A Ucrânia deve, o mais rapidamente possível, determinar o status legal das criptomoedas, bem como introduzir tributação às transações criptográficas. Isto foi afirmado pelo chefe do Departamento de Cibernética da Polícia Nacional da Ucrânia, Sergey Demedyuk.

Os números de investimentos em Bitcoin na Ucrânia dispararam 500% em um único ano, segundo Andrey Dubetskiy.

Os números, que Dubetskiy revelou, representam o crescimento de 500.000 Grívnias (US $ 18.400) para 2,5 milhões (US $ 92.000) de Grívnias por semana em 2016.

“As razões por trás do crescimento são as mesmas que em todo o mundo”, disse ele.

Especificamente, as razões são: a desconfiança das moedas nacionais, uma economia instável, restrições de movimento de ativos, economia paralela, pouca escolha e regulação de instrumentos financeiros, demanda por instrumentos financeiros digitais e globais, potencial de crescimento do preço do Bitcoin como investimento e muitos outros.

A Ucrânia tornou-se um participante ativo em ambos os estudos de Blockchain e Bitcoin como um bem de consumo.

Apesar de sua recente e turbulenta história política e econômica, o uso de criptocorrências tem sido fomentado – ou pelo menos deixado intocado pela regulação prematura – e continua a servir como uma alternativa de investimento para a Grívnia, que desde 2014 perdeu dois terços de seu valor.

A LocalBitcoins está também na Ucrânia

Os volumes da Localbitcoins na Ucrânia também estão em seus melhores tempos nos últimos meses, com o fechamento semanal de negociações em direção a novas altas período após período.

“Considerando a tendência geral de alta da taxa de câmbio do Bitcoin, a maioria dos clientes está comprando para lucrar com operações especulativas, enquanto alguns investidores transferem uma parte de seus ativos para Bitcoin”, acrescentou Mikhael Chobanyan, CEO da Kuna.io .

Crises de todas as formas fomentam o uso do Bitcoin

Em uma tentativa de resgatar sua infraestrutura econômica, a Ucrânia foi forçada a nacionalizar seu principal credor, o Privatbank em dezembro passado, em meio a preocupações de “pânico” que surgiriam se as coisas fossem deixadas como estavam.

“Outros bancos não estariam recebendo seus empréstimos do PrivatBank, o que causaria uma série de falências começaria, e haveria pânico”, declarou Oleksandr Savchenko, diretor do Instituto Internacional de Negócios de Kiev, comentando sobre a situação antes do movimento ser finalizado.

Entretanto, um esquema envolvendo o Banco Central para introduzir a tecnologia nos processos governamentais parece estar ganhando força.

Durante o ano passado uma publicação divulgou um roteiro do Banco Central da Ucrânia para adoção de seu esquema de Economia Cashless (Sem Dinheiro), nessa agenda eram estabelecidas formas e prazos para o uso de blockchain em casos de pagamentos.

“O Conselho do Banco Nacional da Ucrânia (NBU) aprovou e apresentou um roteiro para Economia Cashless, que utilizará a tecnologia Blockchain na Ucrânia pela primeira vez”, o porta-voz Konstantin Yarmolenko escreveu no Facebook no momento em um post posteriormente removido.

Por outro lado, a Ucrânia foi o primeiro país do mundo a lançar contratos de futuros aprovados pelo Bitcoin na sua bolsa nacional. O interesse dos investidores também foi dado como a principal motivação para o movimento, que as autoridades anunciaram no meio do fiasco do Privatbank.