A Coinbase, principal empresa de Bitcoin, confirmou oficialmente planos para adicionar suporte ao protocolo Segregated Witness (SegWit).

A Coinbase, maior empresa norte-americana de criptomoedas, confirmou informações sobre o recente movimento de grandes quantidades de ativos criptomonetários. Isso foi relatado pelo CryptoGlobe.

Como se sabe, a empresa planeja expandir significativamente o número de ativos criptomonetários suportados, sendo que para isso, é necessário repensar radicalmente as abordagens para o armazenamento de fundos na plataforma, cujas somas chegam a bilhões de dólares americanos.

Por conta disso, a Coinbase transferiu recursos de clientes no total de US$5 bilhões para o cofre atualizado. Em particular, foram transferidos 5% dos Bitcoins, 8% dos ETHs e 25% dos Litecoins detidos pela empresa.

De acordo com Philip Martin, chefe de segurança da Coinbase, o planejamento do processo de movimentação de moedas levou cerca de quatro meses. Segundo ele, uma “arquitetura fundamentalmente nova” foi criada “do começo ao fim”.

“Reguladores e auditores estavam envolvidos em todas as etapas. Estávamos preocupados principalmente em não agitar o mercado durante esse processo. É por isso que tanto tempo foi gasto na coordenação com reguladores e na prevenção de especulações na mídia”, acrescentou Martin.

Na primeira etapa, um novo processo de geração de chaves foi lançado em outubro. Durante esse período, a equipe da Coinbase foi para um local seguro, equipado com novos computadores, para imprimir as chaves, que foram então divididas em diferentes partes.

“Pegamos uma chave privada e aplicamos uma técnica criptográfica chamada esquema de compartilhamento do secreto de Shamir. Esse algoritmo nos permite pegar parte dos dados secretos e dividi-los em um determinado número de partes”, explicou um representante da Coinbase.

Em seguida, as chaves são distribuídas entre diferentes locais seguros. Para desbloqueá-los, é preciso usar esforços de vários funcionários da Coinbase, que se comunicam uns com os outros por telefone.

Vale notar que a Coinbase não é a primeira empresa do setor criptomonetário a usar essa abordagem: anteriormente, o serviço BitGo recorreu a esse tipo de segmentação de chaves.