Ferramenta para rastreamento de transações em Bitcoin será apresentada em Defcon

Publicado em 7 de agosto de 2018 por

No dia 9 de agosto, na Conferência de Segurança Cibernética Defcon, em Las Vegas, uma ferramenta denominada White Rabbit, projetada para rastrear transações de Bitcoin associadas à atividade criminosa, será apresentada. Isso foi relatado pelo portal Bitcoin.com.

Além disso, a demonstração da White Rabbit acontecerá na conferência Black Hat Arsenal, que atualmente também acontece em Las Vegas.

A ferramenta foi criada pelos principais desenvolvedores da plataforma de inteligência empresarial Trustar, Olivia Thet e Nicholas Kseib. Segundo eles, a White Rabbit permite “de maneira próxima ao tempo real receber dados contextuais de certos programas maliciosos que exigem um resgate”.

Na verdade, a White Rabbit monitora as transações de Bitcoin associadas a esse tipo de atividade criminosa, dando às autoridades policiais a capacidade de marcá-las.

De acordo com a descrição, a White Rabbit é um modelo de três partes que começa com a coleta de endereços de Bitcoin e sua classificação como “limpos” ou “sujos”.

“A segunda parte é testar os modelos de classificação que usam esses dados e desenvolver propostas para escolher o modelo ideal para a tomada de decisões… Na terceira parte, demonstraremos como usar esse modelo ideal para prever que um endereço estaria “sujo”. Além disso, vamos discutir os desafios que enfrentamos para resolver este problema e propor soluções para superá-los”, explicaram os desenvolvedores da Trustar.

Vale notar que esta não é a primeira ferramenta voltada para o rastreamento de transações na rede Bitcoin. O trabalho ativo nessa direção está sendo realizado, por exemplo, por empresas como a Chainalysis e a Bitfury. A reação da comunidade do Bitcoin a tais iniciativas, no entanto, está longe de ser amigável: o principal problema, para o qual apontam os opositores de tais ferramentas, é que o Bitcoin, como qualquer outra moeda, deve ser intercambiável. É por esta razão que os serviços que misturam Bitcoin, usados ​​para garantir o anonimato dos participantes da transação, são altamente populares.

De acordo com Olivia Thet, os usuários precisam saber quem está por trás de tais ataques.

“Tentando desanonimizar a Blockchain, não conseguiremos nada, precisamos ver a imagem mais abrangente. Os analistas de segurança que usam a Trustar estão mais interessados em como os endereços de Bitcoin são correlacionados entre as atividades dos grupos criminosos internacionais e a introdução real de malware”, apontou ela.

Chrys
Chrys é fundadora e escritora ativa do BTCSoul. Desde que ouviu falar sobre Bitcoin e criptomoedas ela não parou mais de descobrir novidades. Atualmente ela se dedica para trazer o melhor conteúdo sobre as tecnologias disruptivas para o website.

Compartilhe!

Leave a Comment