Como os bancos europeus pagam as contas de startups de criptomoedas

Um novo relatório da Online Trust Alliance afirma que 65% dos principais bancos dos EUA falharam em testes de segurança na web projetados para determinar se eles são ou não vulneráveis ​​a um ataque cibernético.

Publicado em 18 de agosto de 2018 por

A notícia de que bancos clássicos investem em projetos de criptomoedas está aparecendo com cada vez mais frequência. Os países inicialmente conservadores a respeito das moedas digitais também estão investindo, logo, as informações vêm do mundo tudo.

Projetos financeiros e tecnológicos, que na descrição de suas atividades mencionam trabalhos com criptos modernas, fecham contas existentes ou se recusam completamente a abrir uma conta bancária. Alguns especialistas estão inclinados a acreditar que os bancos clássicos competem com os concorrentes. Mas as instituições bancárias devem ter medo de jovens comerciantes em desenvolvimento que trabalhem com eles no mesmo mercado – ou devem olhá-los melhor e começar a ajudar no desenvolvimento da “crescente geração de fintech”

Banimento em massa

Em junho, a Associação Polonesa de Bitcoin apresentou uma queixa ao Conselho de Proteção ao Consumidor para vários bancos que não permitem que startups de Blockchain abram contas. A queixa diz respeito a 15 bancos que recusaram cerca de 52 projetos. Alguns bancos disseram seu “não” nove vezes consecutivas, o que qualitativamente caracteriza suas políticas e fala da determinada atitude dessas instituições financeiras.

Como resultado, vários projetos poloneses foram forçados a buscar jurisdições para realocaçar e selecionar novos parceiros financeiros em outros países europeus, pois simplesmente não podem trabalhar sem uma conta bancária e contas fiduciárias.

Alguém teve que parar de trabalhar. A corretora BitBay, por exemplo, migrou para Malta, que, muito provavelmente, se tornará um dos países mais atraentes para essas empresas. Uma história semelhante aconteceu na Irlanda, onde os projetos previamente aprovados e até mesmo apoiados pelo governo e apoiados pelo Estado, como o Bitcove e a corretora Ericoin, caíram sob a “proibição” bancária. A Bitcove proporcionava aos usuários poder de compra, venda e troca, a corretora, por sua vez, contava com colaboração do Bank of Ireland e foi premiada com o “Best Business Startup”.

O que deu errado? Os bancos estão com medo da concorrência? Dificilmente. Em vez disso, fala-se do medo das opalas por parte do regulador estatal, que ainda não formou requisitos claros e compreensíveis para o mercado criptomonetário. Ações especulativas de algumas corretoras inescrupulosas ao redor do mundo também podem ser a causa desse comportamento dos bancos. Mas vale a pena para os bancos esconder a cabeça na areia ao sinal da primeira ameaça?

Exemplo europeu

Algumas instituições financeiras na Alemanha foram para o outro lado. O SolarisBank, por exemplo, que é um banco alemão licenciado, lançou o projeto Factory, que é voltado exclusivamente para projetos financeiros e tecnológicos, ou seja, fornece serviços para empresas que trabalham direta ou indiretamente com moedas digitais e tecnologia de Blockchain. O espectro destes serviços corresponde plenamente às necessidades das empresas jovens: possuem as opções para abrir contas bancárias e de confiança a fim de compartilhar e armazenar seus próprios ativos e fundos de usuários.

Mais importante, para startups que acessam a Blockchain Factory, uma plataforma regulatória e legal está disponível, incluindo serviços como monitoramento de transações e procedimentos KYC (conheça seu cliente). Ou seja, o próprio banco oferece ajuda às startups para garantir a conformidade com os requisitos mais importantes para a identificação de seus usuários. É sobre a discrepância entre os requisitos do sistema KYC e o monitoramento não transparente das transações que reguladores e bancos clássicos reclamam com mais frequência, recusando-se a trabalhar com projetos criptográficos.

Simplificando, o SolariesBank não combateu a crescente popularidade da cryptrend, mas tenta ajudar as empresas jovens a se adaptarem à regulamentação e às exigências do mercado.

“O mundo da moeda não vai desaparecer. Estamos caminhando para um futuro híbrido, no qual a criptomoeda ainda está para ser defendida. Vemos, no entanto, o poder revolucionário de novos modelos de negócios e queremos participar na construção da moeda que será o futuro da indústria”, apontou Peter Grosskopf, Diretor Técnico do SolarisBank e Chefe da Blockchain Factory.

Na mesma direção, um dos bancos suíços mais antigos, o Hypothekarbank Lenzburg, também está em movimento. Sua estrutura existe há mais de 150 anos e, ao contrário das instituições financeiras que se preocupam com as criptomoedas, decidiu sair em apoio às empresas jovens.

“O Hypothekarbank Lenzburg moderniza o negócio em termos tecnológicos e implementa uma estratégia conjunta em tecnologia financeira, por isso é importante que cooperemos com o jovem setor de criptografia e Blockchain na Suíça”, salientou a diretora geral do banco, observando que, para evitar o trabalho com players inescrupulosos, conduz uma cuidadosa seleção e verificação dos projetos.

Integrar, não ignorar

As instituições financeiras que assumiram o controle do processo de interação com representantes do mercado em desenvolvimento beneficiarão mais conservadores que preferem não entrar em contato com projetos criptográficos, mesmo na parte de abertura de contas.

Hoje, os bancos clássicos que desenvolvem seus próprios projetos de criptomoeda e Blockchain são caros. Este processo é intensivo em termos de recursos, tanto no quesito de investimentos financeiros quanto em termos de tempo. É muito mais fácil e eficiente integrar soluções prontas ao seu sistema – o processo de avaliação legal leva em média de 1 a 2 meses, e a integração técnica, de 2 a 5 meses.

Nesse caso, o próprio banco não suporta custos significativos e está acompanhando os tempos. Ignorar a tendência e bloquear o caminho para os criptoprojetos, recusando-se, a reconhecer o futuro, na melhor das hipóteses, pode recuar para as instituições bancárias do mercado em 2-3 anos, e na pior, a necessidade de perseguir o trem de progresso que se foi. E isso são custos completamente diferentes e tempo perdido.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment