Wall Street Journal: Bitcoin como dinheiro do terrorismo é exagero

No Morning Risk Report, o Wall Street Journal enfatizou que as agências policiais e as organizações financeiras, que descrevem o Bitcoin como uma ferramenta de financiamento ou dinheiro do terrorismo, estão exagerando os riscos envolvidos nas moedas digitais, incluindo o Bitcoin.

Publicado em 9 de março de 2017 por

No Morning Risk Report, o Wall Street Journal enfatizou que as agências policiais e as organizações financeiras, que descrevem o Bitcoin como uma ferramenta de financiamento ou dinheiro do terrorismo, estão exagerando os riscos envolvidos nas moedas digitais, incluindo o Bitcoin.

Bitcoin como dinheiro do terrorismo

Desde o início de 2016, as agências de aplicação da lei, incluindo o FBI e a Europol, começaram a descrever o Bitcoin como uma ferramenta de financiamento do terrorismo devido ao seu caso de uso na dark web.

Publicidade

Publicidade

No entanto, essas agências foram duramente criticadas por enganar o público, como dinheiro fiduciário ou dinheiro, que serve o ecossistema financeiro global como o sistema monetário de base, representa quase 97% de todas as atividades criminais devido ao seu anonimato completo.

Analistas e apoiantes do Bitcoin expressaram suas preocupações sobre a atribuição do Bitcoin por governos e agências de aplicação da lei a atividades criminosas, principalmente porque o Bitcoin não é completamente anônimo, qualquer um pode rastrear o fluxo de transações usando a blockchain pública.

Quando um criminoso tenta vender Bitcoin em uma corretora de Bitcoin regulamentada, com os sistemas Know your customer (KYC) e Anti-money laundering (AML) em voga, agências governamentais serão capazes de desvendar a identidade do usuário de Bitcoin com facilidade.

Mais do que isso, os criminosos estão sempre em busca de melhores tecnologias e alternativas. Os criminosos utilizam automóveis, dinheiro, telefones e outras tecnologias para complementar suas operações.

No entanto, isso não deve levar necessariamente assustar o público em geral. Em outras palavras, as agências governamentais não devem tentar proibir todas as tecnologias utilizadas pelos criminosos em todo o mundo. Se assim for, ninguém será capaz de utilizar a internet, Bitcoin, sistema bancário, carros, entre muitas outras tecnologias.

O consultor do think-tank Internacional de Defesa e Segurança do Royal United Services Institute e ex oficial do Departamento de Tesouro dos EUA na divisão de Terrorismo e Inteligência financeira declarou:

“Tratar as criptocorrências como uma ameaça excepcional cria a impressão enganosa de que produtos financeiros mais convencionais já não são igualmente vulneráveis à exploração terrorista”.

Financiamento Terrorista: Bitcoin vs. Bancos convencionais

Essencialmente, o Bitcoin é um protocolo descentralizado construído para facilitar pagamentos entre duas partes com a ausência de moderadores ou prestadores de serviços de terceiros. Todos dentro da rede têm autoridade igual sobre um ao outro e não existem administradores que possam manipular, alterar ou excluir transações da blockchain pública.

Esta arquitetura descentralizada do Bitcoin impede a exploração e manipulação de fundos, ao contrário das operações bancárias convencionais. Durante a última década, os bancos foram expostos por liderar operações fraudulentas que levaram a centenas de bilhões de dólares em perdas. Na verdade, na semana passada foi revelado pela Bloomberg que os maiores bancos do mundo foram multados US$ 321 bilhões no total desde a crise financeira de 2008.

Em consideração a este número impressionante, é desonesto e enganador por parte dos governos atribuírem ao Bitcoin a alcunha de dinheiro criminoso e terrorista, quando seus parceiros mais confiáveis têm iludido o público por décadas antes de serem multados em bilhões de dólares por suas ações.

Carlisle também observou que os grupos terroristas, incluindo o ISIS, têm suas próprias formas de dinheiro, tais como suas moedas de ouro únicas, cunhadas como moeda unificada. Assim, o Bitcoin e as outras moedas digitais não são uma prioridade para os grupos terroristas, especialmente porque o Bitcoin é difícil de obter sem revelar a identidade do usuário devido aos regulamentos KYC e AML implementados em todo o mundo.

O governo investe milhões de dólares na intenção de denegrir a imagem do Bitcoin, as pessoas deveriam se perguntar por que isso ocorre. Governos de muitos países hoje são financiados por criminosos, isso é um fato.

Políticos de todo o mundo estão se mostrando corruptos incorrigíveis e a o que na verdade tem ocorrido é que o Bitcoin e sua tecnologia adjacente, a blockchain, podem fazer muito contra essas pessoas. O medo é de perder as facilidades se o povo realmente acordar e ver que pode ser, de fato, dono do dinheiro pelo qual trabalharam.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Leave a Comment