Bitcoin (BTC): dominância cai à medida que interesse de negociação torna para altcoins

Outro ciclo de altcoins parece começar, enquanto a dominância do Bitcoin (BTC) em termos de capitalização de mercado caiu para 38,8% depois de permanecer acima de 43% por semanas. À medida que as altcoins se estabilizam e começam a crescer, um novo ciclo de negociações tem início. Ao mesmo tempo, os traders estão ainda mais confiantes de que os preços explodirão em maio, assim como previsto.

Publicado em 20 de Abril de 2018 por

Outro ciclo de altcoins parece começar, enquanto a dominância do Bitcoin (BTC) em termos de capitalização de mercado caiu para 38,8% depois de permanecer acima de 43% por semanas. À medida que as altcoins se estabilizam e começam a crescer, um novo ciclo de negociações tem início. Ao mesmo tempo, os traders estão ainda mais confiantes de que os preços explodirão em maio, assim como previsto.

Desta vez, o preço do Bitcoin parece estar dentro de um intervalo específico, estabilizando-se em torno de US$8 mil – apesar da queda na dominância, o preço do BTC continua forte, chegando a US$8.340,54, sendo que seu volume de negociação supera US$ 7 bilhões. Neste ponto, o Bitcoin pode mais uma vez se transformar em uma reserva de valor para ganhos especulativos feitos em altcoins.

Enquanto a participação do ativo cai em capitalização total do mercado criptomonetário, a participação das altcoins e tokens sobe em um ritmo bastante acelerado.

Bitcoin (BTC): dominância cai à medida que interesse de negociação torna para altcoins. BTCSoul.com

A alta nos preços do BTC não é atraente aos investidores norte-americanos, onde as regulamentações se intensificaram nas últimas semanas. Mais uma vez, o Japão é responsável por mais de 50% dos volumes, e a participação do dólar americano caiu para 19% das negociações. Até mesmo a participação da Coréia caiu, com cerca de 4,5% das negociações. Este perfil de risco totalmente novo para o Bitcoin terá que permanecer por um tempo para que tenha algum efeito sobre o preço. Mesmo a negociação em USDT parece fraca em relação ao iene, que representa cerca de 11% de todas as negociações.

Enquanto isso, como os mineradores “seguem o dinheiro”, o hashrate da rede de Bitcoin aumentou para 30.537.557 TH/s – taxa recorde que coincidiu com novos hardwares entrando em operação em 2018. Uma estimativa aproximada do consumo de energia é de 950 kW para uma transação. Em termos de consumo de energia, a rede inteira do Bitcoin chegou aos níveis de consumo da Suíça, o que tornou-se possível com máquinas mais potentes adicionadas à rede. A mineração ASIC pode ser um consumidor ainda maior de energia, já que as máquinas mais poderosas foram construídas para a mineração de Monero (XMR) e até mesmo de Ethereum (ETH).

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment