india banco corporacao criptomoeda

Corporações e bancos indianos estão conduzindo experimentos com criptomoedas para melhorar suas operações internas.

Segundo um relatório datado de 5 de janeiro do The Economic Times (ET), empresas como Hindustan Unilever (HUL), Reliance Industries, HDFC Bank e ABG Shipyard estão trabalhando em projetos piloto de criptomoedas e Blockchain como uma ferramenta para “gestão interna de tesouraria, manutenção de registros e finanças comerciais”.

Qual seria o plano dos Bancos e Corporações da Índia?

Uma fonte familiarizada com a situação contou ao portal que as criptomoedas seriam utilizadas apenas internamente pelas companhias e bancos. De acordo com a mesma:

“[Criptomoedas] serão eficazes principalmente como ferramentas de gerenciamento de capital de giro onde, ao invés de transferir dinheiro, criptomoedas serão transferidas e as contas reconciliadas em uma data posterior”.

A HUL não confirmou ou negou o relatório, mas um porta-voz da companhia afirmou ao ET que a HUL está “constantemente procurando aumentar suas capacidades digitais”, acrescentando:

“Estamos atualmente trabalhando em vários projetos pilotos em nossa cadeia de valor que nos impulsionarão para o futuro e redefinirão o cenário em que operamos”.

Criptomoedas como solução

As grandes corporações contam com várias subsidiárias que frequentemente movimentam milhões de dólares diariamente. Atualmente, essas transferências de fundos podem ser entradas de livros ou envolver dinheiro real. Neste contexto, de acordo com o relatório do ET, essas companhias estão testando criptomoedas para tentar “reconciliar as contas com dinheiro real sendo transferido apenas no final do ano financeiro ou trimestre”.

Dito isso, essas organizações ainda não definiram ou apresentaram suas decisões acerca de um cronograma voltado à ampliação do projeto.

Vale ressaltar que esses fatos vêm à tona em meio a recentes notícias envolvendo o governo indiano e o Bitcoin: segundo informações, autoridades do país estão prontas para legalizar o ativo digital, contanto que isso seja feito obedecendo a restritas regras da indústria. É possível ler nosso artigo na íntegra sobre isso aqui.