A Comissão de Valores Mobiliários das Filipinas (SEC) alega que os contratos para mineração em nuvem devem ser considerados valores mobiliários e regulados de forma adequada.

25 corretoras criptomonetárias obterão residência na Zona Econômica Especial de Cagayan, nas Filipinas. Isso foi relatado pela CCN.

A agência planeja emitir licenças para sites cujas atividades não contradizem a atual legislação criptomonetária do país.

“Nós não queremos que as Filipinas se tornem um refúgio para golpistas, então faremos uma auditoria das corretoras por questão da honestidade e boa fé. Isso nos permitirá determinar se suas transações são apenas um meio de fazer com que as pessoas invistam em projetos criptomonetários fraudulentos”, afirmou Raul Lambino, diretor do CEZA.

Segundo ele, corretoras com escritório na zona econômica especial terão que investir pelo menos US$1 milhão dentro de dois anos.

Apesar do número limitado de licenças, cada uma das 25 corretoras terá direito a emitir até 30 sublicenças de negociante e corretor.

Ainda no contexto de notícias sobre o país, ressaltamos que anteriormente, em maio deste ano, uma parceria foi estabelecida entre a ConsenSys e o Union Bank of the Philippines. É possível ler mais sobre isso aqui.