uma rede de confiança distribuída descentralizada.

Então se você esta preocupado com o futuro da economia mundial diante da “ameaça Trump”, a sugestão que podemos te dar é, compre alguns bitcoins ou outra moeda de sua preferencia e espere para ver o que acontece. Tenha em mente que o que descrevemos aqui pode acontecer em 4 ou 40 anos.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

comentário sobre

  1. Romana

    Ótima análise, muito abrangente e detalhista! Obrigada!

Leave a Comment